portugueses-argentinos-brasileiros-lista-vinho-2020-baratos-chilenos-comprar
vinhos

O que Caracteriza um Vinho de Guarda?

O mundo dos vinhos é muito vasto. Temos vinho tinto, branco, rosé, frisante, doce, suave, seco, do porto, bordô e muitos outros. O que é ótimo, pois nos dá várias opções na hora de consumir. Mas por ter tantas alternativas assim, podemos deixar passar despercebido alguns rótulos, como o vinho de guarda.

Você já ouviu falar dele? Já provou? Sabe o que é? Se a resposta foi não para todas as perguntas a seguir, você está no lugar certo. Pois hoje vamos falar o que é um vinho de guarda e muito mais.

Como descobrir tal vinho?

Você tem uma garrafa de vinho na geladeira que comprou recentemente. Provavelmente vai querer abrir no final de semana, certo? Mas se você quisesse deixar para fazer isso daqui só algumas semanas, meses, ou quem sabe anos, porque não?

Então, o que é um vinho de guarda? É um rótulo que você pode armazenar por muitos meses e até anos. Mas não tantos quanto se imagina.

Mas é aí que tá, você sabe por quanto tempo você pode guardar este rótulo?

Muito se fala dentro do universo de vinhos que quanto mais velho for a garrafa e seu conteúdo, melhor. Bom, não necessariamente. Isso porque nem todos eles foram feitos para serem guardados por muito tempo. Na verdade, um número bem pequeno pode passar por isso.

Para você ter uma ideia, atualmente apenas 10% dos rótulos que chegam ao mercado têm a capacidade de durar alguns anos. Todos os outros 90% são vinhos que devem ser consumidos na hora ou em breve.

Os próprios enólogos recomendam que o vinho seja aberto e ingerido em seus primeiros anos de vida. E, sinceramente, quem é que consegue guardar uma garrafa por tanto tempo assim? E como guardar um doce maravilhoso para daqui dois dias, é quase impossível!

Mas, para aqueles que desejam viver essa experiência, saiba que você pode guardar seu tinto por até 5 anos. Já os rosés e os brancos, 3 anos. Claro, esse tempo só é válido para os vinhos de guarda, por isso pesquise bem antes de comprar e guardar.

Quais são as diferenças entre este e o considerado jovem?

Como dito, um vinho de guarda é aquele que você pode armazenar por alguns anos, mas não é só isso. A principal diferença entre ele é um rótulo jovem é que ele precisa de um tempo – meses ou anos – para chegar ao seu auge, a maturidade ideal para ser consumido.

Este processo feito pelo enólogo acontece em barris ou nas próprias garrafas de vinhos. Esse tempo em descanso traz a bebida toda uma complexidade de sabores e aromas, além de mais elegância e maciez.

Um fato bem interessante é que por conta dessa guarda, você consegue observar mudanças, não só no gosto ou aroma do vinho, mas na sua aparência em si. Os brancos, por exemplo, ganham um tom mais dourado e as notas condimentares ficam mais salientadas.

Já o tinto passa do vermelho rubi para um tom granada e os aromas variam entre chocolate, especiarias e tabaco.

Enquanto isso, os chamados vinhos jovens são aqueles feitos para serem consumidos logo após a sua elaboração. Eles passam por um amadurecimento rápido em barricas de carvalho ou tanques de aço. E não se preocupe quanto a qualidade, mesmo que esse processo seja mais rápido, ele terá frescor e sabores/aromas de frutas.

Diferente do de guarda, estes não terão suas cores mudadas e nem peculiaridades mais comuns visto nesses “mais velhos”. Mas, de qualquer forma, ambos têm suas qualidades.

Todo vinho tem potencial para ser de guarda, que potencial é esse?

Não, como dito, apenas 10% dos vinhos presentes no mercado podem ser de guarda. Isso porque para que ele se encaixe nesta categoria, vários pontos são levados em consideração, como:

  • Solo;
  • Clima;
  • Localização geográfica;
  • Escolha da uva;
  • Conhecimento do processo pelo enólogo.

Não é tão fácil quanto parece. No caso das uvas, as mais comuns usadas para fazer vinhos de guarda tinto são:

  • Cabernet Franc;
  • Cabernet Sauvignon;
  • Grenache;
  • Merlot;
  • Syrah;
  • Mourvèdre;
  • Petit Verdot;
  • Carignan;
  • Tannat;
  • Tempranillo;
  • Nebbiolo.

Já para vinhos brancos, destacam-se:

  • Grenache Blanc;
  • Chardonnay;
  • Chenin;
  • Muscadelle;
  • Semillon;
  • Gewurztraminer;
  • Riesling;
  • Roussanne.

Como é a produção desses vinhos?

A produção de vinho de guarda muda conforme o tipo da uva. Para vinhos tintos, ele se torna um vinho de guarda usando uma boa extração de taninos durante a maceração da fruta.

Para os vinhos brancos, o que conta é um bom nível de acidez.

Sua coloração é diferente?

Sim! Por passarem um tempo guardados, os vinhos acabam mudando sim de cor. Isso ocorre devido a um processo chamado de micro oxigenação.

Os tintos, ao invés de vermelho rubi passam a ter uma cor meio alaranjada, quase como aquele visto em tijolos. Os espumantes e os brancos ganham uma coloração entre âmbar e dourado.

Os rosés ficam também num tom alaranjado, só que mais forte. E os fortificados ganham uma coloração âmbar ou castanha.

Em relação ao aroma, o que muda?

Como dito, o aroma também se transforma nos vinhos de guarda. É comum observar a formação de aromas terciários e o bouquet.

Os cheiros mais comuns nesses rótulos são de castanha, amêndoas, nozes, avelã, couro, caramelo, terra úmida e folhas secas. Assim como frutas secas, ameixas, figo e damasco.

Como fazemos para manter estocado os vinhos de guarda?

Assim como a produção é importante para os vinhos de guarda, o seu armazenamento também é.

Para começar, sua temperatura deve ficar entre 17 e 18 °C. As garrafas devem ser colocadas na vertical, isso é importante pois é essencial que a rolha fique em contato constante com a bebida.

Por fim, você precisa ter uma adega. Está tem que ser escura, protegida de raios UV e com umidade no ar entre 60 a 70%.

Ou seja, se você quiser experimentar um rótulo desses, você terá que se preparar pois ele não pode ser guardado de qualquer maneira.

Apesar de um pouco mais complicado, com certeza vale a pena passar por essa experiência. E você também pode usar a desculpa de que quer provar um vinho de guarda para fazer aquela adega que sempre quis. No final das contas, todo mundo sai ganhando.

Referências:

https://www.australianwine.com/en-AU/our-story/articles/which-wines-should-you-be-ageing

https://www.extension.iastate.edu/wine/wine-aging

https://vinepair.com/wine-101/guide-to-aging-wine/

Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!