• Gastronomia

    Harmonização de Vinho com Carne de Cordeiro!

    vinho-para-acompanhar-assado-vermelha-grelhada-branco-pato-carne-branco-tinto-magret-pato-harmonização

    Enquanto algumas comidas são mais difíceis de se harmonizar com vinho – mas não impossível -, outras, porém, parecem ter nascido para acompanhar essa bebida, como é o caso do cordeiro.

    Esse tipo de carne vermelha vai muito bem com uma infinidade de vinhos tintos, o que com certeza facilita o seu trabalho neste momento.

    Quais as principais características da Carne de Cordeiro?

    O cordeiro, ao mesmo tempo que ele é uma carne mais gordurosa e agressiva, é um tipo de proteína mais saudável. Ele apresenta também um gosto mais doce e delicado, principalmente quando é servido mal passado.

    Aqui no Brasil pode não ser tão comum, mas é muito servido no leste do Mediterrâneo, ao norte da África e na Índia.

    Além dessas características, é uma carne muito fácil de harmonizar com diferentes tipos de vinhos, e vamos falar quais, a seguir.

    Mas já saiba que: o tipo de vinho ideal para acompanhar esse prato vai depender da preparação da carne.

    Quais as harmonizações recomendadas?

    1 – Bordô

    A combinação mais clássica entre vinho e cordeiro é com o bordô ou Bordeaux. Esse rótulo é composto principalmente de uvas vermelhas, como Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc.

    As características desse tinto é um corpo médio a encorpado e com uma acidez bem equilibrada. Além de um sabor bem frutado e super agradável no paladar.

    Já a cor é de um vermelho bem intenso, com toques de roxo, e aroma da própria uva.

    Neste caso, o bordô vai muito bem com um cordeiro assado com ervas. Você ainda pode arriscar um Bordeaux branco, com uvas Sauvignon Blanc e Sémillon.

    O custo vai depender muito do rótulo que você escolher, mas existem opções que giram em torno de R$15,90 até R$200,00.

    2 – Rioja

    Fabricado em uma região ao nordeste da Espanha de mesmo nome, o local é responsável por produzir este vinho repleto de características incríveis. A bebida leva uma mistura de uvas Garnacha e Tempranillo.

    A Garnacha fica responsável por trazer um sabor frutado ao blend, enquanto a Tempranillo cuida da acidez, que é bem agradável.

    Outra principal característica desse rótulo é o sabor do carvalho, onde os produtores buscam oferecer um equilíbrio perfeito entre a madeira e a fruta.

    Por causa do seu processo de envelhecimento, o vinho ganha uma cor escura, com um bouquet que traz menos intensidade do carvalho, além de ser potente e concentrado.

    Para este rótulo é recomendado que se prepare um pernil de cordeiro.

    O preço mais em conta começa a partir de R$49,90.

    3 – Chianti

    Região toscana da Itália de mesmo nome, o local é conhecido por produzir vinhos tintos bem ácidos com uvas Sangiovese.

    É um rótulo com uma cor vermelha bem próxima do rubi, com aromas de frutas, como cereja, ameixa e notas florais no olfato.

    A receita aqui deve ser de um cordeiro refogado com alho e alecrim. Uma combinação perfeita de sabores para o seu paladar.

    Você também acha Chiantis a partir de R$49,90.

    4 – Assyrtiko

    Lembra que comentei que a combinação clássica é o vinho tinto com cordeiro? Pois é, apesar de ser o tipo de harmonização impossível de dar errado, você pode sim apostar em um rótulo branco, como é o caso do Assyrtiko.

    Cultivado na Grécia, essa espécie de uva é muito famosa e consumida em Santorini. O Assyrtiko tem um corpo médio, já aqueles que são armazenados em carvalho são mais encorpados.

    Por estar mais propenso à oxidação, coisa que é muito explorada pelos produtores de Santorini, essa uva acaba ganhando uma coloração bem escura, além de ser uma bebida muito aromática, que com certeza vai agradar o seu olfato.

    O papel desse vinho branco vai ser cortar a gordura do cordeiro, que é bem presente nessa carne. Pelo fato do Assyrtiko ter uma alta acidez, ele torna essa combinação perfeita.

    Para acompanhar esse branco grego aposte em um cordeiro assado no forno com orégano e batata com limão.

    O Assyrtiko é um dos mais caros da nossa lista. Dificilmente você vai achar uma garrafa por menos de R$170,00 reais.

    5 – Pinot Noir

    Este é perfeito para acompanhar pratos mais delicados feitos com essa carne, como costela de cordeiro com vegetais, ensopado ou um noisette.

    É um vinho feito com uva de casca mais fina e, por conta disso, está propenso a ter um sabor mais delicado e um tom de vermelho mais claro.

    O aroma consiste em toques de frutas, como framboesa, cereja e amora, além de ervas, flores e especiarias. Para aqueles rótulos que foram envelhecidos ainda é possível observar no olfato cheiros de cogumelos secos, couro e até uma presença de animais.

    Não é à toa que a Pinot Noir é considerada uma das cepas mais elegantes do mundo e com certeza vai cair como uma luva no seu cordeiro.

    Se conseguir achar uma boa promoção, você garante um Pinot Noir a partir de R$40,00 reais.

    6 – Syrah

    O Syrah oferece uma harmonização perfeita com o cordeiro, isso porque é um vinho com bastante acidez, combinando com o peso da carne, além de cortar a gordura presente nessa proteína.

    É uma uva bem versátil e se adapta bem a diversos tipos de climas. Por conta disso – por ser cultivada em várias regiões -, a bebida acaba ganhando diferentes características, mas no geral é um vinho com notas de frutas pretas e pimenta, além de mostrar taninos bem presentes no paladar.

    Você pode apostar no Syrah com pratos de cordeiro feitos com especiarias ou ervas.

    É possível achar uma Syrah a partir de R$22,90.

    7 – Malbec

    Já falamos do pernil de cordeiro? Aliás, esse é um dos melhores cortes dessa carne, que é cozido por muitas horas de forma lenta. Caso vá servir um prato desses, pode apostar sem medo em um Malbec argentino.

    Essa uva dá uma coloração forte ao vinho, quase a cor natural da fruta. Tem um aroma frutado bem marcante, além de um sabor que permanece na boca por muito mais tempo.

    Os valores variam, mas você consegue achar rótulos a partir de R$22,00 reais.

    Conclusão

    Se você nunca provou cordeiro por ter dificuldade em combiná-lo com um bom vinho, isso não é mais um problema.

    Com essas dicas vai ficar muito fácil acertar na harmonização e você ainda ganha pontos com os convidados pois cordeiro e vinho são uma combinação deliciosa!

    Referências:

    https://www.decanter.com/learn/food/wine-with-lamb-easter-food-matching-296118/

    https://unravelingwine.com/lamb-wine-pairing/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • Curiosidades

    O que é Enoturismo? Como Escolher a Melhor Rota dos Vinhos?

    enoturismo-serra-gaucha-melhor-rota-dos-vinhos-experiencias

    Existem várias maneiras de se preparar para fazer uma viagem, você já deve ter ouvido falar de quem viaja com o intuito de ver museus e lugares históricos de um país, mas já pensou no Enoturismo como um ponto de partida para conhecer novos lugares e sabores?

    Se ainda não havia pensado nessa modalidade de turismo ou apenas não a conhecia, vamos te apresentar essa opção de viagem, algumas dicas para se preparar com calma e de forma mais assertiva possível.

    Viajar é sempre uma aventura e incluir no seu roteiro o Enoturismo, ou fazê-lo exclusivamente não é diferente. Então sirva uma taça do seu vinho favorito e nos acompanhe para saber mais sobre seu próximo destino como turista.

    O que é Enoturismo?

    É um modelo de viagem em que o turista tem como objetivo visitar vinícolas de diferentes estados ou países, degustando vinhos, conhecendo as uvas que são cultivadas no local, o processo de fabricação dos vinhos e a história do local.

    Normalmente é praticado por enólogos e apreciadores, este tipo de viagem é interessante pois você não precisa ficar exclusivamente focado em conhecer as vinícolas, pode mesclar com outros pontos turísticos.

    Existem algumas práticas no enoturismo bem comuns:

    • Passeio por parreiras;
    • Almoço harmonizado;
    • Se hospedar em um hotel vinícola;
    • Participar da vindima (colheita das uvas e pisar nelas de forma simbólica);
    • Ter aulas sobre vinhos.

    Vale lembrar que você pode fazer este tipo de turismo em família, como é algo livre vocês podem turistar por outros locais, como museus, parques e pontos turísticos. O planejamento é a chave para bom proveito do trajeto.

    Como Funciona?

    Se você está pensando em incluir vinícolas e produtoras de vinho em sua próxima viagem, além do destino é importante ter uma noção prévia dos produtores que existem na região e quais rótulos são produzidos.

    Ou seja, assim como qualquer roteiro de viagem o planejamento é o primeiro grande passo. Não precisa ser algo maçante, procure fazer dele o mais divertido, enquanto pesquisa por vinícolas em lugares que sempre quis visitar, você pode descobrir muita coisa boa.

    Neste tipo de turismo você vai conhecer a história daquele vinho, da família que está por trás daqueles rótulos, vai saber quais são as uvas cultivadas, o tempo de colheita, maturação, enfim todo o preparo do vinho e no fim participar de uma degustação dos vinhos da casa.

    O ponto de partida aqui é descobrir para onde você deseja ir, os princípios básicos da fabricação do vinho são um ponto de partida, mas cada local conta uma história e você pode querer descobrir mais sobre o país e ainda provar vinhos incríveis.

    Conhecer um outro país que sempre quis, descobrir uma vinícola pequena, cheia de tradição e história e que pode te proporcionar momentos inesquecíveis durante seu passeio.

    Como programar a melhor rota?

    Após escolher seu destino, seja exclusivamente para o Enoturismo ou não, algumas características são bem parecidas, verificar o local onde você vai se hospedar, clima, dias de férias, valor que irá precisar e principalmente se quer voltar para casa com algumas garrafas.

    Você pode optar por acessar o site das vinícolas das maiores as menores, não ignore os pequenos produtores, você pode se surpreender com as histórias que terá contato. Ou ainda utilizar um mapa enoturístico que pode facilitar sua vida.

    Ao acessar o site das produtoras do destino escolhido você pode descobrir o que faz parte da visitação, existem diversas atrações que você pode participar além da visitação e até mesmo aprender a como fabricar seu próprio vinho.

    Uma dica importante é saber se os locais que deseja visitar, estão de portas abertas aos turistas, algumas vinícolas não estão à disposição de visitação e isso você vai descobrir durante o planejamento.

    Existem algumas boas opções para começar a viajar no Brasil, como produtores de vinhos com uma qualidade excelente. A Serra gaúcha é detentora do roteiro mais tradicional que temos para o enoturismo. É uma ótima opção para começar!

    A cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul conta com a Vinícola Ravanello, uma das referências no mercado, e proporciona o turismo voltado para degustar seus vinhos mais conhecidos. Ela possui cinco horários fixos para visitação e não é necessário agendar com antecedência.

    O vale do São Francisco, está localizado na divisa entre Bahia e Pernambuco, um roteiro que vem ganhando força para este tipo de turismo. A região é famosa por sua agricultura ser irrigada com as águas do rio velho Chico.

    As uvas produzidas na região são grandes, suculentas e de uma excelente qualidade, o que encorajou várias vinícolas a se consolidarem no entorno. Dizem que o sol característico da região acentua o sabor das uvas na bebida.

    No sertão nordestino, algumas variedades são cultivadas, entre elas a Syrah que é destaque ao ponto de ser comparada com as melhores uvas cultivadas em todo mundo, irresistível!

    Dentre as produtoras do local, as principais vinícolas são: Botticelli, Ouro Verde e Santa Maria. O turismo irá te proporcionar inúmeras sensações, você bebera vinho, poderá passear de barco pelas águas do famoso rio São Francisco, além de comer da comida local.

    Caso queira se aventurar fora do Brasil, existem ótimas opções para conhecer vinícolas ao redor do mundo, Argentina, Portugal, Chile, Estados Unidos, França e África do Sul, estão entre os mais citados, mas existem outras regiões aguardando por você.

    Após saber um pouco mais sobre as opções de destino no Brasil e os países que se pode começar a pesquisar sobre o Enoturismo você vai notar que planejar sua viagem com certeza ficará mais divertida e direcionada.

    Como dissemos, vale muito a pena marcar sua viagem e mesclar a visita aos produtores com outros pontos turísticos locais, a sua viagem vai ser repleta de passeios engrandecedores.

    Conclusão

    O Enoturismo pode parecer muito difícil a primeira vista, principalmente para quem não está acostumado a viajar, com pontos turísticos, locais de visitação e tudo mais, mas o segredo está no planejamento da viagem.

    Após pesquisar e anotar nossas dicas, com certeza será muito mais fácil para você pensar em uma rota de viagem e se programar, lembrando que é possível mesclar esse turismo com outras atividades que também agradem você e quem for te acompanhar.

    Referências:

    https://www.winenium.com/what-is-enotourism/

    https://www.winenium.com/what-is-enotourism/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • Gastronomia

    Champagne com Chocolate: Como Fazer a Harmonização!

    garrafa-trufas-festa-presente-prosecco-harmonizar

    Taí uma das nossas coisas preferidas da vida: comer e beber. Realmente é muito difícil pensar em algo que seja melhor que essas duas atividades.

    Imagina então quando podemos juntar esses dois elementos na mesma ocasião, mas precisamente uma deliciosa taça de espumante acompanhada de um generoso pedaço de chocolate – ou das sobremesas feitas com ele.

    Apesar da combinação agradar muitos – afinal, como juntar duas delícias pode ser algo ruim? -, ela gera algumas controvérsias com os especialistas. Mas não podemos negar que é um tipo de harmonização que faz muito sucesso.

    Aposto que você mesmo já teve inveja daquela cena de filme onde o protagonista se esbalda em uma caixa de bombons com uma belíssima garrafa de espumante.

    Pois agora você não precisa mais, pois abaixo vamos dar dicas de como realizar essa harmonização.

    Qual é a origem desta harmonização?

    Não se sabe ao certo como essa harmonização surgiu, o que sabemos é que essa combinação era praticamente impensável a dez anos atrás, principalmente na região de Champagne, na França.

    Além do mais, parece uma tarefa difícil, pois estamos falando de elementos com características bem diferentes. Enquanto o champagne é ácido, o chocolate é amargo. Desta forma então, como achar a combinação perfeita?

    O segredo está em diminuir o amargor do chocolate e ir mais para os aromas do doce, incluindo frutas ou merengues nas sobremesas feitas com ele.

    Mas é claro que a experiência do chef de cada restaurante conta aqui, afinal, é um jogo de equilíbrio. É preciso pensar muito bem em cada detalhe, pois existe uma grande probabilidade de um ingrediente sobrepor o outro.

    Por exemplo, se o espumante domina o paladar, automaticamente o chocolate não vai ser percebido. Agora, se o chocolate é o que está mais presente, ele vai esconder as notas da bebida. É realmente um desafio.

    A tática de muitos chefes é esquecer o tradicional e se arriscar com elementos bem diferentes, mas que combinam muito bem se forem devidamente harmonizados.

    Mesmo porque algo muito parecido já acontece: a combinação de espumante com bolo, principalmente em casamentos.

    Disso para o chocolate, a distância não é tão grande assim.

    Seja como for, e independente da sua origem, é uma mistura que faz muito sucesso e provavelmente vai continuar fazendo nos próximos anos. O fator primordial está em você escolher o lugar perfeito para provar um prato desses ou mesmo arriscar fazer um em casa, porque não.

    Quais são os tipos de chocolate que formam este par?

    Como existem diversos tipos de espumantes, cada um vai combinar melhor com tipos diferentes de chocolates. Abaixo vamos fazer algumas explicações para que você entenda melhor.

    Espumante Ice e Ice rosé (demi-sec)

    Um espumante Ice é uma bebida para ser ingerida com gelo. Ela conta com uma gostosa refrescância e notas de pera, pêssego e frutas tropicais.

    Já na sua versão rosé você perceberá toques de frutas vermelhas, morango e framboesa.

    Mas independente da sua escolha, ambos combinam muito bem com morango banhado em chocolate branco. O mesmo vale para um mousse de chocolate e blueberries.

    Demi-sec

    Se você é fã de chocolate ao leite com marshmallow e/ou wafer, assim como trufas meio amargas, o escolhido deve ser um espumante demi-sec. Isso porque esta é uma bebida com um pouco mais de açúcar, entre 20 a 60 gramas por litro, o que torna a harmonização entre os dois mais leve, refrescante e bem equilibrada.

    Prosecco

    Já para acompanhar o espumante italiano, um líquido de acidez marcante, com um sabor leve e um ótimo equilíbrio você deve optar por laranjas secas e damascos cobertos de chocolate.

    Essa é, aliás, a harmonização preferida entre os jovens. E não seria o contrário, já que deve ser uma experiência única.

    Brut

    Se você gosta do Brut então pode apostar sem medo em uma taça dessa bebida acompanhada de bombons de chocolate com nozes.

    Por ser um líquido com toques de frutas e uma acidez bem refrescante, ele se torna um excelente companheiro para acompanhar as sobremesas. Pode confiar, não tem erro.

    Moscatel

    O moscatel, que pode ser tanto vinho ou espumante feito com essa espécie de uva, por si só já é uma bebida perfeita para harmonizar com sobremesas.

    É um líquido doce e que vai combinar muito bem com aquela sua torta de morango com chocolate branco.

    Para a versão rosé desse espumante, é preferível que ele acompanhe trufas de chocolate amargo com coco ralado ou bombom de chocolate branco também com coco.

    Aliás, se você prefere o chocolate branco ao preto, dê sempre preferência ao moscatel. As bolhas da bebida e a sua acidez tem o capacidade de limpar o seu paladar, tirando a gordura e a doçura do chocolate a cada gole. Desta forma você consegue saborear os dois igualmente.

    Quais são as junções mais conhecidas?

    Podemos dizer que a junção mais conhecida entre espumante e chocolate é o morango mergulhado em chocolate preto ou a clássica caixa de bombons. Aliás, em praticamente qualquer filme de romance é possível ver cenas como essa.

    O legal é que é algo que vai além das telas e realmente pode ser feito em casa, seja para você, em um momento que você quer se mimar, ou para fazer algo especial com o seu par. De qualquer forma, pode apostar sem medo nessa combinação pois é sucesso na certa.

    Não é à toa que muitos hotéis de luxo usam essa dupla para atrair clientes, com certeza, é porque funciona.

    Conclusão

    Inicialmente, essa combinação pode parecer meio estranha, principalmente porque estamos acostumados a harmonizar chocolate com vinho ao invés do espumante.

    Contudo, não se deixe levar pelas aparências e principalmente pela opinião alheia. Apesar de podermos buscar os argumentos de especialistas – e nem todos são a favor dessa harmonização -, devemos tirar a prova por nós mesmos.

    Mesmo que você não goste, pense pelo lado bom: você ainda tem duas ótimas coisas para consumir, mesmo que separadamente.

    O que conta mesmo é experimentar coisas novas, mesmo que o resultado não te agrade tanto, no final das contas. Se gostar, ótimo, caso não, deixe o espumante para combinar com outra comida e use o chocolate com vinho. Problema resolvido!

    Referências:

    https://glassofbubbly.com/champagne-chocolate-yes-or-no/

    https://www.thespruceeats.com/pairing-champagne-and-chocolate-3511113

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • Gastronomia

    Brunch em Casa com Vinho: Como fazer Harmonização!

    menu-casamento-o-que-e-o-brunch-brasileiro-origem-infantil-como-fazer-a-tarde-molhos-para

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoVinhos para BrunchPreçoOnde Comprar
    1Metodo Charmat Brut Rosé – Casa PariniR$55,23Ver
    2Chardonnay – Marques da Casa ConchaR$159,90Ver
    3Cabernet Sauvignon – Josh CellarsR$70,71Ver
    499 Rosas Chardonnay – Dominio do PunctumR$84,82Ver
    5Winemaker’s Selection Rosé 2020 – PortadaR$69,90Ver
    6RSV Reserva Moscatel Espumante 2020 – Casa ValdugaR$75,00Ver
    7Appassimento Parziale Biando 2020 – BaccoloR$89,90Ver
    8Sauvignon 2018 – Casa LunardiR$ 99,90Ver

    A harmonização de refeições com vinho é uma tarefa e tanto, precisamos saber qual o melhor vinho para o que estamos querendo servir e quando se trata de uma refeição que não é tradicional no nosso país de origem, a atividade parece ainda mais desafiadora.

    Pensando em tudo isso, vamos te dar boas dicas sobre como realizar um brunch na sua casa para receber seus amigos, família e convidados, e transformar esse momento agradável e inesquecível para todos os que estiverem presentes.

    O que é um brunch?

    Os britânicos são os responsáveis pela criação do Brunch, um a refeição que fica entre o café da manhã e o almoço, pode-se dizer que é o melhor das duas refeições. Normalmente acontece aos feriados, domingos e comemorações especiais entre as 10:00 e as 14:00.

    O termo é inclusive combinação das palavras Breakfast (café da manhã) e lunch (almoço), por isso o horário tradicional se inicia mais ao final da manhã.

    Mas o horário não é uma regra, no que diz respeito à quando se deve terminar, alguns esticam seu fim ao fazer dele um evento, como chá de panelas, noivado e até mesmo uma cerimônia simples de casamento em uma manhã de domingo, cheia de charme.

    Quais os tipos de preparos tem um brunch?

    Por ser uma refeição que faz a junção do café da manhã com o almoço, o brunch junta elementos dessas refeições de forma harmoniosa. Alimentos comuns do café da manhã, como pães, queijos, presuntos, café quente e gelado são indispensáveis.

    Manteigas, geleias, torradas, bolos e tortas assim como frutas e sucos naturais são parte do cardápio. Mas algo indispensável são algumas bebidas alcoólicas, justamente pelo horário da refeição e pelo clima agradável e descontraído que esse encontro possui.

    Os pratos que dizem respeito ao que seria o almoço, aposte em bacon, salames, presunto, antepasto, salmão, patês. As possibilidades são grandes, apesar de parecer algo diferente para nós a primeira vista.

    Quais são as harmonizações recomendadas?

    Vamos te dar algumas sugestões de vinhos que podem fazer parte da sua mesa. Como vimos, este evento, é uma refeição tradicional britânica, mas que ganhou lugar em outros países, então a criatividade é um ponto a ser explorado quando for montar a mesa.

    Você pode aproveitar nossas dicas e incrementar com pratos e receitas, unindo duas culturas e aproveitando a refeição da melhor forma possível com seus convidados.

    Você pode fazer um brunch todo temático, com comidas típicas de uma região, por exemplo, nordeste. Com tapiocas, mini acarajés e outras comidas típicas e se for ter muitos convidados, pode fazer uma mesa com um ou dois pratos de cada região do Brasil, assim como de outros países.

    01 – Metodo Charmat Brut Rosé – Casa Parini

    Preço: R$55,23.

    Um espumante nacional, de cor rosa salmão bem clarinho, aroma frutado com forte presença de framboesa, um toque de limão e laranja.

    Este espumante harmoniza com leveduras, queijos, salmão e atum. No Brunch uma omelete de queijo e canapés de salmão, são uma ótima opção.

    02 – Chardonnay – Marques da Casa Concha

    Preço: R$159,90.

    Um vinho chileno de aparência brilhante e limpa, na boca o sabor de pera e figo é delicioso, possui um toque de acidez e uma sensação de cremosidade por ser um vinho encorpado.

    A combinação com carnes brancas, frutos do mar e pratos vegetarianos é uma ótima harmonização.

    03 – Cabernet Sauvignon – Josh Cellars

    Preço: R$70,71.

    Este cabernet da California possui uma cor rubi e uma explosão aromática floral de violetas, um sabor frutado e equilibrado.

    Sua harmonização com carne de aves, e cordeiro são as mais comuns, mas neste tipo de evento o Cabernet Suavignon combina muito com baguettes de fermentação natural, devido a acidez que esse pão possui.

    04 – 99 Rosas Chardonnay – Dominio do Punctum

    Preço: R$84,82.

    De origem espanhola, ele possui cor dourada e límpida, ao olfato percebemos as notas cítricas como limão siciliano.
    No paladar sentimos o equilíbrio perfeito entre frutas brancas, uma boa acidez e um toque mineral.

    Sendo uma ótima opção para harmonizar com queijos suaves e de massa mole, alguns exemplos são os queijos Brie, Gouda e Prato.

    05 – Winemaker’s Selection Rosé 2020 – Portada

    Preço: R$69,90.

    Um rosé de Lisboa, muito perfumado, que carrega um frescor jovial e notas de frutas vermelhas e maçã, saboroso, macio e equilibrado.

    Sua harmonização pode ser perfeitamente realizada com saladas, culinária japonesa, pratos vegetarianos e apimentados como na cozinha mexicana.

    06 – RSV Reserva Moscatel Espumante 2020 – Casa Valduga

    Preço: R$75,00.

    Espumante brasileiro, possui cor clara e um pouco translúcida.

    Com aroma de frutas tropicais e frescas, complexo como se espera um bom Moscatel, além da leve fragrância foral que podemos sentir.

    Ao provar sentimos um gosto doce, mas nada exagerado, que se prolonga na boca.

    Harmoniza perfeitamente com bolos de festa e as frutas são realçadas quando acompanham a bebida, sendo a escolha perfeita para o brunch que oferece frutas.

    07 – Appassimento Parziale Biando 2020 – Baccolo

    Preço: R$89,90.

    Este italiano é uma homenagem a Baco, o grande Deus do Vinho da Mitologia Grega. Trata-se de um vinho branco de cor amarelo-palha e nuances douradas.

    Agradável e refrescante, possui aromas intensos de frutas maduras.

    Sua harmonização é ótima com frango assado, legumes assados, risotos, cogumelos e queijo parmesão.

    08 – Sauvignon 2018 – Casa Lunardi

    Preço: R$ 99,90.

    De origem italiana, este vinho branco é refrescante com leve acidez e bem equilibrado.

    Na boca o sabor de pêssego é o primeiro que causa impacto, mas a sua evolução para o sabor de damasco é surpreendente. Excelente para dias quentes.

    Harmoniza com massas, peixes magros. No Brunch queijos maduros como gorgonzola e provolone são ótimas opções, assim como carnes curadas como o presunto serrano.

    Conclusão

    Uma refeição curiosa que vem ganhando o mundo, algumas cidades no Brasil como a Capital Paulista possui restaurantes que servem o Brunch como parte do cardápio, misturando o tradicional com a nossa cultura e criando partos incríveis.

    Com certeza após nossas dicas você não vai encontrar tantas dificuldades em reproduzi-lo em sua casa ou evento, afinal a gama de possibilidades que acompanha essa refeição é bem grande e possibilita que a criatividade possa vir à tona.

    Referências:

    https://www.marthastewart.com/1529010/wines-to-serve-with-brunch

    https://justwineapp.com/article/the-best-wine-pairings-for-a-boozy-breakfast-and-brunch

    https://www.totalwine.com/collections/unique-brunch-celebrations/brunch-food-and-beverage-pairings

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • vinhos

    15 Melhores Vinhos da Hungria em 2021 Bons e Baratos!

    melhor-vinho-hungaro-tokaji-preço-quanto-custa-paises-produtores-de-melhores-do-mundo

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoVinhos da HungriaPreçoOnde Comprar
    1Tokaji Furmint Mandolás 2017R$290,19Ver
    2Tokaji Aszú 3 Puttonyos 2013R$684,51Ver
    3Oremus Tokaji Vendimia Tardia 2017R$353,00Ver
    4Tokaji Furmint Late Harvest 2016R$342,20Ver
    5Tokaji Aszú 3 Puttonyos 2011R$570,33Ver
    6Egri BikavérR$50,00Ver
    7Satobbi Furmint 2008R$173,00Ver
    8Dobogo Mylitta 2008R$459,00Ver
    9Royal Tokaji Aszú Eszencia 1993R$6.000,00Ver
    10Tokaji Aszú 6 Puttonyos 2003R$1.364,45Ver
    11Tokaji Aszú 6 Puttonyos 2013R$1.364,45Ver
    12Tokaji Aszú 5 Puttonyos 2013R$1.024,77Ver
    13Tokaji Furmint Mandolás 2018 MagnumR$907,73Ver
    14Tokaji Aszú 6 Puttonyos 1972R$2.636,00Ver
    15Tokaji Eszencia 1975R$4.303,00Ver

    A Europa provavelmente é uma das maiores regiões na produção de vinhos, e apesar de pensarmos, talvez, na França ou na Itália com relação a esse assunto, não podemos não esquecer que outros países têm presença bem ativa neste mercado, como é o caso da Hungria.

    Você sabia, por exemplo, que é justamente a Hungria uma das maiores produtoras de vinhos da Europa, sendo o décimo maior fabricante em todo o mundo?

    A região é conhecida por fabricar o famoso e adocicado Tokaji. Além disso, por conta do encontro de dois rios no país, o local acaba sendo propício para a proliferação do Botrytis, o fungo responsável pela famosa “podridão nobre”.

    Quais as principais características dos vinhos da Hungria?

    Os vinhos que são atingidos pela botrytis são mais doces e tem um aroma de marzipan e pêssegos. Já aqueles que passam pelo processo de envelhecimento mostram cheiros de canela, chocolate, tabaco e nozes.

    Por fim, os vinhos secos contam com toques minerais, de pera e de casca de limão.

    Abaixo você confere nossa lista com 15 opções para você provar excelentes vinhos da Hungria.

    1 – Tokaji Furmint Mandolás 2017

    Comecemos nossa lista com um vinho no estilo mais famoso do país: Tokaji. Trata-se de um rótulo branco, seco, bem fresco e charmoso.

    Encorpado, aromático e com uma acidez que torna esse vinho branco ainda melhor, ele permanece bem leve e cremoso no paladar.

    E para a harmonização? Bom, se pretende provar esse rótulo em um jantar ou almoço, aposte em pratos com carnes brancas, frutos do mar e/ou peixes.

    O custo não é nada fora do normal. Uma garrafa custa em torno de R$290,19.

    2 – Tokaji Aszú 3 Puttonyos 2013

    A safra de 2013 desse vinho da vinícola Tokaji Oremus é considerada uma das melhores da região.

    É uma bebida que apesar de não ter características oxidativas comuns da Tokaji, é um item muito aromático, frutado e delicioso no paladar.

    Elegante, é um vinho com um equilíbrio perfeito entre sua acidez e a doçura.

    Um rótulo gira em torno de R$684,51 e vai bem com tortas feitas com frutas, Foie Gras e queijos azuis.

    3 – Oremus Tokaji Vendimia Tardia 2017

    Outro exemplo de vinho Tokaji feito com uvas Furmint. Esse rótulo da Oremus é uma bebida para acompanhar sobremesas, e também uma ótima introdução para quem quer provar esse clássico do país.

    Tem um aroma bem intenso, com frutas tropicais e leves toques de especiarias, o que faz dele um vinho bem complexo.

    Quando chega à boca, se mostra untuoso e doce, bem gostoso de beber.

    Com potencial de guarda de dez anos, além de harmonizar com doces, vai muito bem também com Foie Gras. É um pouco mais caro que o outro, cerca de R$353,00. Mas pela qualidade, o preço é justo.

    4 – Tokaji Furmint Late Harvest 2016

    Mais um vinho de sobremesa para você. Este rótulo foi elaborado com uvas Furmint selecionadas, com cachos super maduros e Aszú (com botrytis). Por conta disso é uma bebida super aromática, trazendo aromas de frutas tropicais junto com toques herbáceos.

    No paladar é untuoso, doce e com uma ótima acidez, fazendo dele um vinho fácil de ser degustado.

    Pode ser harmonizado com Foie Gras e sobremesas.

    Com um ótimo custo benefício, cada garrafa gira em torno de R$342,20.

    5 – Tokaji Aszú 3 Puttonyos 2011

    Apesar da garrafa ter apenas 500 ml, vale a pena provar esse exemplar. Ao invés de ser mais oxidativo, é um vinho frutado e com um forte aroma. Se faz muito presente no paladar.

    É um vinho de guarda – dez anos – que passa por barricas de carvalho chamada de Göncim, antes de ficar dois anos envelhecendo na própria garrafa.

    Para experimentar um desses, você terá que desembolsar cerca de R$570,33.

    Se pretende preparar um Foie Gras, tortas com frutas ou uma tábua com queijos azuis, esse rótulo é perfeito para te acompanhar.

    6 – Egri Bikavér

    Uma opção tinta para os apaixonados por esse tipo de vinho – assim como nós. O Egri Bikavér ou sangue de boi é a bebida chefe da região de Eger.

    É um vinho encorpado e um dos mais famosos da Hungria. Um rótulo com uma forte presença de taninos, que dá amargor e adstringente a bebida.

    Possui toques de especiarias, além de um sabor terroso e uma presença de cerejas ácidas.

    Para a harmonização aposte em um goulash húngaro, carne de caça ou ensopados. Você encontra esse rótulo com um ótimo custo benefício, a partir de R$50,00.

    7 – Satobbi Furmint 2008

    De coloração amarelo claro, esse vinho é considerado complexo e rico no olfato, com toques minerais bem presentes.

    No paladar demonstra uma boa acidez, um corpo encorpado e um final persistente.

    O preço da garrafa é de R$173,00 e combina muito bem com crustáceos, carnes brancas e entradas.

    8 – Dobogo Mylitta 2008

    O Dobogo possui um aroma bem intenso e rico, com notas de papaia, damasco, pêssego e especiarias, além de um toque leve de baunilha.

    Com relação a sabores, é doce com um final longo e agradável, além de ser encorpado e com uma boa acidez. Leva 60% de uvas Furmint, 30% de Hárslevelü e 10% de Muscat Lunel.

    A única desvantagem é que a garrafa é de apenas 375ml e custa R$459,00. É um vinho perfeito para sobremesas.

    9 – Royal Tokaji Aszú Eszencia 1993

    1993 foi um dos anos mais marcantes em questão de qualidade na região de Tokaji-Hegyalikam. Infelizmente, é um rótulo difícil de se encontrar, mas se você tiver essa sorte, com certeza não vai se arrepender.

    Uma das maiores características desse rótulo é sua coloração, que é de um amarelo bem escuro com notas de âmbar.

    No paladar demonstra um aroma de damasco cristalizado, flores de tília e de acácia, e coco. Na boca é rico, com uma textura bem cremosa e gosto de xarope de bordo, manga, geleia de marmelo e marmelada de laranja, fazendo com que o seu sabor seja memorável.

    Já o final é longo com toques de manteiga, baunilha e caramelo. Sua doçura e tamanha que permite que ele substitua uma sobremesa.

    Essa raridade que vai muito bem com Foie Gras e queijos azuis.

    A garrafa gira em torno de R$6.000,00, uma pechincha (risos).

    10 – Tokaji Aszú 6 Puttonyos 2003

    Essa maravilha de 2003 conta com altos níveis de açúcar que são equilibrados pela acidez presente no rótulo.

    O sabor dessa safra é difícil de se esquecer. Além disso, sua coloração âmbar claro faz ele brilhar ainda mais quando servido na taça.

    É um vinho com um cheiro intenso de passas, margaridas e maçãs douradas. Seu corpo é cheio, equilibrado, complexo e com um final longo.

    Ele vai bem com sobremesas e queijos azuis.

    O valor de cada garrafa custa R$1.364,45.

    11 – Tokaji Aszú 6 Puttonyos 2013

    Também da Tokaj Oremus, é um vinho incrivelmente denso e doce, com uma excelente presença na boca.

    É refinado, elegante e sem toques oxidativos. É a sua escolha perfeita para acompanhar as sobremesas.

    Ele passa de dois a três anos em barricas e depois mais um ano na garrafa antes de ser comercializado.

    É um vinho maravilhoso, mas o preço nem tanto. A garrafa de apenas 500ml custa R$1.364,45.

    12 – Tokaji Aszú 5 Puttonyos 2013

    Rico e doce, esse rótulo tem um aroma complexo e puro. Na boca é bem encorpado, equilibrado e untuoso. Ainda conta com uma ótima acidez e um final bem longo.

    Assim como outros Aszú, vai bem com tortas de frutas, queijos azuis e Foie Gras. Igual ao anterior, é uma questão de colocar a qualidade acima do preço, que gira em torno de R$1.024,77.

    13 – Tokaji Furmint Mandolás 2018 Magnum

    Branco seco, esse vinho da Oremus é feito com uvas 100% Furmint. Detém um aroma intenso, com toques cítricos.

    No paladar é rico, saboroso, encorpado e com um leve toque amanteigado. Para finalizar, sua acidez equilibrada deixa essa bebida ainda melhor para ser degustada.

    Custando R$907,73, ele cai como uma luva com frutos do mar, carnes brancas e peixes em geral.

    14 – Tokaji Aszú 6 Puttonyos 1972

    Que tal tomar um vinho de 1972? Antes de ser engarrafado, essa bebida passou cerca de 21 anos guardados em barricas pequenas de carvalho.

    Sua cor é um âmbar intenso. O aroma é um cheiro de frutas exóticas, flores brancas e favo de mel. Conta com um corpo denso, muito bem equilibrado por conta da proporção entre acidez e açúcar, além de se portar bastante complexo.

    Seu final é longo na boca, com notas de manga, damascos cristalizados e geleia de laranja.

    Essa raridade vai bem com queijos azuis e sobremesas.

    O valor da garrafa fica em torno de R$2.636,00.

    15 – Tokaji Eszencia 1975

    Outra raridade, ele faz parte de uma coleção bem limitada da vinícola. Muitos críticos veneram esse vinho de tom marrom escuro, que lembra muito o óleo de motor.

    Sua densidade é maior que o próprio xarope de bordo. O aroma é repleto de cheiros de frutas cristalizadas, margaridas e mel. Exibe um equilíbrio perfeito entre acidez e açúcar.

    No quesito sabor, ele traz notas de cascas de laranja, passas e caramelos.

    Para a harmonização com esse belíssimo exemplar aposte em queijos azuis, sobremesas frutadas e Foie Gras.

    Cada garrafa possui um preço aproximado de R$4.303,00.

    Onde comprar?

    Infelizmente, vinhos de algumas partes do mundo são meio difíceis de achar em comércios físicos, como adegas ou supermercados. Mas isso não quer dizer que você não vai conseguir provar um rótulo húngaro.

    Para tanto, basta fazer uma pesquisa na internet. Temos certeza que você vai achar vinhos húngaros com mais facilidade e com um bom preço.

    Conclusão

    Pronto para experimentar os vinhos de um dos maiores produtores dessa bebida no mundo? Comece pelo que você achar que combina mais com o seu perfil e com certeza você não vai se decepcionar.

    Referências:

    https://www.savoredjourneys.com/top-5-wines-in-hungary/

    http://www.the-buyer.net/tasting/wine/oz-clarkes-top-10-hungarian-wines/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • vinhos

    Vinho Branco de Uva Trebbiano: Entenda a sua Importância!

    catalogo-uvas-todos-os-tipos-lista-uvas-para-vinhos-castas-tinto-casta-branco-frizzante

    PosiçãoVinho branco de uva TrebbianoPreçoOnde Comprar
    1d’Abruzzo 2016R$182,12Ver
    2Frascati Superiore Selciatella 2014R$142,15Ver
    3DulcisR$159,28Ver
    4Soave Clássico DOC Le Bine 2016R$182,12Ver
    5Torre di Giano Bianco di Torgiano DOC 2016R$219,80Ver
    6Trebbiano IGT 2015R$456,15Ver

    Na hora de escolher um vinho, qual variedade você prefere: branco, tinto, rosé, espumante ou quem sabe um frisante? Bom, independente da sua escolha, algo que você pode ter certeza é que você sempre vai ter um leque gigante para escolher entre as espécies de uvas.

    Vamos usar como exemplo o vinho branco. Por mais que você fique dentro desse grupo, você tem muitas alternativas de diferentes castas, incluindo a uva Trebbiano, de quem vamos falar hoje.

    Qual é a origem desta uva?

    Também conhecida como Ugni Blanc, essa, na verdade, trata-se de um grupo bem vasto de uvas do tipo branca.

    A Trebbiano surgiu na Itália, durante a época da Roma Antiga. Reconhecida primeiramente em Bolonha, no século XIII, a uva saiu do seu país de origem até a França, isso graças à corte papal que mudou de Roma para o sul do vale do Rhône, mais precisamente Avignon, no século XIV.

    Durante os séculos seguintes, 15 e 17, a variedade começou a ser usada em diversas partes do lado sudoeste da França, mas, pouco tempo depois, ela caiu em desuso e atualmente é dificilmente encontrada em regiões vinícolas mediterrâneas do país.

    Por outro lado, se encontra em grande número do lado atlântico da França, onde faz muito sucesso e é frequentemente usada para fazer destilados, como o Cognac, de Charentais, e Armagnac, de Gasconha.

    Quais as características dessa uva?

    Existe um motivo para que essa uva seja tão adorada entre os produtores, e estes estão relacionados diretamente com as características da Ugni Blanc.

    Para começar, é uma fruta que se adapta muito bem a praticamente qualquer tipo de clima ou solo. E independente disso, dá origem a muitos cachos de uvas vigorosas e de maturação tardia, apesar de precisar de muito sol para que isso aconteça.

    E apesar de não produzir um vinho muito gostoso – a bebida feita com essa variedade costuma ser neutra -, ela tem um papel importante já que é muito usada para compor blends e outros tipos de bebidas.

    Pode fazer o destilado desta uva?

    Dentre as outras situações que a uva Trebbiano pode ser usada, estão os destilados feitos com essa fruta, como já citamos anteriormente.

    Ela é frequentemente utilizada para esse propósito pois é um produto com:

    • Alta acidez;
    • Muito resistente as várias doenças;
    • Baixo teor de açúcar.

    Por ter menos açúcar na sua composição, isso quer dizer que o vinho base terá pouquíssimo teor alcoólico, o que é ótimo, pois tal fato permite que a bebida seja destilada por mais tempo antes de atingir a sua potência alcoólica total, que varia de 53 a 60% no Armagnac, e de 72%, no Cognac.

    Aliás, o fato dessa uva poder ser destilada por mais tempo é muito importante pois quanto mais o líquido é destilado, maior será a pureza da bebida.

    Outro ponto que faz desta uva ser ideal na produção de destilados é sua alta acidez. Essa característica natural funciona como um antisséptico que, por sua vez, é capaz de manter os vinhos e as uvas longe da deterioração causada por bactérias.

    E, por fim, a fruta também é muito resistente a vários tipos doenças, o que é ideal para aquelas que são cultivadas na região de Charentais, já que por lá o clima é frio e úmido, o que acaba aumentando as chances das videiras apodrecerem.

    Quais são os 6 vinhos mais recomendados?

    Para quem deseja provar alguns vinhos dessa uva, aqui vão algumas indicações.

    1 – Trebbiano d’Abruzzo 2016

    Este faz parte da linha clássica da Masciarelli. É um vinho que traz toda a refrescância dessa casta, juntamente com notas aromáticas super convidativas.

    Esse rótulo foi produzido com uvas de uma videira de quarenta anos de idade, o que dá a bebida muita personalidade.

    Prós:

    • Vai bem com frutos do mar e peixe;
    • Feito com uvas de videiras de 40 anos.

    Contra:

    • Valor um pouco alto.

    O preço deste vinho italiano é de cerca de R$182,12.

    2 – Frascati Superiore Selciatella 2014

    Da Piero Costantini, esse vinho é feito com um blend de uvas do tipo Trebbiano e Malvasia. É um rótulo bem saboroso, aromático e com equilíbrio perfeito entre tipicidade e acidez.

    Com o intuito de preservar ao máximo o seu frescor, o vinho não passa por barricas de carvalho. Assim como o anterior, combina igualmente com peixes e frutos do mar.

    Prós:

    • A pedida perfeita para quem nunca experimentou um vinho do tipo;
    • É bastante fresco no paladar.

    Contra:

    • Preço relativamente alto.

    Você consegue achar a garrafa por R$142,15.

    3 – Dulcis

    O Dulcis da Lungarotti é o companheiro que você procurava para acompanhar suas sobremesas. É um vinho intenso e doce, mas sem ser enjoativo.

    Ele é produzido com uvas Trebbiano e outras variedades dessa fruta branca. Passa cerca de dois anos em barricas de carvalho.

    Se você gosta de vinhos de guarda, então ele é para você. Este tem potencial para ser guardado por mais de dez anos! É importante ficar atento ao teor alcoólico, que é bem alto, cerca de 16%.

    Prós:

    • Potencial de guarda;
    • Perfeito para acompanhar sobremesas.

    Contras:

    • Garrafa pequena, 375ml;
    • Custo alto.

    O preço da garrafa gira em torno de R$159,28.

    4 – Soave Clássico DOC Le Bine 2016

    Feito pela Campagnola, é mais um rótulo com potencial de guarda, cerca de cinco anos. Este é um vinho aromático, com um sabor bem presente de frutas e macio no paladar.

    Leva na sua composição uvas do tipo Garganega e Trebbiano di Soave.

    Prós:

    • Fresco;
    • Cremoso no paladar.

    Contra:

    • Custo alto.

    Um exemplar custa em torno de R$182,12.

    5 – Torre di Giano Bianco di Torgiano DOC 2016

    É um vinho aromático, fresco e muito fácil de gostar. Leva na sua composição castas do tipo Grechetto e Trebbiano. É a sua escolha ideal para acompanhar pratos com queijos, fondue e frutos do mar.

    Prós:

    • Fácil de gostar;
    • Fresco.

    Contra:

    • Custo bem alto.

    Para provar um desses você terá que desembolsar R$219,80.

    6 – Trebbiano IGT 2015

    Dificilmente os produtores fazem vinho somente Trebbiano, mas este aqui é uma exceção. Mesmo levando apenas essa casta, este rótulo tem uma excelente qualidade, sendo uma bebida muito rica, densa e com um gostoso toque de mineralidade.

    As uvas usadas são de uma videira de mais de 60 anos.

    Prós:

    • Uvas de videiras de 60 anos;
    • Vinho cheio de personalidade.

    Contra:

    • O preço pode assustar bastante quem não entende do vinho.

    A garrafa custa R$456,15.

    Conclusão

    Nunca provou um vinho com casta Trebbiano?

    Bom, aproveite que agora você sabe mais sobre essa uva e tenha essa experiência. Certeza que você não vai se arrepender.

    Referências:

    https://www.citra.it/it/vini/trebbiano

    https://winedharma.com/vitigni/trebbiano-il-vino-il-vitigno-e-le-storia-dabruzzo-romagnolo-toscano-o-spoletino/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • vinhos

    Vinho Bag in Box: Qual é a Origem? Quais são as Vantagens? Qual é o Preço?

    miolo-fabenne-vinhos-brasil-do-sul-porto-alegre

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoVinho Bag in BoxPreçoOnde Comprar
    1Arbo Tannat – Casa PeriniR$112,00.Ver
    2Porta 6 – Vidigal WinesR$144,00Ver
    3Tinto seco Merlot – CastellamareR$194,00Ver
    4Vigna d’Oro Cabernet Sauvignon – LarentisR$108,00Ver
    5Tinto fino Cabernet Sauvignon – FabenneR$109,00Ver
    6Seleção Chardonnay e Viognier – MioloR$98,00Ver
    7Branco seco – Don GuerinoR$114,00Ver
    8Branco – Vinícola ValmarinoR$119,00Ver
    9Marcus James Reservado – AuroraR$77,00Ver
    10Branco seco Niagara – Vinícola BorgoR$74,00Ver

    Uma das coisas que mais chamam a atenção no momento de compramos um vinho é o seu rótulo e formato da garrafa. Esses são nosso primeiro contato com a bebida, e é aquela coisa, a primeira impressão é a que fica.

    Obviamente que não podemos decidir qual vinho levar só por conta disso, mas não podemos negar que a garrafa chama muito atenção.

    Mas você já se imaginou comprando um vinho em uma outra embalagem que não fosse a garrafa de vidro? Parece meio difícil de imaginar, não é mesmo?

    Pois saiba que isso não só era feito há muitos anos atrás, como o conceito de bag in box ganhou muitos amantes nos últimos anos, e é justamente sobre ela e suas vantagens que vamos abordar aqui.

    Qual é a origem da bag in box?

    Apesar de ter virado uma febre nos últimos anos, a bag in box foi criada muito tempo atrás.

    A bolsa foi idealizada em 1965, mais precisamente em 20 de abril pelo enólogo Thomas Angove.

    O primeiro modelo criado foi feito com bexigas de polietileno de 4,5 litros inseridas em caixas de ondulação. O conceito foi criado com o objetivo de facilitar a venda da bebida no varejo.

    Nesse piloto o consumidor tinha que cortar o canto da bolsa para fazer a bebida sair. Mas essa prática durou pouco tempo, pois em 1967, Charles Malpas, um inventor australiano, veio com a ideia de uma torneira de plástico com ar firme, que foi soldada a uma bexiga metalizada, facilitando e muito o consumo de vinho na bag in box.

    Como funciona a bag in box?

    Dentro da caixa ou box de papelão ondulado e estável vai uma bolsa de plástico onde o vinho é armazenado. Já a bolsa em si fica conectada a uma torneira, a responsável por levar a bebida até a taça. Bem simples, certo?

    Normalmente essas bolsas possuem dois tamanhos: de três ou cinco litros, o que totaliza de quatro a seis garrafas de vinho.

    Atualmente você encontra bag in box com os mais variados tipos de vinhos. Brasileiros, italianos, portugueses e por aí vai. Contudo, a Nova Zelândia, o Reino Unido e o Chile são os locais onde elas são mais famosas.

    Já no quesito fabricação e exportação das bags, Austrália, França, Itália, Alemanha e África do Sul ficam em primeiro lugar.

    E apesar de ter usado o vinho como exemplo, as bags in box podem ser usadas para transportar/armazenar qualquer tipo de bebida, de água até tequila.

    Quais os benefícios da bag in box?

    Tem vantagens em usar a bag in box? Obviamente!

    A principal delas é que ela comporta uma quantidade muito maior de bebida que as garrafas. Por exemplo, se você está numa festa, é só encher a bag e deixar os convidados se servirem à vontade, sem a necessidade de ficar abrindo um novo rótulo toda hora.

    Provavelmente você também não vai ter que ficar abastecendo ela a todo momento pois a mesma suporta até cinco ou seis litros de vinho.

    Outro ponto que faz a bag sair à frente das garrafas: ela faz o vinho durar muito mais. Quando consumimos a bebida em sua embalagem comum, assim que abrimos, o líquido entra em contato com oxigênio e começa a oxidar imediatamente, fazendo com que o item vá perdendo suas qualidades naturais gradativamente.

    Isso não acontece com a bag porque você não abre a bolsa para pegar a bebida, ela sai por uma torneira, e isso impede que o ar entre dentro do recipiente. Com isso, o vinho não oxida e, consequentemente, dura mais. A sugestão de consumo para os líquidos dentro da bag é de três meses, mas ele pode durar até três anos.

    Não podemos esquecer também da praticidade que é carregar uma bag ao invés de várias garrafas de vinho. Além de diminuir o peso, ela também ocupa muito menos espaço.

    Ela também não quebra, não exige que você tenha os artigos para garrafas – saca-rolhas e itens para servir o vinho do rótulo para a taça -, são mais baratas que esses recipientes de vidro e é sua companhia perfeita para piqueniques, praia e outras ocasiões ao ar livre.

    Sem contar que é uma opção muito mais ecológica, afinal, você não está produzindo lixo a cada vez que comprar uma garrafa.

    Mora sozinho? Ótimo opção para você, já que é bem pouco provável que você tome uma garrafa inteira em um dia só. Ela é perfeita também para quem costuma tomar uma taça de vinho todos os dias ou para quem não liga de ingerir a mesma bebida por alguns dias.

    O preço médio de uma bag de cinco litros gira em torno de R$150 reais, no máximo. Se você colocar na ponta do lápis o quanto você gasta comprando garrafas você verá que vale muito a pena.

    Quais as desvantagens dessa bolsa em caixa?

    A bag in box tem algumas desvantagens, principalmente no quesito sensorial. Por mais que ela preserve bem o vinho, pode acontecer da bebida sofrer certas mudanças se ficar muito tempo armazenada na bolsa.

    Além disso, não vale a pena se você não tem o hábito de beber todos os dias ou se consegue terminar uma garrafa de uma vez só.

    Quais os 10 melhores vinhos bag in box?

    Opções em Vinho Tinto

    1 – Arbo Tannat – Casa Perini

    Da Casa Perini, é um vinho Tannat cheio de qualidade, juventude e sofisticação. Ele conta com uma cor púrpura bem intensa, comum desse tipo de uva.

    No olfato traz aromas de cacau tostado, já na boca é uma bebida muito bem estruturada, de corpo leve e taninos agradáveis e marcantes.

    Prós:

    • Vinho gaúcho de ótima qualidade;
    • Bolsa de três litros.

    Contra:

    • Vinho seco – para quem não gosta, não é uma boa opção.

    O preço dessa bag é de R$112,00.

    2 – Porta 6 – Vidigal Wines

    Lembra que comentamos que Portugal é um dos países onde a bag in box é muito utilizada? Sendo assim, não poderia faltar uma bolsa portuguesa na lista.

    Da Vidigal Wines, essa bebida é produzida com uvas Castelão, Touriga Nacional e Aragonês. Por conta do terroir, é um líquido super fresco no paladar, além de ser frutado e macio.

    Tem sabor de frutas vermelhas e secas, formando uma dupla super saborosa na boca.

    Prós:

    • Bag de três litros;
    • Vinho português de alta qualidade.

    Contra:

    • Item importado e as vezes o preço varia muito.

    A caixa gira em torno de R$144,00.

    3 – Tinto seco Merlot – Castellamare

    Apesar de ter uma cor bem intensa, este Merlot é super aveludado e macio no paladar. Você sentirá toques de frutas, taninos médios muito bem equilibrados e uma boa acidez.

    Percebe-se igualmente algumas notas minerais e de ervas ao chegar à boca.

    Prós:

    • Preço acessível e com ótimo custo benefício;
    • Vinho brasileiro de alta qualidade;
    • Fácil de achar para comprar.

    Contra:

    • Bebida seca que pode não agradar os mais fãs de doce.

    O preço desse vinho fica em torno de: R$78,00 na versão de 3 litros e R$194,00 com 5 litros.

    4 – Vigna d’Oro Cabernet Sauvignon – Larentis

    Esse rótulo da Larentis é uma excelente opção para quem quer provar vinhos produzidos com um cuidado todo especial. As uvas, por exemplo, são colhidas de forma manual.

    Ele tem uma cor intensa de rubi com tons roxos. No olfato detém um aroma bem delicado de frutas vermelhas, como a ameixa. No paladar é harmonioso, com um bom corpo, o que acaba preenchendo bem a boca.

    Prós:

    • Vinho brasileiro;
    • Possui um ótimo custo x benefício.

    Contra:

    • Bebida seca, pode não agradar a todos.

    Essa bag in box custa em torno de R$108,00.

    5 – Vinho tinto fino Cabernet Sauvignon – Fabenne

    Vinho da Fabenne com um aroma marcante de frutas vermelhas e corpo leve. Ele leva uvas Cabernet Sauvignon e Tannat.

    Detém um sabor agradável e gostoso e, segundo a vinícola, pode ser consumido por até 30 dias, perfeito se você não costuma beber sempre.

    Prós:

    • Vinho brasileiro;
    • Possui bom custo benefício;
    • Bag com 3 litros.

    Contra:

    • Bebida seca.

    Você vai pagar cerca de R$109,00 nessa bag in box.

    Opções para Vinho Branco

    6 – Seleção Chardonnay e Viognier – Miolo

    Esse branco da Miolo com uvas Chardonnay e Viognier é perfeito para te acompanhar em festas ao ar livre.

    É amarelo com toques esverdeados e se torna super brilhante quando servido. Seu aroma é frutado, com toques de frutas cítricas e maçãs. É fresco na boca e também tem uma boa acidez.

    Prós:

    • Preço acessível;
    • Perfeito para piscina e festas ao ar livre.

    Contra:

    • Deve ser servido bem gelado.

    Custa em torno de R$98,00.

    7 – Vinho Branco seco – Don Guerino

    Com uvas Chardonnay e Riesling, é um vinho branco perfeito para tomar no dia a dia.

    Refrescante, tem um aroma cítrico, de frutas brancas e notas florais. Na boca se mostra elegante e delicado, com um final persistente.

    Prós:

    • Vinho brasileiro com ótima qualidade;
    • Bag de três litros.

    Contra:

    • Opção seca que pode não agradar muitos.

    Você pode apreciar esse branco por R$114,00.

    8 – Vinho Branco – Vinícola Valmarino

    Feito com uvas Moscatel, esse vinho conta com uma boa dose de açúcar residual, característico da casta. Aliás, esse traço faz a bebida ser mais doce, mesmo sendo uma alternativa seca.

    Traz ao olfato toques de frutas cítricas, como pêra, pêssego e maçã. No paladar mostra uma acidez muito bem equilibrada e um bom final.

    Prós:

    • Bag de 5 litros;
    • Vinho nacional com ótimos valores.

    Contra:

    • Deve ser servido bem gelado.

    Você vai pagar algo em torno de R$119,00 por essa bag.

    9 – Marcus James Reservado – Aurora

    Se você quer uma opção boa e barata e ainda com uva Chardonnay, então você precisa experimentar esse branco da Aurora.

    De corpo leve e super agradável no paladar, ele conta com uma coloração amarela que se destaca na taça.

    Ao levar ao olfato você vai sentir um vinho super fresco, além de notas de frutas. Já no paladar tem um sabor único e é persistente.

    Prós:

    • Vinho brasileiro que conta com uma qualidade premiada;
    • Bom custo-benefício.

    Contra:

    • Precisa ser servido gelado.

    Esse bag da Aurora custa apenas R$77,00.

    10 – Branco seco Niagara – Vinícola Borgo

    O branco da Borgo é perfeito para qualquer hora do seu dia. Com uva niagara, detém um aroma levemente doce, com toques da própria casta e frutas de polpa amarela.

    Prós:

    • Bag com 5 litros;
    • Vinho Nacional feito com uvas Niagra.

    Contra:

    • Bebida seca que pode não agradar a todos.

    No paladar é leve e com uma boa acidez. Ele também tem um bom custo-benefício, R$74,00 a bag.

    Conclusão

    E aí, pronto para comprar sua bag in box?

    Depois de todas essas informações acredito que você vai passar a olhar de forma diferente para esses vinhos em caixa.

    Referências:

    https://www.the-drink-talking.com/blogs/news/bag-in-a-box-wine-is-it-any-good

    https://www.decanter.com/wine-reviews-tastings/bag-in-box-wine-374182/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • Curiosidades

    12 Motivos para Comprar Vinhos Online: Quais são as Vantagens?

    review-resenha-melhor-maneira-desconto

    Há muitos anos os brasileiros já compram na internet, mas a primeira loja online no Brasil surgiu no ano de 1995, e foi uma livraria. Para a época era algo muito ousado, porém foi o empreendimento pioneiro no meio eletrônico que surgiu para vender livros, na época ainda com muita desconfiança do público, como qualquer inovação.

    Hoje, mais de 26 anos depois do primeiro produto vendido pela internet no Brasil, o comércio eletrônico se tornou uma peça fundamental para as mais variadas atividades econômicas.

    Somente em 2020, as vendas online chegaram a R$ 87,4 bilhões, foram 194 milhões de compras, um acréscimo de mais de 40% com relação ao ano anterior.

    As vendas online são tendência no mundo todo, enquanto muitas empresas físicas fecharam com a pandemia, aquelas que vendem pela internet só cresceram. E com o vinho não foi diferente. Isso porque de forma online o cliente tem inúmeras vantagens e, mesmo aqueles que tinham resistência, foram obrigadas a ter essa primeira experiência de compra online.

    1. É possível descobrir novos vinhos do conforto da sua cadeira ou poltrona?

    Nas lojas online você com certeza vai conseguir fugir do tradicional e alcançar novos sabores e aromas, até então desconhecidos. Pois, o comum é começar experimentando aqueles vinhos de locais mais tradicionais como França, Itália, Espanha.

    Só que existem muitos outros países referências na produção de vinho no mundo como a África do Sul, Nova Zelândia, Israel, entre outros. E quem sabe um desses vinhos não se torna seu favorito? Vamos provar algo novo?

    2. Como filtrar a seleção em segundos?

    Selecionar os vinhos é muito fácil. Nos sites de vinho você tem diversas formas de buscar o que você deseja. Você pode selecionar a opção em barras de pesquisas por: tipo de vinho, tipo da uva, país, por volume, preço, entre outras formas.

    Depois de poucos cliques vai aparecer no site somente aquela referência que você está buscando. Podendo ainda ordenar por preço, por maiores descontos, mais vendidos, entre muitas outras formas. Tudo muito fácil e rápido, não acha?

    3. É fácil obter uma informação atualizada em alguns clicks?

    Com certeza! Depois que você filtrou os vinhos que está buscando, basta apenas clicar e ver as informações sobre o vinho.

    Nos sites são fornecidas as informações completas sobre os vinhos, tais como as características físicas, visuais e olfativas, teor alcoólico, acidez, forma de produção, amadurecimento, tipos de sabores e para quais tipos de gastronomia são mais indicados para acompanhar. Ou seja, tudo bem explicado para que você possa esclarecer suas dúvidas e fazer a escolha certa.

    4. Dá para comparar facilmente a origem e o preço?

    É muito fácil você comparar o preço e a origem dos vinhos, basta escolher o local de origem da bebida e logo vai aparecer diversas opções de preço e fabricante, para você poder comparar e escolher aquilo que mais lhe agrada.

    5. A entrega vai direto na porta da minha residência?

    Sim! Os vinhos comprados na internet chegam diretamente em sua casa ou no endereço que você informar no ato da compra. Dá até para presentear alguém.

    Durante a compra você já consegue verificar os tipos de envio e os prazos para entrega. Os vinhos vêm devidamente embalados e bem protegidos para que cheguem intactos no endereço definido.

    6. Dá pra comprar diretamente da vinícola?

    Com certeza, é perfeitamente possível comprar de diversas vinícolas, pois, muitas vezes você está em uma viagem, passa por uma vinícola, se agrada do vinho, porém, quando vai embora tem dificuldade de achá-lo.

    Contudo, com o avanço das compras online, muitas vinícolas tem site e mandam o vinho para sua casa. Aquelas que não tem, possuem telefone, redes sociais ou Whatsapp para contato e venda dos vinhos.

    7. Como faço para economizar tempo e gasto desnecessário de deslocamento?

    Como os sites estão ao alcance de suas mãos, você não precisa perder tempo. Não precisa se deslocar para ir a algum supermercado, nem gastar gasolina, nem perder tempo em pé em longas filas.

    Logo, quando você compra na internet em apenas alguns minutos, você está economizando dinheiro e também o seu tempo que você pode investir para realizar suas atividades profissionais ou ficar com sua família.

    8. Devo comprar apenas de lojas e e-commerces conceituados para garantir a segurança do meu dinheiro e qualidade da bebida?

    Assim como diversos outros produtos, os vinhos também estão sujeitos a falsificações e/ou adulterações.

    Produtos falsos, além de mudar as próprias características do vinho em si, podem também causar mal à sua saúde, uma vez que podem conter ingredientes desconhecidos e serem feitos sem os devidos controles de segurança e higiene. Tudo isso poderá ocasionar problemas também desconhecidos se forem ingeridos.

    Portanto, você sempre deverá comprar de lojas conceituadas e confiáveis, pois, dessa forma, estará garantindo que o produto que você comprou é verdadeiro. Sempre pesquise sobre a loja, busque referências com amigos, em sites como o Reclame Aqui, Procon, entre outros.

    Além disso, sempre desconfie de preços de vinhos que são caros e estão sendo vendidos baratos demais. Sempre desconfie de preços muito irrisórios. Pois, apesar de ser comum haver promoções ou variações de preços entre uma loja e outra, um vinho que custa 2 ou 3 mil reais, ele jamais vai ser vendido por R$ 200,00 ou R$300,00. Assim, fique atento e se certifique sobre a loja.

    9. Serve para educar o consumidor?

    E muito, quando você compra online você aprende muito sobre as relações de consumo, pois, enquanto em lojas físicas, muitas vezes o consumidor sofre por ser mal atendido por pessoas despreparadas e informações confusas.

    Na internet é diferente, pois as informações estão sempre claras sobre produtos, formas de entrega e pagamento, além da possibilidade de atendimento online.

    Além disso, em todas as compras online o consumidor tem direito de devolver o produto ou se arrepender da compra no prazo de até 7 dias após o recebimento do produto, conforme o Código do Consumidor.

    10. Fica aberto 7d-24h (7 dias / 24 horas por dia)?

    Essa é outra grande vantagem de comprar online. A loja não fecha nunca! Está disponível 24 horas por dia, de segunda a domingo, inclusive, feriados.

    Assim, é você quem escolhe a hora que quer comprar. Enquanto em uma loja tradicional você é obrigado a ir comprar somente em horário comercial, na internet, a loja está a sua disposição para hora que você desejar. Em poucos minutos você conclui a compra para receber o produto em sua casa.

    11. Possui mesmo uma maior variedade?

    As lojas de vinho online possuem diversas variedades, produtos nacionais, importados, e até rótulos exclusivos. Nelas você pode escolher o tipo de uva, tipo de vinho, país de fabricação, vinícola, o preço, entre outras classificações, tudo a distância de apenas um clique.

    Não tem nem como comparar o que você vê nas lojas online de vinho com o que você vai achar em lojas físicas ou supermercados. É como se você tivesse uma mega loja especializada nas suas mãos, onde você vai achar desde os vinhos mais baratos até aqueles mais nobres e exclusivos.

    12. Atendimento personalizado?

    Em muitas lojas de vinho online você possui acesso fácil a um suporte de atendimento no próprio site, via whatsapp ou por telefone. Tudo isso de forma muito fácil de ser alcançado. Onde você vai ser atendido por uma pessoa especializada que pode esclarecer suas dúvidas de forma imediata. Algo que dificilmente vai ocorrer em um supermercado, por exemplo.

    Conclusão

    Portanto, meus amigos, as vendas de vinho na internet chegaram para ficar. Você pode comprar com toda a comodidade, segurança e receber os mais diversos vinhos em sua casa, de forma simples, fácil e rápida.

    Então, agora você não tem mais desculpa para deixar de experimentar um bom vinho e achar aquele que mais combina com a ocasião e com o seu estilo.

    Referências:

    https://www.wtso.com/blog/6-reasons-why-you-should-buy-wine-online/

    https://www.streetdirectory.com/food_editorials/beverages/wine/the_benefits_of_buying_wine_online.html

    https://justwines.com.au/blog/the-advantages-of-buying-wine-online-2/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • Curiosidades

    Como Fazer Quando for Abrir a Garrafa de Espumante ou Champanhe sem Derramar?

    com-faca-chandon-baby-cereser-gelar-freezer-servir-com-classe

    Não sei vocês, mas nós abominamos qualquer tipo de desperdício, ainda mais quando se trata de bebidas tão deliciosas e que muitas vezes custam o olho da cara, como é o caso do Champagne.

    Só de ver aquela típica comemoração dos pilotos da fórmula um que desperdiçam uma garrafa inteira de espumante um no outro, bate uma tristeza.

    Se você também detesta desperdiçar, você está no lugar certo. Infelizmente, é comum ao abrir um espumante, uma parte da bebida acabar caindo no chão, mas tenho certeza que se você pudesse mudar isso, você mudaria, certo?

    Pois bem, nosso foco aqui será justamente te ensinar a como não derramar seu espumante ou champanhe na hora que for abrir a sua garrafa.

    Por que as rolhas de champanhe e espumante se expandem bruscamente ao abrir a garrafa?

    Antes de seguirmos com as dicas de como abrir devidamente uma garrafa de champanhe, vamos entender um fato curioso sobre as rolhas dessa bebida.

    Ao abrir um rótulo de espumante você já reparou que a rolha expande, a ponto de você não pode fechar o recipiente com ela novamente? Pois é, um dos fatos que contribuem para isso é o tempo que esse objeto ficou no rótulo.

    Só para se ter ideia, normalmente um champanhes demora um ano e três meses para estar pronto para o consumo, ou seja, já é um tempo bem considerável.

    Outro ponto que contribui para essa expansão é o fato de que a rolha da garrafa fica durante todo esse tempo em contato com o dióxido de carbono que existe no espumante, que, aliás, é o responsável por fazer a bebida borbulhar.

    Sem contar que a rolha usada em espumantes é feita com uma cortiça mais compacta na parte de baixo e mais elástica na parte de cima. Isso é necessário pois o champanhe deve ser armazenado em pé, ao contrário do vinho que deve ficar deitado.

    E respondendo a pergunta, essa expansão brusca da rolha quando abrimos o espumante acontece porque no momento da abertura, assim que sai da garrafa, o lacre tenta voltar ao seu formato original, principalmente se o recipiente estiver com pressão na parte interna.

    E lembra que comentamos que isso depende do tempo que a rolha fica no rótulo? Pois é, você não terá esse problema caso esteja abrindo um espumante de 20/30 anos, por exemplo.

    Isso acontece porque a cortiça teve tempo – mais que suficiente – para se expandir e se adaptar aquele espaço dentro da garrafa.

    Podemos dizer então, que de certa forma, essa explosão acontece porque não demos tempo da rolha se adaptar aquele ambiente, ou seja, abrimos o rótulo antes do tempo, teoricamente.

    Qual o passo a passo de abrir espumante e champanhe sem sobressaltos?

    Passo 1

    Se a garrafa estiver gelando em um balde, retire ela desse local e seque com um pano. Em seguida, incline ela em um ângulo de 45 graus, preferencialmente para uma lado que não tenha ninguém ou nenhum objeto que possa quebrar.

    Passo 2

    Retire o lacre de papel e depois o de metal, girando o arame em sentido horário.

    Você pode tanto tirar a gaiola ou deixá-la em cima da rolha, isso faz a abertura ser mais segura. Se a bebida estiver bem gelada, é aconselhável você deixar o arame e também colocar o dedo em cima da rolha.

    Passo 3

    Com a ajuda de um pano de prato no gargalo da garrafa, segure bem a rolha e vá soltando aos poucos, isso vai evitar que o lacre saia de uma vez.

    Passo 4

    Agora você pode tanto girar a garrafa quanto a rolha para que ela se solte por completo. Algumas pessoas giram os dois juntos, mas para os lados opostos. Contudo, não é aconselhável pois a lacre pode quebrar.

    Aí é só manter o dedo firme – pois a própria pressão da garrafa vai pressionar a sua mão para soltar – até que a rolha saia sozinha e lentamente. Você vai ouvir um estalo quando isso acontecer. Pronto, agora é só servir!

    Dicas de como abrir uma garrafa de champanhe

    1 – Deixe a bebida gelar corretamente

    Essa dica é para os apressadinhos de plantão. Nós sabemos que você não vê a hora de abrir aquela garrafa de champanhe que você estava guardando há muito tempo, mas tenha paciência, principalmente se você não quiser derramar a bebida.

    Quando a bebida gela bem, a probabilidade de sair aquele monte de espuma é bem nula, isso porque a temperatura baixa diminui a pressão interna natural do champanhe – criada pelas bolhas.

    Por isso, por mais que você esteja ansioso para degustar aquele rótulo de espumante, tenha calma. Deixe gelar pelo tempo necessário. Pense que a espera vai valer a pena, além de você não perder pelo menos uma taça ao apenas abrir a garrafa.

    2 – Cuidado com o transporte

    Deixou a garrafa no tempo necessário na gelada e mesmo assim vazou espumante para todo o lado? Bom, um dos motivos para isso acontecer é que você pode ter chacoalhado demais o rótulo.

    O mesmo vale para os impactos que a garrafa passou do mercado até chegar na sua casa. Quando o rótulo é transportado de forma brusca, a pressão interna que já existe dentro do recipiente vai aumentar ainda mais.

    E por isso vai voar champanhe para todos os lados quando você abrir a garrafa. Para evitar isso, deixe o rótulo descansar, em pé, por alguns instantes antes de você fazer abertura.

    3 – Cuidado ao retirar os lacres

    Outra dica para evitar desperdícios é ter cuidado na hora que for retirar os dois lacres que vem na garrafa do champanhe.

    O primeiro, que é um lacre de papel, deve ser retirado por completo e preferencialmente sem girar ou chacoalhar o recipiente, pois vai acontecer o que acabamos de citar logo acima.

    Você deve ter o mesmo cuidado ao retirar um segundo lacre, que é uma espécie de gaiola metalica.

    Ao não balançar a garrafa você evita a expansão dos gases e a criação de mais bolhas e pressão dentro da mesma.

    Conclusão

    Apesar da comemoração das corridas ser muito divertida, lugar de champanhe é na taça e, posteriormente, na nossa boca, é claro!

    Referências:

    https://vervewine.com/blogs/the-blog/how-to-properly-open-sparkling-wine

    https://www.townandcountrymag.com/leisure/drinks/news/a8690/how-to-open-a-bottle-of-champagne/

    https://winefolly.com/episode/how-to-open-champagne-safely/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • vinhos

    Quais os 15 Melhores Vinhos da Nova Zelândia Bons e Baratos?

    australianos-sauvignon-blanc-preço-americanos-portugueses-frisantes-uruguaio-espanha-vinho-mistral

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoVinho da Nova ZelândiaPreçoOnde Comprar
    1Hunter’s Riesling 2018R$260,90Ver
    2Hunter’s Sauvignon Blanc 2018R$260,90Ver
    3Neudorf Chardonnay 2011R$334,70Ver
    4Hunter’s Chardonnay 2013R$295,25Ver
    5Ata Rangi Sauvignon Blanc 2016R$355,40Ver
    6Felton Road Pinot Noir Calvert 2014R$961,97Ver
    7Felton Road Pinot Noir Calvert 2016R$910,59Ver
    8Neudorf Moutere Riesling dry 2014R$404,30Ver
    9Trinity Hill Gimblett Gravels Viognier 2012R$409,80Ver
    10Trinity Hill Gimblett Gravels Syrah 2012R$433,20Ver
    11Felton Road Pinot Noir Bannockburn 2016R$268,58Ver
    12Sileni The Plateau Pinot Noir 2016R$149,14Ver
    13Burn Cottage Moonlight Race Pinot Noir 2016R$722,20Ver
    14Neudorf Moutere Pinot Noir 2012R$777,80Ver
    15Rippon Pinot Noir 2016R$809,70Ver

    Uma das melhores coisas do universo do vinho, além das inúmeras possibilidades de rótulos, é a quantidade de regiões produtoras dessa bebida.

    Obviamente que podemos e devemos experimentar as criações de áreas super conhecidas na fabricação de vinho, como o nosso próprio país – Brasil -, Portugal, Itália ou França. Mas também temos que dar a chance de conhecer os rótulos que estão começando a vingar neste ramo, que é o caso do nosso personagem principal aqui: a Nova Zelândia.

    Assim como o seu país vizinho Austrália, a Nova Zelândia vem ganhando reconhecimento neste universo por fabricar bebidas de altíssima qualidade e saborosas.

    Quais as principais características dos vinhos da Nova Zelândia?

    Isso vai depender, obviamente, da uva escolhida. Ao todo, o país trabalha com quatro principais castas: Sauvignon Blanc – a mais famosa da região -, Syrah, Pinot Noir e Chardonnay.

    Sauvignon Blanc

    Comecemos com a casta mais famosa da Nova Zelândia: Sauvignon Blanc. Essa espécie é muito usada no país e por isso é uma das mais conhecidas por lá, não à toa, pois ótimos vinhos brancos da area são feitos com essa uva.

    As características de um vinho com Sauvignon Blanc é uma bebida com sabor vibrante e aromas marcados por um toque mineral e de frutas, além de notas de groselha branca e maracujá em um fundo cítrico.

    Pinot Noir

    A Pinot Noir, uva originária da Borgonha, é a segunda espécie mais cultivada na neste país.

    É uma casta que resulta em um vinho de sabor frutado, intenso e bem expressivo, com um aroma de frutas pretas e vermelhas maduras.

    Syrah

    O país também é conhecido por trabalhar com uvas Syrah, o que resulta em uma bebida de um sabor complexo e picante, com notas de pimenta do reino e ameixas.

    Alguns deles tem um sabor de especiarias, como o cravo, por exemplo.

    Chardonnay

    Chardonnay é uma uva clássica na Nova Zelândia. Fazendo um vinho concentrado e equilibrado. Tem um sabor de frutas tropicais e notas cítricas.

    Abaixo, separamos algumas opções para você provar, confira!

    1 – Hunter’s Riesling 2018

    Apesar do país trabalhar com as quatro uvas que citamos acima, é possível achar outras castas por lá, como é o caso do Riesling.

    Neste caso você vai se deparar com um vinho com aroma de limão fresco e outras frutas tropicais cítricas, além de maçã verde e notas florais.

    É uma bebida bem equilibrada, com uma ótima acidez e um final longo e refrescante.

    A garrafa de 750ml custa em torno de R$260,90 e combina bem com carnes em geral, camarão, peixe e queijos.

    2 – Hunter’s Sauvignon Blanc 2018

    Aqui temos uma opção para quem quer experimentar um vinho com a uva mais usada na Nova Zelândia. Esse Sauvignon Blanc se mostra uma bebida com aromas herbáceos, maracujá e outras frutas tropicais.

    No paladar é fresco, com uma camada de sabores persistentes e vivos, além de uma acidez bem equilibrada.

    Uma curiosidade com relação a esse rótulo é que com o intuito de preservar todos os aromas da fruta, as uvas foram colhidas nas primeiras horas da manhã.

    Na harmonização aposte em carnes em geral, queijo, camarão e peixe para acompanhar esse Sauvignon Blanc. Com relação ao preço, a garrafa custa R$260,90.

    3 – Neudorf Chardonnay 2011

    Considerado um ótimo Chardonnay do Novo Mundo, esta é uma bebida elegante, sofisticada e rica no paladar.

    Já no nariz traz notas cítricas e de minerais. Custa um pouco mais caro que as opções anteriores: R$334,70.

    Acompanha bem peixes gordos, carnes brancas e crustáceos.

    4 – Hunter’s Chardonnay 2013

    Numa garrafa de 750ml, este é um exemplar com aroma floral, notas de avelã e frutas cítricas. Na boca se mostra bem estruturado, com toques de pêssego. Sua acidez é bastante agradável.

    Um vinho muito bem equilibrado, frutado, fresco e com toque amadeirado.

    Para acompanhar este rótulo aposte em comidas que levam carne, peixes, camarão, além de queijos e saladas.

    O valor de deste fica na casa dos R$295,25.

    5 – Ata Rangi Sauvignon Blanc 2016

    Neste Sauvignon Blanc, 5% das uvas foram fermentadas em contato com a pele da fruta e deixado nessa situação por dois meses para trazer mais complexidade à bebida. Já o mosto, 30%, na verdade, foi fermentado em barricas neutras.

    Por conta disso é um vinho elegante, carregado de aromas cítricos e frutas de caroço maduras.

    Ele tem uma boa acidez, traz o frescor da fruta e sua textura é bem delicada.

    Vai ser um ótimo companheiro em pratos com mariscos, queijo de cabra e opções vegetarianas.

    O preço desse branco gira em torno de R$355,40.

    6 – Felton Road Pinot Noir Calvert 2014

    Este da Felton Road é um vinho feito com uvas de cultivo biodinâmico. O vinhedo usado, um Calvert de baixa elevação, produz frutas com uma maturação bem uniforme.

    É uma bebida bem sedosa e interessante, com um sabor suculento e uma textura bem agradável.

    Ele combina perfeitamente com pratos feitos com pato, caça e codorna.

    O preço não é tão convidativo assim, a garrafa custa R$961,97, mas vale a pena provar, pelo menos uma vez na vida.

    7 – Felton Road Pinot Noir Calvert 2016

    Assim como a anterior, utiliza uvas de cultivo biodinâmico e videira Calvert.

    No paladar é saboroso, com notas de frutas negras e flores. A bebida passa cerca de onze meses em barricas de carvalho francês. Ah, e é também um vinho de guarda, podendo ser armazenado por cinco até dez anos.

    Assim como o anterior, aposte em pratos com pato, codorna ou carne de caça para fazer uma boa harmonização.

    Para provar esse Pinot Noir você terá que desembolsar a quantia de R$910,59.

    8 – Neudorf Moutere Riesling dry 2014

    Com o Riesling dry você vai se deparar com um vinho de aromas de cascas de frutas cítricas maduras e com notas de flores.

    No paladar tem uma textura mais complexa e conta com notas minerais e cítricas.

    Ele combina com carne de porco, comida picante, marisco, aves e tábua de petiscos feitos com carne curada.

    Elegante, é um vinho de guarda, com duração de cinco a vinte anos. Mesmo com essas características, ele não é tão caro (se comparado aos demais), com cada garrafa custando R$404,30.

    9 – Trinity Hill Gimblett Gravels Viognier 2012

    Dizem que este vinho é uma excelente opção para quem deseja sair dos rótulos feitos com Pinot Gris e Chardonnay. É exótico e sensual, com aromas de flor de laranjeira, jasmin e damascos frescos.

    Na boca é rico, com uma textura bem agradável. Por conta das suas características ele vai muito bem com mariscos e carnes no geral.

    Cada exemplar tem um valor a partir de R$409,80.

    10 – Trinity Hill Gimblett Gravels Syrah 2012

    Com aroma de framboesa, pimenta preta e outras especiarias, esse Syrah detém uma excelente qualidade no aroma, além de ter taninos macios, com uma ótima complexidade, elegância e estrutura.

    É frutado e conta com uma boa acidez.

    Ele vai bem com carnes vermelhas, grelhadas, assadas ou marinadas.

    Também fica em torno de R$433,20 cada garrafa.

    11 – Felton Road Pinot Noir Bannockburn 2016

    Trata-se de um vinho macio e profundo, feito com Pinot Noir de cultivo biodinâmico.

    É um vinho com bastante fruta madura e profundidade. Ele traz diversos traços dos seu terroir, o que faz ele ser querido entre os especialistas.

    É uma excelente companhia para acompanhar pratos feitos com pato e carnes em geral.

    Possui um ótimo custo benefício, com preços a partir de R$268,58.

    12 – Sileni The Plateau Pinot Noir 2016

    Tinto feito exclusivamente com uvas Pinot Noir, é uma bebida elegante e fina, com todos os traços de um rótulo do Novo Mundo.

    Com um ótimo potencial de guarda, de cinco a dez anos, esse vinho é maturado em barrica por alguns meses.

    Assim como os anteriores, vai bem com pato e carne de caça, preferencialmente grelhada.

    Outro que possui um excelente custo benefício, com cada exemplar custando em média R$149,14.

    13 – Burn Cottage Moonlight Race Pinot Noir 2016

    Este Moonlight Race passa por uma seleção de uvas bem rigorosa, onde as frutas são conferidas duas vezes para garantir uma ótima qualidade. 22% delas são fermentadas em formato de cacho inteiro.

    É um vinho com aroma de frutas, como cereja, além de ter notas de especiarias e e elementos terrosos.

    Na boca é elegante, com taninos sutis, fazendo uma boa concentração e equilíbrio.
    Sua harmonização cai como uma luva com carnes de caça, aves, vitela e carne de vaca.

    Seu preço não é muito atrativo a primeira vista, mas ao conhecer a produção e os métodos utilizados, você entende o valor de cada garrafa custar R$722,20.

    14 – Neudorf Moutere Pinot Noir 2012

    Vinho com aroma de chocolate, defumados, frutas vermelhas esmagadas e notas de especiais.

    Na boca se mostra rico e com uma boa textura, além de taninos macios e uma acidez bem agradável ao paladar. Tem um final longo e persistente.

    Ele vai bem com vitela, aves, carne de caça e bovina.

    Cada exemplar fica na casa dos R$777,80.

    15 – Rippon Pinot Noir 2016

    Este aqui é uma bebida redonda, agradável, de corpo médio e textura sedosa. Os taninos são finos e detém um final longo.

    Traz ao nariz um aroma de frutas, com notas de sous-bois e carvalho.

    Para a harmonização aposte em carnes de vaca, caça, vitela e aves.

    A garrafa custa R$809,70, mas esse valor compensa no potencial de guarda, que é de mais de 10 anos.

    Onde comprar?

    Apesar de ótimos, os vinhos da Nova Zelândia não são tão comuns por aqui. Sendo assim, pode ser difícil você achar um rótulo desses nas prateleiras do supermercado, mas não deixe isso te impedir de experimentar as bebidas do país.

    A solução mais prática é procurar por opções na internet. Aí é só fazer uma boa pesquisa para conseguir o preço mais em conta.

    Não esqueça também de verificar a credibilidade da loja antes de fazer a compra, principalmente se você não conhece ou nunca comprou nesse E-commerce.

    Conclusão

    Esperamos que tenha ficado curioso para experimentar um vinho da Nova Zelândia, porque eles são bastante diferentes dos produzidos em outras regiões do mundo. Confira você mesmo e descubra essas diferenças.

    Referências:

    https://www.foodandwine.com/wine/wine-new-zealand-bottles

    https://www.decanter.com/decanter-best/25-best-new-zealand-wines-454695/

    https://www.newworld.co.nz/discover/wine-awards/best-new-zealand-wines

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!