harmonizar-tannat-bordeaux-lambrusco-espumante-rose-branco
Gastronomia

Vinho e Feijoada: Como Preparar? É possível harmonizar?

Quando pensamos em vinho, automaticamente pensamos numa harmonização com um vários tipos de massas, saladas, petiscos e tábua de frios. Mas você já cogitou combinar essa bebida com um belo prato de feijoada?

Não né? Parece algo incrivelmente difícil. Apesar de ambos serem deliciosos separadamente, é quase impossível visualizar esses dois na mesma mesa.

E você está certo, a harmonização entre vinho e a feijoada é bem complicada, principalmente pelo fato deste prato conter comidas pesadas e temperos fortes.

Contudo, mesmo sendo uma tarefa nada fácil, dá sim para trazer esses dois, juntos, para o seu almoço ou jantar.

A história da feijoada

Esse, sem dúvida nenhuma, é um dos pratos que mais tem a “cara” do Brasil, mas apesar disso, sabia que não foram os brasileiros que o inventaram? Na verdade, os responsáveis por essa comida que faz nossas cabeças foram os escravos africanos.

Mesmo com várias versões de como essa surgiu, a mais propagada é que o prato foi uma criação dos escravos, no século XIX. Eles pegaram o feijão preto, que já era consumido pelos índios bem antes da chegada dos Portugueses no Brasil, e juntaram com partes dos porco que eram descartadas pelos senhores, como rabo, língua, orelha, pé, entre outros.

Uma outra hipótese crê que, na verdade, este seria uma versão abrasileirada de um prato europeu bem antigo, que era uma espécie de caldo com carnes e legumes, e tem vários nomes. Na França, ele é chamado de Cassoulet, na Espanha, de Puchero, na Itália, de Casouela e em Portugal, de Cozido.

De onde surgiu a ideia de que eles não combinam?

Apesar de ser um prato pesado e com temperos fortes, a ideia de que os dois não combinam está diretamente ligado a própria história do prato. Para começar, na época em que essa comida surgiu, não era muito comum consumir vinho no Brasil.

Outro ponto muito importante, como já comentamos antes, são os criadores dessa comida. Como se sabe, a feijoada foi criada pelos escravos, que não tinham acesso sequer às carnes mais saborosas e de qualidade maior, quem dirá a uma garrafa de vinho.

Naquela época, o máximo que os escravos tinham para beber era a cachaça. E é por isso que essa harmonização acaba sendo muito mais aceita do que com o vinho, mas nem sempre essa bebida feita de açúcar é a melhor opção para acompanhar a feijoada.

Além do mais, se pararmos para pensar, o cassoulet, feito com feijão branco e carnes defumadas – muito parecido com a feijoada – é harmonizado com vinho. A diferença é que na França o consumo dessa bebida sempre foi muito mais comum do que em terras brasileiras.

Sendo assim, essa ideia de que os dois não combinam é mais pelo fato da falta de acesso ao vinho pelos criadores do prato, do que por uma questão da comida ser pesada ou levar temperos fortes.

Como Preparar uma Feijoada que combina com vinho?

Mas antes de descobrirmos quais os vinhos que combinam com esse prato tão amado pelos brasileiros, vamos a receita da feijoada.

Para fazê-la, você vai precisar de:

  • Um quilo de feijão preto;
  • 500g de costela de porco, já salgada;
  • 250g de carne seca;
  • 250g de lombo de porco, já salgado;
  • 250g de bacon;
  • 250g de linguiça, do tipo calabresa;
  • 250g de paio;
  • 250g de toucinho de porco;
  • Quatro alhos (dentes);
  • Quatro folhas de louro;
  • Duas cebolas;
  • Duas colheres (tipo sopa) de azeite ou óleo;
  • Uma laranja cortada;
  • Um maço de cheiro-verde;
  • Sal a gosto.

Para quem nunca fez feijoada, saiba que o preparo do prato precisa começar um dias antes, isso porque o lombo, a carne seca e a costela precisam ficar de molho na água por, no mínimo 24 horas. Durante esse período, troque a água dessas carnes cerca de quatro vezes para diminuir o sal. Não esqueça também de cortar as duas primeiras em pequenos cubos.

Feito isso, lave o feijão e deixe de molho, também na água, por no mínimo quatro horas. Recomendamos também deixar de um dia para outro para tirar todos os gases e agrotóxicos do grão em água com vinagre.

Após esse tempo, jogue a água fora, leve o feijão a panela e adicione um litro de água limpa. Coloque este no fogo e deixe cozinhar na pressão em fogo médio por 30 minutos, mais ou menos.

Com o feijão no fogo, retire as carnes da água, coloque em uma panela com água e deixe cozinhar também por 20 minutos.

Agora, você irá picar a linguiça calabresa, o paio e o toucinho de porco em cubos pequenos. Faça o mesmo com o cheiro-verde e a cebola. Já com o alho, amasse todos os dentes que você pegou.

Em uma terceira panela, doure a cebola e o alho no azeite ou no óleo. Em seguida, acrescente o bacon, o paio, o toucinho e a linguiça, refogando tudo muito bem.

Com tudo isso devidamente cozinho, chegou a hora de colocar isso no feijão junto com a água em que você cozinhou ele, o lombo, a costela e a carne seca. Finalize com as folhas de louro, cheiro-verde e o sal a gosto, se desejar.

Leve tudo junto ao fogo e deixe cozinhar por 20 minutos ou até você perceber que o caldo do feijão está bem grosso. E assim, sua feijoada está pronta.

Para servir junto com ela, prepare arroz, couve refogada, farinha, de mandioca ou temperada, e as rodelas de laranja. Deu até água na boca!

Como Harmonizar a Feijoada?

O segredo para fazer uma boa harmonização é ficar atento às semelhanças entre a bebida e o prato, e isso vale também para a feijoada e o vinho.

Por exemplo, para pratos mais leves, prefira as bebidas com essa mesma característica. Para uma comida mais forte, uma bebida igualmente forte.

Aqui, um ponto muito importante na combinação entre esses dois é que o vinho exerce o papel de limpar toda a gordura do seu paladar, deixando a boca limpa para a próxima garfada.

Outro ponto importante para alcançar uma harmonização perfeita é ficar atento também com a acidez da pimenta e da laranja, que acompanham esse prato. Elas não combinam bem com os vinhos mais ácidos. Neste caso, prefira servi-los à parte.

Com isso em mente, as melhores opções são os vinhos tintos, isso porque eles têm uma forte presença de taninos e um nível de acidez. Sendo assim, na hora de pensar na harmonização, prefira aqueles rótulos feitos com uvas tannat, estes são bem tânicos e detém uma excelente estrutura.

O mesmo vale para as bebidas que levam uvas Cabernet Sauvignon, principalmente aquelas que passaram por envelhecimento em carvalho.

Contudo, mesmo estes sendo os preferidos, outros rótulos também oferecem uma ótima harmonização, e vamos falar deles adiante.

Com espumante rosé?

Uma das opções de harmonização é combinar a feijoada com um espumante rosado. Mesmo parecendo meio inusitado, o rosé tem o poder de limpar o paladar com suas bolhas. Sendo assim, este é um ótimo rótulo para acompanhar este prato.

Além dos mais, ele tem poder de refrescância, o que é ótimo, principalmente para quem não dispensa um bom prato de feijoada mesmo nos dias quentes. Essa é a combinação perfeita para aquele almoço à beira da piscina num domingo de sol.

Branco?

Sim, um rótulo de vinho branco também combina com essa receita. Para este prato, e assim como para o cassoulet, caçarolas e milanesas, o ideal é optar pelo branco do tipo português, como o Alvarinho. Principalmente aqueles amadeirados.

Isso porque o vinho branco vai bem com cozidos e ensopados, caindo como uma luva na complexidade característica desse prato.

Com vinho rosé?

Assim como o espumante, esse prato clássico da culinária também combina com um vinho rosé, que são aqueles rótulos que passam por barrica de carvalho. Acabam revelando os sabores marcantes do prato ao limparem o paladar.

Lambrusco

Por ter perlage, as bolinhas de espumantes e frisantes, e a acidez de bons vinhos, o lambrusco também é uma opção perfeita para harmonização. Como já falamos, essas bolhas fazem uma limpeza no paladar, além disso, por ser um vinho que deve ser servido gelado, ele refresca.

Sendo assim, esse rótulo é perfeito para acompanhar a feijoada em dias mais quentes.

Bordeaux?

Quer mais uma opção de harmonização? Que tal apostar em um Bordeaux? Este é um vinho encorpado, mais velho e menos frutado que combina bem com carnes gordurosas.

Ele também pode ser um acompanhante para a feijoada por ser repleto de acidez e taninos.

Tannat?

No quesito vinho tinto, sem dúvida nenhuma que o Tannat é uma excelente escolha, principalmente para quem, assim como eu, gosta dos rótulos de tinto. Isso porque ele possui taninos macios e defumados, assim como uma boa acidez que cai como já luva na gordura desse prato.

Outros tintos

Uma outra opção dentro dos tintos é o Syrah, que tem as mesmas características do Tannat.

De forma geral, os vinhos tintos são os que melhor harmonizam com a feijoada. Além do Syrah e do Tannat, você também pode se aventurar com o Cabernet Sauvignon.

Vinhos tintos e sul-africanos?

Uma ótima dica de harmonização é optar pelos vinhos tintos sul-africanos. Eles são ricos em taninos e em especiarias, além de terem uma boa acidez.

Assim, você tem a oportunidade de experimentar um vinho novo de outro país e achar a combinação perfeita entre este prato e a bebida.

Quais são os vinhos que não combinam com feijoada?

Merlot

Lembra que comentamos que o segredo para se conseguir uma boa harmonização entre vinho e feijoada é escolher aqueles rótulos que possuem semelhanças com esse prato? Levando isso em consideração, as bebidas mais leves e delicadas, como o Merlot, por exemplo, estão na lista daqueles que não combinam muito bem com essa comida.

Sendo assim, deixe esse rótulo para outra ocasião.

Conclusão

Como comentamos antes, mesmo que pareça uma tarefa quase impossível, é possível sim encontrar uma harmonização perfeita entre vinho e feijoada. Tudo depende, é claro, de você fazer a escolha perfeita da bebida.

Só não deixe de experimentar porque você já ouviu falar que são dois ítens que não combinam. Pois, como vimos aqui, eles são o casal perfeito quando você acerta na escolha do vinho.

Além do mais, é a sua desculpa perfeita para abrir uma garrafa de vinho durante aquele almoço ou jantar onde irá servir este prato.

Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!