• curso-gratuito-sommelier-gratis-senac-para-iniciantes-preço-básico-expert-em-vinhos-profissional
    Curiosidades

    Veja os Melhores Cursos de Vinho Online do Mercado

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoNome Curso Vinho OnlinePreço à VistaPreço à PrazoSite Oficial
    1Aprenda Sobre VinhosR$197,0012 x R$19,19Ver
    2Enófilo CertificadoR$397,0012 x R$38,68Ver
    3Expert em VinhosR$197,0012 x R$19,19Ver

    Ama vinho, mas sente que o seu conhecimento no assunto não é o suficiente? Que tal fazer um curso sobre vinho?

    Se interessou? Então continua com a gente nesse artigo e conheça vários cursos que cabem no seu bolso, que abragem os mais variados assuntos sobre essa bebida.

    Conheça onde e como aprender a arte da degustação de vinhos, mesmo sendo iniciante

    Assim como você, muitas pessoas tem o desejo de saber mais sobre o vinho.

    Pensando nisso, especialistas criaram cursos para ensinar, iniciantes ou não, sobre essa bebida mundialmente consumida.

    Certo, mas qual conteúdo é abordado e o que se aprende em um curso de vinhos?

    O que se aprende e como é na prática um curso de sommelier online?

    Entre muitas outras coisas, com um curso de vinho você irá saber qual deles combina com diferentes tipos de comida.

    Você saberá também quais os tipos de uvas e como elas interferem no sabor da bebida.

    Não entender as informações dos rótulos das garrafas também não será mais um problema.

    A formação foca igualmente em ensinar o nível correto de dulçor, acidez, tanino, álcool e outros pontos importantes que a maioria das pessoas não sabem.

    Por fim, você poderá realizar o sonho de muitos amantes de vinho: ter sua própria adega, com rótulos escolhidos a dedo, por você. Fantástico, não?

    Quanto e como é na prática, isso vai depender da formação escolhida. Mas a grande maioria coloca o aluno para degustar não só vinhos, mas também outras bebidas, como tarefa prática do conteúdo ensinado em cada módulo.

    Além disso, uma prova é aplicada para que o professor avalie o aproveitamento do aluno. Lembrando que alguns detalhes podem ser diferentes entre um curso e outro.

    Na prática, isso quer dizer que você se tornará um expert em vinhos.

    O que é ser um “Wine Hunter”?

    Além de ser um expert de vinhos na sua família e entre os amigos, sabia que se você quiser, você pode fazer dessa paixão uma profissão?

    Como? Tornando-se um Wine Hunter! Esse profissional é basicamente um “caçador de talentos” de vinho. A pessoa em questão viaja o mundo todo degustando bebidas e escolhendo os sabores que serão comercializados.

    Basicamente, o Wine Hunter procura vinhos de sabores exóticos e pouco conhecidos, e os promove, ajudando a divulgar para todo o mercado.

    O Wine Hunter, além de descobrir “novos talentos”, pode igualmente se juntar a enólogos, oferecendo consultoria. Neste caso, o trabalho é finalizar sabores, elaborar rótulos para as garrafas e, em alguns casos, sugerir preços dos produtos.

    Imagina se profissionalizar em uma profissão onde seu trabalho é degustar vinhos novos e viajar pelo mundo? Não dá para reclamar, não é mesmo?!

    Veja abaixo os cursos que selecionamos para vocês

    Aprenda Sobre Vinhos

    Uma das opções de formação é o curso Aprenda sobre Vinho.

    O conteúdo é ministrado pelo dono das lojas Vina Del Mar, Dirceu de Castro.

    Com uma vasta experiência, Dirceu distribui seu conhecimento em um curso com nove módulos e mais dois em forma de bônus.

    Ao todo são 60 vídeo aulas com acesso vitalício, que vão te ensinar desde a fabricação do vinho até a degustação, cuidados com a bebida e acessórios utilizados antes, durante e depois que a garrafa é aberta.

    Todo o material é 100% digital.

    Possui conteúdo sobre vinho tinto, branco, rosé, licoroso e espumante.

    E fique tranquilo se ficar com alguma dúvida ou precisar de ajuda. No próprio site do curso você tem acesso a um número de WhatsApp para falar com a equipe do Aprenda Sobre Vinhos.

    Após o fim do material, você recebe um certificado de conclusão.

    Bem legal, não é? Mas agora vem a pergunta importante: valores!

    Normalmente o custo para esse tipo de aprendizado é relativamente alto, em torno de R$500 reais. Mas se você adquirir agora sua cópia do Aprenda Sobre Vinho, seu investimento vai ser de R$197,00 a vista ou em 12x R$19,19.

    Para a quantidade de aprendizado disponibilizado por Dirceu, o preço está super em conta, aproveite!

    Você comprou, mas não gostou, e agora? Fique tranquilo, pois o curso te dá uma garantia e você pode pedir seu dinheiro de volta. O reembolso fica disponível até 30 dias após a compra.

    Enófilo Certificado

    O Enófilo Certificado é mais uma opção para os amantes de vinho. O curso foi criado por Stefan Massinger. De origem austríaca, ele trabalha como consultor de vinhos para gastronomia e hotelaria. Ele também organiza eventos e ministra palestras em todo o mundo.

    O conteúdo criado por ele é para todos os níveis de conhecimento, de alguém que não entende nada sobre vinhos, até uma pessoa que já tem uma certa familiaridade, mas quer expandir seu conhecimento.

    O curso é 100% digital e nele você terá acesso a informações como a história do vinho, seu processo de fabricação, taças e acessórios e harmonização.

    Você ainda leva um bônus sobre petiscos para combinar com a bebida em dias quentes, a influência deste na história da arte, como criar uma adega com até R$1.000 e até como combinar este item com churrasco.

    Além de tornar você um expert em vinho, o intuito do curso desenvolvido pelo Stephan é mudar o pensamento de que conhecer vinhos é uma tarefa difícil.

    E mesmo garantindo um conteúdo simples e divertido, o comprador pode pedir seu dinheiro de volta em até 15 dias após a compra do produto.

    Todo esse processo é bem simples e a solicitação é feita via e-mail.

    Agora, caso goste do curso e conclua ele, você receberá um certificado de conclusão assinado pelo próprio Stephan.

    Se interessou?

    Se começar agora, você adquire o conteúdo por R$397,00 à vista ou em 12x de R$38,68.

    Expert em Vinhos

    Uma outra opção de curso é o Expert em Vinho.

    Este é ministrado pelo especialista e estudioso em vinhos, Eduardo Calanzand.

    O material é 100% digital, e é ótimo tanto para quem não conhece nada sobre o assunto, quanto para quem já tem uma experiência e quer aumentar seu conhecimento.

    Dividido em 8 módulos, você tem acesso à vídeo aulas (em HD) por cerca de um ano. E não precisa ter acesso a internet para aprender. Basta baixar o aplicativo da Sparkle, plataforma onde o material está disponível, e ver tudo offline.

    Eduardo ainda disponibiliza tabelas e fichas em pdf para baixar e todo o suporte para alunos é feito via WhatsApp.

    Com o Expert em Vinhos você aprenderá como a escolher a bebida certa, descobrirá qual é o rótulo perfeito para você – com base em dulçor, tanino, acidez, etc, – como harmonizá-lo com as refeições, quais são as principais produtoras dessa bebida em diversos países e também como se tornar um Wine Hunter.

    Atualmente, o curso está com desconto de 50%, o que quer dizer que você terá acesso a todo esse excelente material por apenas R$197,00 à vista ou em 12x de R$19,19 no cartão de crédito.

    Vinhos e Harmonizações

    O curso Vinhos e Harmonização do chef Arthur Troncoso foca não só no conhecimento do vinho em si, mas também na harmonização, ou seja, como você pode combinar essa bebida com todos os tipos de comida.

    Dividido em 11 vídeos aulas, você terá uma introdução ao vinho e essências da bebida, até o processo de armazenamento e a função de cada propriedade presente no alcoólico.

    Você ainda leva de brinde 12 receitas inéditas de harmonização, além de um ebook com 6 diferentes vinhos e suas respectivas funções.

    Por ser um conteúdo 100% digital, você acessa e assiste quando e onde quiser. Seja no celular, computador, na sua casa ou no trabalho.

    Para dúvidas ou ajuda, o chefe disponibiliza um número de WhatsApp e um chat que funciona 24 horas por dia, te dando todo o suporte que precisar.

    Quanto a valores, o curso de Vinho e Harmonização tem um investimento de R$220,00 reais a vista ou em 12x de R$21,43 no cartão de crédito.

    Como saber diferenciar os vinhos, suas peculiaridades e singularidades?

    Mesmo com um processo de criação tão simples, que acontece da fermentação do suco de uva, você sabia que cada vinho tem traços únicos?

    Isso ocorre devido ao método de fabricação, o clima e solo onde a fruta foi plantada. Além, é claro, do tipo usado na fabricação.

    Sendo assim, com tantas informações armazenadas em uma garrafa, como você irá saber diferenciar esses vinhos? Simples, com um dos cursos que nós indicamos nesse texto.

    Assim que você começar a estudar sobre o assunto, muito em breve você saberá identificar essas peculiaridades com facilidade.

    Qual o jeito certo de degustar e desenvolver o seu paladar?

    O vinho possui um leque enorme de variedades, para começar, temos os sabores, que podem ser amadeirados, adocicados e frutados. Você também pode escolher entre tinto, rosé e branco, seco ou suave.

    Por conta disso, é necessário ter um vasto conhecimento para poder apreciar e distinguir as características de cada um, e é aí que o curso entra.

    Esse conteúdo fará com que você seja capaz de treinar e apurar o seu paladar, tornando possível a prática correta da degustação, que te levará a um mundo de sabores.

    Então, respondendo a pergunta do subtítulo, você só aprenderá a degustar de maneira correta e a treinar seu paladar com um material voltado a esse assunto.

    Como é o funcionamento e didática de uma aula online de vinhos?

    Quer fazer um dos cursos, mas ainda está em dúvida em como eles funcionam?

    Sem problema!

    Já falamos um pouco mais acima, mas a didática de cursos onlines são simples e feitas para quem tem interesse em aprender algo e muitas vezes não tem tempo de fazer isso de forma presencial.

    Todo o conteúdo é ministrado por meio de vídeo aulas, que são gravadas por especialistas no assunto. Assim que você realiza a assinatura, o material é enviado via email.

    Com ele em mãos, você só precisa de um aparelho com acesso a internet, e voilà!

    Outra vantagem é que você pode ver o conteúdo com calma, no seu tempo.

    Alguns têm acesso ilimitado, outros com um prazo de um ano.

    O que te dá tempo de sobra para se especializar no assunto, não é mesmo?

    Ah, e fique tranquilo pois esses cursos possuem certificado de conclusão e você pode pedir seu dinheiro de volta caso não goste do material. O tempo de reembolso varia, mas o prazo mínimo é de 7 dias após a compra.

    Quanto a dúvidas ou ajuda, todo o suporte é feito via WhatsApp ou chat. E muitos cursos possuem a chamada área de membros, onde você interage com o professor e outros alunos.

    Quais são os benefícios de ser um bom entendedor de vinho?

    Bom, os benefícios de se tornar um conhecedor de vinho depende do seu objetivo.

    Pode ser um excelente hobby, onde você expandirá seus conhecimentos sobre o assunto e alimentar ainda mais essa paixão.

    E tem também o aspecto profissional, onde você pode transformar esse amor por vinhos em sua profissão.

    Seja qual for o seu objetivo, esse conhecimento com certeza não será em vão. Será sua chance de mudar de área ou de surpreender aquele crush em um jantar especial.

    Referências:

    https://digitaldefynd.com/best-wine-classes/

    https://www.thespruceeats.com/best-online-wine-classes-5087185

    https://winefolly.com/deep-dive/guide-to-online-wine-courses/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • antigamente-era-tinto-dos-judeus-caseiro-produção-artesanal-feita-a-fermentação-do-processo-branco-fabricação-passo-a-passo-processo-fluxograma
    vinhos

    Resenha Completa com Passo a Passo Para Produzir e Como Fazer um Bom Vinho

    Sendo uma bebida milenar, inclusive com passagens bíblicas, o vinho surgia de um processo natural chamado “vinificação”, o qual pouco dependia da intervenção humana.

    Com o passar das décadas, sobretudo após a Revolução Industrial, esse processo foi se aprimorando e hoje em dia raramente vemos um produtor pisando nas uvas, numa etapa bastante famosa que caracterizou a produção vinícola algumas décadas atrás.

    Da plantação a comercialização dos vinhos, veja todas as etapas

    A quantidade de etapas da produção vinícola não é um valor exato ou fixo e costuma variar bastante de um produtor para outro.

    É um fator diretamente relacionado ao produto que se pretende obter: os mais sofisticados certamente passarão por mais etapas na sua elaboração até que se obtenha um vinho mais requintado. O oposto vale para as bebidas mais simples.

    Ainda assim, são basicamente 8 as etapas nesse processo todo.

    São elas: colheita, desengace e esmagamento, prensagem, fermentação, trasfega e descubra, amadurecimento e engarrafamento.

    Quais são as uvas mais cultivadas para se fabricar vinhos?

    Cabernet Sauvignon –

    É uma uva clássica, sendo unanimidade, preferência mundial.

    Largamente cultivada no mundo inteiro, em países como Argentina, Estados Unidos e até mesmo no Brasil, além de países europeus. Sua origem é a famosa região de Bordeaux, na França.

    Tem excelente grau de adaptação aos mais diversos tipos de solo e produz vinhos tintos robustos, com aromas herbáceos.

    Merlot –

    Mais uma uva clássica proveniente da mesma região, cuja produção também se alastrou mundo afora.

    A diferença mais básica para a uva acima é que esta proporciona uma bebida mais macia e suave, com toques frutados no aroma e no sabor.

    Carmenére –

    Com a mesma origem das outras uvas acima citadas, esse tipo, entretanto, raramente é encontrado no país de origem, sendo mais comum no Chile.

    Seu vinho também é robusto e frutado, com toque de pimenta.

    Malbec –

    Mais uma uva imigrante: saiu do território francês e se estabeleceu na Argentina.

    Diga-se de passagem que os Malbecs argentinos estão entre os melhores do mundo: macios, bastante aromáticos, onde flores e especiarias se fazem presente.

    Pinot Noir –

    Originária da região da Borgonha, essa uva conseguiu conservar sua identidade francesa, já que poucos países se arriscam no cultivo dessa espécie.

    Os vinhos produzidos pela Pinot Noir são suaves, discretos e sofisticados, ou seja: são bem no estilo dos franceses.

    Chardonnay –

    Uma das uvas obrigatoriamente presente na composição do espumante mais famoso do mundo, o Champagne.

    Proporciona um vinho branco macio, leve e elegante. Com excelente adaptabilidade de cultivo no mundo inteiro.

    Sauvignon Blanc –

    Uva clássica utilizada na produção de um vinho branco, bem suave com toques de ervas e boa acidez.

    Também é originária da França e possui uma larga produção na Nova Zelândia.

    Tempranillo –

    E para fechar a lista, uma uva “não-francesa”.

    Essa uva espanhola também é bem cultivada em Portugal e na Argentina, e produz um vinho de elevado teor alcóolico, baixa acidez e pode apresentar gosto de morango.

    Quais são os processos para fazer a colheita da uva?

    Também conhecida como “vindima”, é essa etapa que definirá o sucesso do trabalho.

    Determinadas condições climáticas podem favorecer ou atrapalhar a qualidade final do produto em desenvolvimento. Chuvas fortes em tempo de colheita podem estragar todo o trabalho de uma safra, por exemplo. A melhor hora também é no final da tarde, quando a temperatura está amena.

    Além disso, é de suma importância atentar para o tempo certo de colher as uvas: não podem estar maduras demais nem verdes demais.

    Portanto, há uma série de fatores climáticos e meteorológicos a serem cuidadosamente observados.

    A colheita pode ser manual ou mecânica. No primeiro caso, os cachos são cortados com um tesoura apropriada e depositados em recipientes onde não sejam amassadas.

    No modo mecânico, um trator balança os galhos da videira, fazendo com que os cachos caiam num depósito forrado e protegido, evitando assim qualquer amasso.

    Como é o esmagamento e desengace?

    Após a colheita, as uvas são colocadas numa máquina chamada “desengaçadeira – esmagadeira”, que remove os engaços (ramos que sustentam as frutas) dos grãos, esses por vezes acabam gerando um indesejável amargor em bebidas de qualquer tipo.

    A máquina corta delicadamente as cascas das uvas e o suco escorre livre, sem que haja a trituração das cascas e sementes. O objetivo é aproveitar o máximo possível deste suco (também chamado de mosto).

    Em vinícolas mais rudimentares e simples, essa etapa ainda é realizada manualmente e após isso, as uvas são conduzidas para o tanque, onde são pisoteadas.

    Prensagem, como é feita?

    O mosto, então, é conduzido para o processo seguinte, numa prensa. Essa etapa separa as cascas e sementes do suco. Porém, os vinhos tintos e rosé não participam desse processo, uma vez que precisam ser fermentados juntamente com as cascas para adquirirem cor.

    Os primeiros sucos aqui obtidos são tidos como mais nobres e partem direto para a “vinificação”. Os sucos finais, mais ralos, seguem para a produção de aguardentes variados, tais como a grappa.

    Como é feita a fermentação do vinho?

    Nessa importante etapa, ocorre a transformação em álcool do açúcar natural contido no suco da fruta.

    A equação da fermentação alcoólica é simples: Levedura mais açúcar é igual a álcool e CO2.

    As fermentações podem ser feitas tanto com leveduras nativas quanto com leveduras cultivadas.

    As fermentações de leveduras nativas (ou fermentações espontâneas) são executadas com leveduras naturalmente presentes encontradas nas peles das uvas e no ambiente de uma vinícola.

    As fermentações de leveduras cultivadas são implementadas utilizando cepas compradas de leveduras e adicionando-as ao suco para executar o processo.

    As fermentações espontâneas tendem a levar muito mais tempo e são frequentemente direcionadas para a produção de vinhos finais mais complexos.

    Aqui, o vinho pode ser conservado tanto em tanques de aço inox como em barris de carvalho: cada opção oferece uma vantagem diferenciada e o produtor precisa ter essa visão do produto final para fazer a escolha inteligente e correta.

    Tanques de aço inox conseguem conservar melhor o frescor da fruta sendo, por isso, mais propícios aos vinhos frutados.

    Por outro lado, a fermentação no carvalho proporciona uma maciez bem característica no paladar. Nesse caso, teremos vinhos mais claros e naturalmente amadeirados, no sabor e no aroma.

    Um outro ponto de suma importância é a temperatura presente nessa etapa.

    Se durante o processo de fermentação as uvas não estavam suficientemente maduras, o açúcar pode ser adicionado ao mosto para aumentar os níveis de álcool no produto final, esta adição é chamada de “enriquecimento”.

    Da mesma forma, ácido também pode ser adicionado ao mosto se a acidez for baixa, o que é compreensivelmente chamado de “acidificação”.

    Também com a fermentação do vinho branco, uma etapa adicional referida como “agitação das borras” é adicionada.

    Esta etapa envolve a mistura da levedura residual que é deixada após a fermentação para produzir mais sabores.

    No caso dos vinhos brancos e rosés, o melhor é a temperatura mais baixa, a qual favorece a preservação da delicadeza e suavidade de suas características olfativas e gustativas.

    Já nos tintos, o oposto se aplica e temperaturas mais altas são necessárias para a obtenção de uma cor mais intensa e de taninos mais marcantes.

    A etapa da fermentação dura cerca de 21 dias e após esse processo é preciso fazer uma “limpeza” no líquido.

    O que é a etapa de trasfega e descubra?

    Após a fermentação, temos enfim uma bebida alcóolica, pois o açúcar natural da fruta foi transformado. Porém, é necessário separar a bebida das impurezas sólidas resultantes da etapa anterior.

    Inicialmente, ocorre então a “descubra”, que é a drenagem das partes sólidas e líquidas do líquido fermentado.

    Etapa simples, embora não menos importante na conjuntura do processo.

    A trasfega é a tarefa de transferir o vinho de um tanque (ou barril) para outro, com o objetivo de fazer a limpeza de todos os indesejáveis resíduos gerados na fermentação, tais como bactérias, leveduras, matérias orgânicas e outros.

    Essa porção de impurezas gera alterações desagradáveis no sabor e no aroma da bebida.

    O que é preciso fazer na filtragem?

    Essa etapa que requer bastante precisão: são utilizados durante esse processo vários filtros com diferentes graus de porosidade para barrar resíduos variados, tais como restos de cascas de uvas e microrganismos usados na fermentação.

    Após a filtragem, o vinho torna-se claro e brilhante.

    Amadurecimento

    Essa é uma etapa de harmonização e de equilíbrio entre o aroma e o sabor do produto.

    Aqui, o vinho perde a “dureza inflexível” ou adstringência e ganha suavidade.

    Porém, nem todos os tipos de vinho necessitam passar por essa fase. Alguns já estão prontos para degustação e outros precisam de alguns anos de armazenamento até encontrar o seu equilíbrio.

    O amadurecimento do vinho em aço inox cria um ambiente não oxidante, o que significa que os vinhos não são expostos ao oxigênio. Isto tende a preservar no vinho os sabores frescos, que são impulsionados por frutas, e nenhum tanino ou sabor externo é adicionado a partir da madeira.

    No lado oposto do espectro, o amadurecimento em carvalho cria um ambiente oxidativo, significando que o vinho tem contato com o oxigênio. Isto permite que o vinho desenvolva diferentes níveis de textura e sabores.

    Quando se utiliza carvalho novo (em oposição à madeira neutra ou usada), os sabores de baunilha, especiarias de panificação, coco e/ou endro podem muitas vezes ser degustados no vinho resultante.

    Vinhos brancos, rosés e tintos leves podem ser consumidos jovens, aproveitando assim o máximo do seu frescor. São vinhos que perdem o charme e a graça quando envelhecem e são dispensados dessa etapa.

    Portanto, a famosa máxima “quanto mais velho, melhor” nem sempre se aplica.

    Geralmente, a bebida amadurece melhor nas barricas de carvalho, pois, além da intensidade da cor, os taninos são amaciados.

    Também, com a evaporação mais lenta, o vinho torna-se mais encorpado. A qualidade de um vinho tinto é geralmente determinada pelo seu amadurecimento.

    Etapa final: Engarrafamento, rótulo e armazenamento

    Para o processo de engarrafamento são utilizadas 3 máquinas:

    • Enxaguadora: para higienização das garrafas;
    • Enchedora: aquela que vai encher as garrafas, como podemos imaginar pelo nome;
    • Rolhadora, a qual veda a garrafa com rolhas naturais, sintéticas ou tampas de rosca chamadas Screw Cap.

    É importante que a rolha seja de boa qualidade porque ela tem o poder de alterar drasticamente o sabor da bebida.

    Após o engarrafamento, o vinho necessita de um período de repouso, aguardando no depósito da vinícola o tempo da comercialização.

    Esse “tempo de pausa” é benéfico para a maioria dos tipos de vinho, para que possam se recuperar da agitação dessa etapa do engarrafamento e do consequente contato com o oxigênio.

    Nas vinícolas, o intervalo de repouso varia de alguns dias a anos, dependendo do produto que se deseja obter.

    Qual é a composição do vinho?

    85% do vinho é composto por água, que contém todos os sais minerais e elementos que a videira adquiriu anteriormente do solo, determinando a pureza da bebida.

    O etanol é o maior componente depois da água, alcançando até 12% do total da bebida.

    Ele vem da fermentação do açúcar no mosto – principalmente glicose e frutose – e, em menor medida (1 g por litro), é formado a partir de outros álcoois, como o metanol ou o butanol.

    O terceiro elemento é a glucose, que vem da fermentação alcoólica e tem um sabor levemente doce. Este composto é realmente importante para dar maciez, sabor e corpo aos vinhos. Para explicar os ácidos, vamos distinguir duas classificações.

    O primeiro é formado por aqueles que vêm da própria uva e são tartáricos, málicos e cítricos.

    A segunda é composta daqueles ácidos originários da fermentação: láctico, succiníco e acético.

    Finalmente, não podemos esquecer que este produto contém de 2 a 4 gramas por litro de sais minerais.

    Entre os quais citaremos o fosfato, cloreto, sulfato e potássio como os mais destacados.

    Assim, o vinho não é apenas um prazer que experimentamos quando o bebemos, mas também uma fonte essencial de nutrientes.

    Referências:

    https://www.liquor.com/how-is-wine-made-5088382

    http://wineanorak.com/howwineismade.htm

    https://www.thespruceeats.com/how-wine-is-made-3511362

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • escolher-vinhos-para-iniciantes-saber-se-pela-garrafa-escolher-barato-supermercado-na-taça-pelo-fundo-da-garrafa-características-frases
    vinhos

    O que Esperar e Como Reconhecer um Bom Vinho Branco Seco?

    O vinho branco vem ganhando espaço e popularidade no Brasil, desde os produzidos em terras tupiniquins, aos importados. Esse vinho tem um tom de classe e sofisticação que chama bastante atenção, além de ser muito utilizado para cozinhar, é um dos ingredientes que faz toda diferença em um bom risoto.

    Se você ainda tem um pouco do receio em relação ao consumo, ou apenas curiosidade, te faço um convite para conhecer um pouco mais sobre o vinho branco seco, que é muito mais que um ingrediente para cozinhar.

    O que é um vinho branco seco?

    Para entendermos o que é um vinho branco, vamos conhecer um pouco da sua produção, pois ao contrário do que se imagina não são apenas as uvas claras utilizadas na fabricação dele.

    A fabricação é parecida com a do vinho tinto, porém a maceração é o que difere nesses dois tipos de vinho.

    As uvas no processo de fabricação do vinho branco, podem ser escuras ou brancas, o que dar cor ao vinho é o tanino, pois as uvas são prensadas de forma suave para que as sementes e as cascas não sejam esmagadas.

    O que fica de solido é retirado, o suco é filtrado e colocado em barris para que o processo de fermentação comece.

    Geralmente a fermentação ocorre em barris de aço inoxidável, no entanto alguns vinhos ficam por um curto período em barris de carvalho, para terem uma maior oxigenação, uma das principais características do vinho branco.

    Controlar a temperatura durante a produção é um ponto importante, pois a temperatura altera a característica do vinho, uma temperatura mais baixa faz com que o vinho seja mais leve e frutado, enquanto a temperatura mais elevada faz do vinho mais dourado e encorpado.

    No Brasil, o termo vinho seco, está relacionado a quantidade de açúcar na composição da bebida. Eles podem possuir até 4 gramas de glicose por litro, no caso dos suaves a quantidade de glicose em sua composição é de 25 gramas por litro.

    O vinho suave, refere-se à uma bebida mais fácil de beber, oferecendo uma sensação agradável do primeiro ao último gole, de modo popular muitos o descrevem como um vinho docinho.

    Porém o sabor está mais relacionado a percepção do tanino, substância encontrada na casca das uvas e notamos essa diferença ao degustar o vinho seco.

    Quando em contato com nossa saliva a reação é justamente essa de secura, devido a uma quantidade maior de tanino em sua composição.

    Combina com o que? Quais situações e comidas ele pode acompanhar?

    De modo geral, a bebida é sempre uma ótima pedida para acompanhar desde refeições completas a petiscos, seja em uma reunião de amigos, em casal ou sozinho em casa após um longo dia de trabalho.

    O vinho branco seco não seria diferente, por ter essa característica adstringente, ele combina com queijos, carnes e alguns outros aperitivos, vamos te dar alguns exemplos para consumir de maneira harmoniosa.

    Uma das harmonizações mais comuns é com queijos, uma tábua de queijos e frios é sempre uma boa pedida quando se trata de beliscar algo enquanto se bebe vinho, os queijos mais comuns que harmonizam bem com vinho branco seco são, Camembet, Gouda e Brie.

    Isca de tilápia empanada é uma das combinações que também harmonizam com este vinho, lembrando que esse aperitivo também combina com outros e alguns acompanhamentos podem tornar o aperitivo ainda mais saboroso.

    Canapês de bacalhau ou de queijo coalho, ambas as combinações são deliciosas por si só, mas ao harmonizá-las com vinho branco seco, o sabor que temos é indescritível de tão satisfatório ao paladar.

    Estes são apenas alguns pequenos exemplos de aperitivos que você pode fazer para comer com amigos, em um encontro mais íntimo ou simplesmente para se dar de presente e sair da mesmice de pedir comida fora.

    Ele é usado na cozinha para preparar pratos, por quê?

    O vinho em si é muito utilizado na culinária para fazer desde pratos salgados a doces, cada tipo da bebida é mais indicada para um determinado prato, não há exatamente uma regra, mas essas indicações auxiliam na escolha do vinho para o prato que se deseja preparar.

    Vinhos brancos secos equilibram o sabor dos ingredientes, mas leves e suaves, como pescados, aves e frutos do mar, além de agregarem um melhor cozimento dos alimentos citados.

    O Sauvignon Blanc é o favorito e, provavelmente, é por causa das notas de ervas e de sabor. Elas permitem que o vinho haja como uma especiaria, e traz à tona o melhor da comida. O melhor é que não há limitações, você pode até mesmo fazer deliciosos cupcakes com esta variedade.

    Mas se você tiver um Chardonnay não cozido (fermentado em tanques de aço em vez de barris de carvalho) ou um Pinot Grigio normal, eles funcionarão muito bem na maioria dos pratos, exceto mexilhões.

    Pode parecer esnobismo na cozinha, mas mexilhões e frutos do mar são melhor preparados com Albarino.

    Se isso não estiver a seu alcance, você poderá utilizar o Riesling seco, Chenin Blanc, ou Pinot Gris.

    Algumas carnes leves em que esse vinho tem uma ação positiva, são lombo, filés de frango e filé mignon.

    Este vinho também agrega muito sabor em algumas hortaliças e legumes, como os aspargos. Devido a sua acidez é possível equilibrar o sabor adocicado que normalmente os legumes têm, assim como o amargor dos vegetais.

    Risotos, estrogonofe de frango e paleta, são alguns dos pratos onde o vinho branco seco faz parte dos ingredientes, como já dissemos a sua acidez equilibra os sabores e não sobressai.

    Então receitas que levam o vinho branco tem o frescor do vinho, mas não o sabor em si, podemos dizer que o vinho nesse caso auxilia o prato e traz um toque especial.

    Como comprar um bom vinho branco seco?

    Agora que já sabemos um pouco mais sobre o assunto, com quais alimentos e petiscos ele harmoniza e como utilizar na cozinha, vou te dar algumas dicas para adquirir um bom vinho e apreciar da maneira que desejar em sua casa.

    Pode parecer obvio, mas a leitura do rotulo é um dos pontos mais importantes na hora da escolha, afinal o rótulo contém todas as informações necessárias sobre o vinho, uvas utilizadas, melhor temperatura para ser servido, teor alcoólico e outras muitas informações.

    Enquanto você lê o rótulo do vinho, vale lembrar que alguns pontos importantes e informativos são necessários prestar a atenção, sendo eles:

    • Safra;
    • região de origem;
    • variedade de uvas;
    • denominação de origem;
    • maturação;
    • envelhecimento.

    A aparência do produto também é um ponto a ser avaliado, a qualidade da embalagem e armazenamento, a aparência da rolha ou capsulo que está lacrando a garrafa.

    Verificar se não há rachaduras na garrafa, a cor da bebida também pode dizer muito sobre seu estado de conservação, no caso do vinho branco, por ter esse tom que varia do dourado ao transparente deve-se ficar atento ao tom amarelado pois ele pode indicar oxidação da bebida, o que não é bom para seu consumo.

    Com certeza após todas essas informações você vai dar uma chance a esse vinho que vem conquistando tantas pessoas, lembre das nossas dicas e decida qual rótulo será consumido e tenha uma ótima experiência degustativa.

    Referências:

    https://californiawineryadvisor.com/dry-white-wine/

    https://winefolly.com/episode/expert-tips-on-choosing-dry-white-wines-video/

    https://www.thrillist.com/drink/nation/white-wine-types-explained

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • todos-os-uva-vinhos-no-brasil-suaves-mais-principais-doce-brasileira-tinto-tipos-cabernet-sauvignon-syrah-carmenere-malbec-pinot-noir-merlot
    Curiosidades

    13 tipos de Uvas Tradicionais e Famosas na Produção de Vinho

    Apreciado por grande parte das pessoas em todo o mundo, o vinho é de fato uma bebida requintada.

    A forma como é produzido, o local onde é produzido e o qual é realizado o cultivo das uvas bem como a qualidade da cepa usada para cada receita, concede a cada garrafa características distintas em relação a qualquer outra.

    Há uma imensa variedade em rótulos em todo mercado, e muitas pessoas gostam de experimentar os distintos sabores disponíveis.

    Você sabe que tanto o vinho branco quanto o tinto podem ser elaborados com o mesmo tipo de uva?

    Sim, tudo depende da forma em que se produz bem como a particularidade de cada vinícola.

    Em virtude disso, produzimos esse artigo mais completo para sanar dúvidas quanto aos tipos de uvas mais utilizadas para produzir vinhos de qualidade.

    O que uma uva precisa para ser boa para fabricação de vinhos?

    A uva é a matéria-prima de todos os vinhos, no entanto, a sua qualidade tende a interferir sempre no produto final.

    São inúmeros os fatores que são capazes de influenciar especialmente a parte inicial da produção.

    Desse modo, para que a uva seja considerada de qualidade e ideal para produzir um bom vinho, depende dos seguintes fatores:

    • Qualidade de cada solo;
    • Condições do clima e temperatura, bem como a sua oscilação diária;
    • Metodologia de plantio, cultivo e colheita;
    • Manipulação adequada, dentre outros.

    Todos esses fatores são imprescindíveis para formar uma bebida com aromas, sabores e texturas agradáveis.

    Cada casta da uva, é indica para produzir um tipo do vinho. Além disso, há outros fatores pois a produção é oriunda da combinação de 2 ou mais tipos de uvas.

    Grande parte dos vinhos existentes, é elaborada por uvas “Vitis vinífera” com origem na Europa, por exemplo a Merlot, a Cabernet Sauvignon e a Chardonnay, entre tantas outras.

    Veja abaixo as 13 uvas mais usadas:

    1 – Pinot Noir

    No que tange ao cultivo, essa uva sob nome Pinot Noir é muito oposta às uvas Cabernet Sauvignon.

    Isso dado que, elas precisam estar em perfeitas condições para que a sua colheita constitua ótimos vinhos.

    Quando elas são plantadas nas áreas que não possuem um equilíbrio no clima e nem na temperatura ambiente, as bebidas tendem a ser muito mais adocicadas e até consideradas sem qualidade.

    Trata-se, portanto, de um tipo que pode ser encontrado apenas na região da Bulgária, França, Chile, Califórnia ou na Argentina.

    Nesses países, a uva consegue se desenvolver perfeitamente e, por consequência, gerar bebidas mais requintadas, complexas, únicas e muito elegantes.

    Os vinhos criados através da Pinot Noir são ditos como misteriosos, com seu taninos bem firmes e menos acentuados.
    O aroma é bem característico e singular, o que torna essa uva ideal para as varietais.

    Embora ela seja mais utilizada para vinhos tintos, ainda é possível ver versões de vinho branco, rosé e até mesmo espumantes com ela.

    Qualquer uma destas bebidas são consideradas de muita qualidade, valor e apreciado por muitos.

    2 – Merlot

    Vinho produzido com Merlot geralmente é a preferência de quem preza pela elegância na degustação.

    A suavidade bem como a longevidade bem variada são características marcantes dele. Tanto os vinhos mais jovens quanto os mais envelhecidos são de igual qualidade.

    Esta uva é facilmente distinguida devido a sua aparência mais aveludada, azulada e ainda por contar com bagos maiores.

    Este último, no entanto, é que proporciona aos vinhos taninos medianos sendo então contemplados pelas pessoas.

    Essas uvas, são cultivadas nos países que possuem climas diferentes. Isto é:

    • Produção em regiões quentes – Os vinhos tendem a ser mais frutado, com poucos taninos, mais estruturados especialmente quando permanecidos durante um tempo nos carvalhos;
    • Produção em regiões frias – Os vinhos geralmente são dotados de taninos maiores mesmo que eles sejam mais jovens. Além disso, possui a estrutura mais robusta e, por isso, é a preferência de muitos especialistas.

    De modo geral, as bebidas com a Merlot, possuem uma textura doce e bem macia. Os aromas são comumente das frutas mediterrâneas e vermelhas.

    Pode-se notar a presença de cereja, figo, framboesa, morango, ameixa, groselha e amora.

    Há versões sob tons florais da violeta e da rosa, bem como também amadeirados como o cedro e o carvalho.

    Além disso, apresentam em seu aroma notas de tabaco, cacau, baunilha, erva, fumaça e também especiarias.

    Diante das possibilidades, nota-se que essa uva é uma variante ótima tanto para vinho de corte quando para varietal, oferecendo mais complexidade e sensações únicas.

    3 – Cabernet Sauvignon

    Essa é indiscutivelmente uma uva muito popular e bem democrática. Sob origem francesa, é permissível o seu cultivo em outras regiões no mundo desde que sejam em climas temperados e quentes.

    Devido a sua extrema qualidade, a Sauvignon é conhecida como a verdadeira rainha de todas as uvas tintas.

    Ela é inclusive, usada com um tipo de termômetro para medir o valor da vinícola.

    Muitas pessoas defendem a ideia de que se um rótulo é bom, automaticamente todos os outros serão.

    A sua plantação é específica para frutificação tardia ou média. Isso é o que a torna especial, pois, os vinhos com ela contam com sabores e aspectos bem diferentes.

    Nos lugares mais frios, traços do pimentão tendem a se acentuar. Em contrapartida, nos lugares mais quentes há a acentuação de ameixas e amoras silvestres.

    Essa uva é utilizada para os vinhos feitos para acompanhar satisfatoriamente as refeições.

    Em geral, a maioria das bebidas com elas produzidas são tintas, no entanto, é possível encontrar versões do branco. Tais bebidas são do tipo seco e com aroma e amargor bem característico.

    Ademais, o corpo é estruturado e seus taninos bem discretos e, por isso, é perfeito para acompanhar pratos mais intensos como bacalhau, queijo forte e carne de boi.

    4 – Cabernet Franc

    Como o nome já é bem sugestivo, nota-se que essa uva é oriunda da França. A sua junção com o tipo SauvignonBlanc originou a Cabernet Franc.

    Esse tipo de uva, quando submetida a temperatura bem como às chuvas de maneira correta, ela tende a florescer e amadurecer mais cedo.

    Ela é verdadeiramente muito sensível às variações da temperatura e, por isso, quando exposta ao frio extremo, a bebida fica podre.

    Entretanto, quando exposta a muito calor, o seu amadurecimento é precoce e pode acarretar em uma bebida com excesso de notas de ervas e vegetais em seu aroma.

    Por isso então, é imprescindível o cultivo adequado e correto para manter os cachos menores e sob a cor intensa e profunda da violeta.

    Seus bagos são mais delicados, suculentos e redondos. Resulta-se, portanto, em bebidas suaves mesmo com o residual de açúcar.

    Os vinhos fabricados exclusivamente com essa uva, são varietais bons, com o corpo médio ou leve, além da coloração ser mais suave.

    São vinhos de tom vegetal no fundo, com aroma de groselha e ainda da framboesa.

    Os produtores, utilizam a Franc para fabricar vinho de corte com sabor de fruta e de especiarias. Isso é que garante maciez e frescor para a bebida.

    É excelente para harmonizar com carnes grelhadas e também com vegetais.

    5 – Chardonnay

    A Chardonnay foi a mais mencionada nas literaturas e também no cinema. Ela é famosa por conceber vinhos brancos mais notáveis e apreciados em todo o mundo. É tão falada que o seu nome e confundido inclusive o com da bebida em questão.

    A sua origem é na França, porém, vários países como a Austrália, os Estados Unidos, a Nova Zelândia, Chile, África do Sul, Argentina e até mesmo no Brasil, ela é cultivada.

    Desse modo, é muito importante checar sempre a procedência da uva antes de experimentar qualquer rótulo.

    Isso porque, as variações de temperatura, chuva e solo são determinantes para garantir sabor e textura qualificada para a bebida.

    Portanto, as características do vinho são diretamente ligadas ao país de sua origem e também da vinícola produtora.

    Bom, as cultivadas no calor são encorpadas e com menos acidez. Nas áreas cujo clima é mais ameno, a bebida fica com um sabor cítrico.

    Já as sob cultivo no frio são mais doces e apresentam notas do pêssego e do melão, o corpo é médio, sua acidez é alta, e ao paladar é mais duro sob nota da ameixa e da maça verde.

    Quando passam pela barrica da madeira, todas as características sofrem alterações como, por exemplo, ficam com a concentração de álcool maior e acentua o açúcar, fazendo-se pensar até que não são vinhos secos.

    Diante disso, percebe-se que a Chardonnay é muito versátil e tem a capacidade de produzir variados tipos do vinho.

    Inclusive com uva de corte para fabricação de espumante, uma bebida bem equilibrada e ao mesmo tempo muito complexa.

    6 – Malbec

    Sua história é muito semelhante à da Tannat. Ambas são de origem na França e são cultivadas na área da Argentina com muita excelência. Essa região, na verdade é a responsável pela maior parte dos vinhos feitos dessa uva no mundo.

    Esse tipo de vinho se tornou a assinatura dos argentinos e um dos mais apreciados. A variação repentina do clima em apenas um dia, ou seja, muito quente e muito frio em um único dia, é perfeita para conceber às uvas amadurecimento e crescimento no tempo adequado.

    O resultado, é um vinho cheio de texturas aveludadas, com sabor muito intenso e com aromas do figo, da ameixa e ainda da cereja. Além deles, é possível notar a presença do tabaco, da baunilha, do café e do cacau.

    Se a bebida for envelhecida no carvalho, seu corpo é ainda mais firme e prazeroso ao paladar. Nessas versões, há existência de aroma do couro e de torrada. Sua cor é muito intensa, mas há opções em rosé e espumantes feito da Malbec.

    Esse vinho é apto para acompanhar desde receitas mais leves até as mais complexas e marcantes.

    7 – Moscato

    A Moscato pode ser encontrada na cor verde ou tinta. É uma das mais antigas uvas cultivadas ao redor do mundo.

    Elas são conhecidas pela produção de vinho rosé, branco e tintos sob altíssima qualidade. De modo geral, ela consegue dar origem a vinhos doces e com teor baixo alcoólico.

    A bebida feita com ela, contém aroma frutado da tangerina, do pêssego e da flor da laranja. Devido ao alto frescor, fabrica-se com ela espumantes moscatéis de extrema qualidade.

    O aroma dessa bebida é tão singular, que qualquer especialista o reconhece facilmente. Esse aspecto é aproveitado para vinho de sobremesa devido ao açúcar residual bem pronunciado.

    O vinho da uva moscato então, é a combinação ideal das saladas de frutas, bolos, creme de mamão, mousse ou ainda o petit gateau.

    8 – Sauvignon Blanc

    Esta uva branca é a mais famosa em todo o mundo! Como já mencionado anteriormente, ela em junção com a Franc origina a rainha Cabernet Sauvignon. É de fato muito nobre e uma das mais arcaicas bordalesas desse universo.

    O cultivo é feito na sua terra de origem, entretanto, ela é destaque também na região da Nova Zelândia.

    Por esse motivo, a uva de cada região apresenta aspectos distintos e bem característicos da cultura de cada uma delas.

    Sob os solos franceses, utiliza-se a uva para corte e com os blends com a Semillón. Ambas passam, pelo método nobre podridão com o intuito de elevar o teor de açúcar em todos os bagos.

    Já em Loire, região dos alpes franceses, essa uva é popular como uma varietal. Suas bebidas são ricas e sua fama se espalha pelo mundo.

    São do tipo seco, muito refrescantes e ainda apresentam os traços mais frutados, com aroma vegetal e mineral.

    Na Nova Zelândia, o sabor frutado é ainda mais acentuado do que na França. O segredo é a forma de cultivo com as colheitas realizadas em estágios distintos da maturação.

    A resultância pode ser sentida ao longo da degustação da bebida, que é muito mais encorpada quando se comparada aos outros rótulos.

    Além disso, com mais complexidade e com os aromas das ervas, da lima, do aspargo e ainda da maça verde.

    De modo geral, são tipos de vinhos bem marcantes, aromáticos, com acidez adequada e muito frescos.

    Essa uva, permite a combinação perfeita com aspargos e queijos de cabra, os quais geralmente são muito difíceis de harmonizar com vinhos.

    9 – Semillón

    Mesmo não sendo tão famosa quanto a Sauvignon Blanc ou Chardonnay, a Semillón está entre as brancas mais plantadas em Bordeaux, na região da França.

    A cultivação é muito simples, com o seu brotamento demorado e com maturação acelerada.

    A colheita é acertada no momento em que as uvas estão sob a cor mais rosada e bem acobreada.

    Nessas circunstâncias, os vinhos ficam mais frutados com notas de maça, pêra, uva, nectarina, limão, melão e também do figo.

    Algumas vinícolas, optam por deixá-las em processo de aprodrecimento nobre para acentuar ainda mais os açúcares.

    Esse processo nobre é derivado do “Botrytis cinérea”, um espécime de fungo muito específica.

    Esse procedimento, garante uma bebida de sobremesa com aroma de mel, pêssego, marmelo, damasco e até abacaxi.

    São vinhos de baixa complexidade, brancos e de corte, com textura macia e muito saborosos.

    10 -Tannat

    As Tannat são uvas francesas, porém, as vinícolas do Uruguai as adotaram para produzir seus variados e excelentes vinhos.

    No Brasil, entretanto, elas são cultivadas eminentemente nas áreas da Serra Gaúcha e também na Campanha Gaúcha. De fato, elas não perdem em nenhum momento pela qualidade.

    Mesmo que a qualidade seja igualada, os aspectos da uva Tannat cultivada na França são muito diferentes das cultivadas nos solos sul-americanos.

    A diferença está na temperatura da chuva, seja mais baixa e mais intensa, de maneira respectiva, no Brasil e também no Uruguai.

    O resultado, é um tipo de bebida mais fresca, fina, com taninos extremamente marcantes e bem latina.

    Devido a essas particularidades, antigamente era desprezada para a elaboração de varietal. Surgiu a partir daí a ideia de tê-la como ingrediente principal nos vinhos de corte.

    Esta uva Tannat envelhece muito bem e quando preservadas nas barricas por tempo adequados, tendem a conceber vinhos excepcionais e com altíssima qualidade.

    Com ela, é possível apreciar uma bebida imensamente saborosa, encorpada, redonda, e muito agradável ao paladar.

    Sua tonalidade é um vermelho bem escuro e seu aroma conta com notas do morango, da ameixa, da baunilha e de framboesa.

    É então um tipo que combina com pratos que são mais gordurosos como assados, churrasco e outros tipos de receitas condimentadas.

    11 – Gewurztraminer

    Aparentemente, é um nome muito complexo e complicado de se dizer. Para simplificar, deve-se pronunciar “gaverztramener”. É uma palavra alemã e significa “uva para tempero”.

    Essa uva em questão, consegue dar origem a vinhos muito fáceis de serem amados e principalmente de serem identificados pelos seus aspectos bem singulares e marcantes.

    O período de maturação dessa espécie é relativamente ágil. Para isso, o seu cultivo deve ser realizado nas áreas com temperatura mais amena.

    Esse equilíbrio é importante, pois quando submetidas ao calor o processo de amadurecimento é muito precoce.

    E quando esse fato ocorre, todas notas e nuances das flores e das especiarias se perdem, deixando a bebida um tanto sem graça, isto é, considerada sem qualidade satisfatória.

    Geralmente, os vinhos oriundos desta uva são rosés e brancos que contam com sabores muito particulares.

    O que diferencia essa bebida para as outras de costume, é o aroma da lichia, de canela, de gengibre, de abacaxi e de damasco.

    Os vinhos desta uva, se encontram na lista dos mais aromáticos diante das classificações vigentes.

    Embora sejam demasiadamente frutadas, podem ser mais secas ou doces, porém, sempre apresentaram muita doçura, independente da quantia do açúcar residual.

    Geralmente, seus vinhos, são muito encorpados e densos.

    Assim como qualquer rosé ou branco, a sua degustação é ideal para locais mais quentes ou com boas temperaturas.

    Isso visto que, são extremamente aromáticos e perfeitos para acompanhar receitas marcantes e condimentadas. Os pratos indianos são verdadeiramente a combinação perfeita.

    12 – Barbera

    De origem italiana, mas, muito popular em todo o território brasileiro, uma vez que foi transportada pelos colonos que migraram para cá.

    A uva Barbera, tem o poder de se transformar em diferentes bebidas. É capaz de produzir vinhos leves, intensos e até complexos, além de oferecer um potencial extremamente sadio ao envelhecimento.

    Essa uva até a década de 1980, era usada para elaborar os vinhos mais grosseiros. Desde então, iniciou um processo de otimização do cultivo, e assim, ela ganhou espaço nos rótulos mais reconhecidos e nobres do mercado vinícola.

    Ela se tornou especial, quando a plantação passou a ser efetuada nas áreas com o solo mais nobre e quente. Tais características se destacam na Itália, na Califórnia e também no Estados Unidos.

    Os tintos elaborados com ela são bem escuros, em tom rubi, com acidez mais elevada, e muito propício para ser envelhecido.

    Sob guarda, ao longo dos anos, esses vinhos ficam bem mais redondos, muito macios e o aroma das frutas vermelhas originais são satisfatoriamente mantidos.

    Essa versão, é uma das poucas que podem ser harmonizadas com salmão defumado, carne de cordeiro, com molhos de anchovas e brócolis.

    13 – Riesling Itálico

    Esta, é uma espécie de extrema importância para a fabricação e cultivo brasileiro. Ela é especialmente plantada na Serra Gaúcha e encarregada de produzir vinho branco e espumante nacional.

    Embora seu nome faça referência ao país da Itália, a sua origem não é precisa. Além do Brasil, a Croácia também é uma grande produtora dessa uva.

    Ela faz muito sucesso devido a sua boa acidez e a capacidade de ficar perfeita em temperatura mais baixa, ou seja, quando são resfriadas.

    Desse modo, os vinhos feitos com essa uva, acabam por ser uma bebida que harmoniza de maneira especial com os lugares sob temperatura ambiente predominantemente alta. E o Brasil, é um território que se encaixa nesse quesito.
    O seu frescor e seu corpo bem leve são muito característicos bem como o aroma pode variar entre cítricos e frutados.

    Por essa razão, essa uva é a preferência de muitas vinícolas para elaborar versões de corte e espumante.

    Outra maneira especial de desfrutar do potencial da uva Riesling Itálico, é utilizá-la em produções de vinho de sobremesa.

    O seu equilíbrio dentre a doçura e a acidez, o torna ideal para acompanhar doces feitos de frutas com laranja e limão.

    Conclusão

    Você já conhecia todos os atributos de cada tipo de uva? São várias opções que são utilizadas para formar vinhos distintos, com sabores e aromas bem particulares. Cada uma é capaz de oferecer experiências e prazeres incalculáveis.

    Se você ainda não é um apreciador de vinhos, sugiro que comece já, pois, verdadeiramente está perdendo experiências incríveis. Sentar em uma mesa com amigos, conversar, beliscar um petisco e deliciar uma taça de vinho é realmente algo maravilhoso!

    Nesse momento, você já é capaz de saber a diferença entre cada espécie de uva bem como suas principais propriedades.

    A partir desse artigo, certamente você está pronta para fazer a sua escolha entre versões tintas, branco, espumante ou rosé.

    E ainda de fazer a degustação compreendendo todas as classificações, registro pessoal de cada tipo e das percepções no paladar que cada opção é capaz de proporcionar.

    Quem entra para esse mundo de apreciadores de vinhos, percebe o quão valioso e prazeroso é cada um deles!

    Referências:

    https://www.foodrepublic.com/2018/05/20/15-types-of-grapes-to-know-eat-and-drink/

    https://winefolly.com/lifestyle/the-18-noble-grapes-wine-challenge/

    https://michiganwinecountry.com/wines-grapes/wine-grape-varieties/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • vinhos-doces-descrever-e-barato-saber-se-melhores-vinhos-brancos-portugal-descrever-doce-sugestão
    Curiosidades

    Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Vinho Branco Suave

    Depois de muito preconceito para com os vinhos brancos, eles estão finalmente ganhando força no mercado brasileiro.

    Existem brancos tão bons quanto os tintos, ainda mais para quem vive em um país tropical como é o nosso caso, sem falar que este tipo de bebida harmoniza muito bem com nossa culinária.

    Neste artigo vamos trazer a você valiosas informações sobre o vinho branco, em especial do tipo suave, que certamente o irá fazer rever seus conceitos.

    O que é um vinho branco suave?

    Primeiramente vamos falar sobre o vinho branco como um todo.

    Este tipo de bebida é produzido a partir de uvas brancas ou então com uvas tintas, no qual separa-se as cascas no momento da fermentação.

    De modo geral, pode-se dizer que os vinhos brancos são obtidos a partir da fermentação do líquido (suco de uva), sem suas cascas, para evitar alterações na cor e nas oxidações. Isto vale tanto para as uvas brancas quanto para as tintas.

    E vinhos suaves o que são?

    Os do tipo suaves são aqueles nos quais insere-se açúcar no momento da fabricação, são portanto mais adocicados. São ideais para serem consumidos a qualquer momento, isto é, em dias comuns.

    O vinho suave é geralmente consumido por aquelas pessoas que ainda não possuem o hábito de consumir vinhos. Muitos o chamam de vinho “porta de entrada”.

    Então, ele é aquele que não possui pigmentos em sua coloração, podendo ser mais amarelados ou mais límpidos e que possuem sabores mais adocicados.

    Combina com o que, quais situações e comidas ele pode acompanhar?

    Bom, falamos acima que os vinhos suaves também são para aquelas pessoas que não possuem familiaridade com os vinhos, mas será que ele só pode ser consumido como aperitivo?

    A resposta é não!

    Ele pode ser consumido em diversas ocasiões e harmonizando com diferentes tipos de pratos. Confira a seguir, um pouco mais sobre isso.

    Carnes de aves

    Os vinhos brancos e suaves harmonizam muito bem com carne de frango, isto porque os cortes desta proteína são também, leves e magros, fazendo com que a combinação fique perfeitamente equilibrada.

    Massas

    Como já é de conhecimento de todos, aqui vale a regrinha, para molhos brancos vinhos brancos e para molhos vermelhos, tintos. Sendo assim, ele harmoniza muito bem com massas de molhos brancos.

    Peixes

    Os peixes também harmonizam muito bem com vinhos brancos, sejam eles suaves ou secos. Neste caso, a decisão deverá ser tomada com base na familiaridade e a preferência dos degustadores.

    Sobremesas

    E para quem tem em mente que apenas vinhos do Porto são bons para serem servidos com sobremesas, saibam que estão bem enganados. Os vinhos brancos suaves também harmonizam muito bem com pratos doces. Faça um teste e surpreenda-se com o resultado.

    Outras comidas que combinam com vinho branco suave

    Além das comidas citadas acima, outras também harmonizam muito bem com este tipo de vinho, são elas: queijos frescos, carne de porco assada, frutos do mar, escabeches, pratos com ovos, pratos com verduras quentes e saladas.

    O que não servir com ele?

    Pratos muito condimentados tais como moqueca, bobó ou então quando se adiciona o curry, tão popular na comida indiana e japonesa, não devem ser acompanhados deste tipo de vinho, isto porque deixará a refeição confusa, isto é, haverá “briga” entre os sabores.

    O que fazer para não errar?

    Jamais utilize na culinária vinhos que você não consumiria, lembre-se que no final você acabará sentindo o sabor desta bebida, mesmo em reduções. Então se você não gosta daquele vinho fora do prato, certamente não gostará do prato com o acréscimo dela.

    Além disso, não economize na hora da compra. Busque sim, melhor preço, porém não se esqueça da qualidade. No mercado atualmente existem excelentes vinhos brasileiros bem como importados, sobretudo argentinos e chilenos, que possuem um excelente custo x benefício.

    Evite harmonizam o vinho branco suave com carnes e queijos ricos em lipídeos (gorduras) e pratos mais picantes.
    Estas foram algumas dicas para você não errar na hora da harmonização, mas lembre-se você é quem deverá determinar qual é a combinação que mais lhe agrada.

    Ele é usado na cozinha para preparar pratos?

    Sim, o vinho branco suave também é usado para o preparo de pratos. Desde a antiguidade as bebidas têm sido utilizado na preparação de pratos, e a forma talvez mais comum é a marinada, que também pode ser realizada com este tipo, em especial em carnes brancas como, já citado anteriormente.

    E por que utilizar o vinho para cozinhar?

    Esta bebida é capaz de deixar a comida com um sabor mais intenso além de realçar o sabor dos demais ingredientes.
    Além disso, ao se adicionar o vinho a sua receita você agregará valor e sofisticação a mesma.

    Tipos de pratos preparados com vinho branco suave

    A seguir listaremos algumas receitas que utilizam este tipo de bebida em sua combinação, são elas:

    • Pernil de cordeiro assado;
    • Lombo com batatas;
    • Picanha com vinho e shoyu;
    • Macarrão com camarão;
    • Risoto;
    • Frango e cogumelos;
    • Strogonoff de frango;
    • Peixe assado;
    • Dentre outros.

    Bebidas e Drinks

    Além da utilização do vinho na preparação de pratos, ele é também bastante utilizado na preparação de drinques.

    Confira a seguir algumas bebidas que o utilizam em sua composição:

    • Coquetel: bebida a base de gelo, licor de pêssego, pera, gin e muito vinho.
    • Drink de laranja: este drink é feito com hortelã, um pouco de açúcar, suco de laranja e vinho branco. Ideal para ser servido bem gelado.
    • Batida de abacaxi: bebida feita batendo abacaxi gelado, com um pouco de água e vinho no liquidificador. Em alguns casos, adiciona-se ainda um pouco de leite condensado.

    Conclusão

    Se você é daquelas pessoas que ainda resistem em dizer que apenas o vinho tinto é bom, convidamos você a colocar em prática algumas das dicas deste texto e se surpreender com o resultado.

    Para aquelas pessoas que ainda não tem o costume de consumir vinhos com frequência, deixamos como dica, tomar uma taça de um vinho branco suave bem geladinho após um dia longo de trabalho, ou durante uma festa com pessoas especiais. Ouse, conhecer o novo!

    E para aquelas pessoas que já conhecem a bebida, o que achou das dicas que demos?

    Referências:

    https://www.thrillist.com/drink/nation/white-wine-types-explained

    https://www.marketviewliquor.com/blog/2018/09/the-different-types-of-white-wine/

    https://www.tasteofhome.com/collection/types-of-wine/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • saca-rolhas-eletrico-xiaomi-abridor-de-vinho-recarregavel-oster-tramontina-brinox
    Curiosidades

    Top 10 Melhores Saca-Rolhas Bons e Baratos para Comprar

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoSaca-rolhasPreçoOnde comprar
    1Sommelier InoxR$40,50Ver
    2Ploc VinhoR$45,90Ver
    3Maltez InoxR$40,72Ver
    4Brinox manualR$14,90Ver
    5Inox Cromado estilo BorboletaR$14,70Ver
    6Abridor Inox Rock’n Cook VermelhoR$29,99Ver
    7Wine InoxR$100,00Ver
    8Profissional Lyon

    R$129,90Ver
    9Kit 5 peças e Abridor Elétrico OsterR$188,90Ver
    10Abridor de Vinho Elétrico B&DR$419,90Ver

    Para se degustar um bom vinho é imprescindível ter um saca-rolhas a altura, isto porque uma pequena parte da cortiça que caia sobre a bebida é capaz de alterar todo o seu sabor, e você não quer que isto aconteça não é mesmo?

    Atualmente existem no mercado diversas marcas fabricando saca-rolhas, dentre elas: Oster, Brinox e Tramontina. Alguns saca-rolhas exigem algumas técnicas para serem utilizados, enquanto outros, tais como os elétricos, requerem zero técnica.

    O que devo saber para escolher o melhor saca-rolhas?

    Quando for escolher o tipo de saca-rolhas ideal para você o que dever ser levado em consideração principalmente é a sua funcionalidade.

    Existem atualmente seis principais tipos de saca-rolhas que são: manual, borboleta, coelho, sommelier, elétrico e de ar comprimido.

    Cada um deles tem a sua vantagem e desvantagem. Para saber qual é o melhor para você, pense principalmente na frequência de uso, pois os mais modernos são também os mais caros, mas se você não tem o costume de consumir vinho regularmente não tem o porquê possuir um saca-rolhas top de linha a menos que queira.

    Alguns saca-rolhas oferecem também outras funcionalidades, tais como cortador de lacres e abridor de garrafas. Em alguns casos, pode ser uma boa pedida ter um destes em casa.

    Descubra na lista os 10 melhores saca-rolhas, onde comprar e seus preços

    Pensando nos mais diversos tipos de saca-rolhas disponíveis atualmente no mercado, trouxemos hoje uma lista com os 10 melhores, para que você possa escolher o que melhor se adapta a sua realidade. Vamos a ela!

    1 – Sommelier Inox

    Marca: Tramontina.

    Preço médio: R$40,50.

    Este é o modelo chamado sommelier e tem sido o queridinho dos profissionais do ramo, por ser leve, prático e bem fácil de ser transportado.

    Para abrir a garrafa, ele não exige tanta força, pois o seu suporte serve de alavanca no momento da abertura, porém existe certa habilidade por parte da pessoa para saber utilizá-lo de forma correta.

    Por ser feito de aço inox, é muito resistente e tem uma longa duração.

    2 – Ploc Vinho

    Marca: Maxchef

    Preço médio: R$45,90.

    O Ploc Vinho é o tipo certo para aquelas pessoas que buscam abrir seus vinhos de forma fácil e rápida. Ele funciona através de ar comprimido, então é só você colocar o saca-rolhas sobre a rolha do vinho, baixar o pino, bombear o êmbolo algumas vezes e pronto!

    A desvantagem dele é o seu tamanho, pois ele é maior do que os demais produtos. Além disso, por recomendações do fabricante, ele não deve ser utilizado em espumantes.

    3 – Maltez Inox

    Marca: Brinox.

    Preço médio: R$40,72.

    Este é também é do tipo borboleta. Ele é considerado o mais resistente dentre eles. Feito em aço inox, ainda possui um abridor de garrafas acoplado a ele.

    É ideal para aqueles que não são muito experientes na arte de abrir vinhos e que não possuem muita força. Sua desvantagem é que ele precisa de um espaço maior de armazenamento quando comparado com os demais tipos.

    4 – Brinox manual

    Marca: Brinox.

    Preço médio: R$14,90.

    Este é o modelo mais simples disponível no mercado atualmente. Ele é todo feito em aço inox, bonito, estiloso, tamanho adequado e bom preço. O ruim deste saca-rolhas é que exige força para abrir a garrafa.

    5 – Inox Cromado estilo Borboleta

    Marca: Gourmet Mix.

    Preço médio: R$14,70.

    Este é saca-rolhas do tipo borboleta que possui um lindo e elegante design. É um produto utilizado não só para abrir as garrafas de vinho como também objeto de decoração e opção para presentear alguém.

    Ele é feito de aço inox, portanto de fácil limpeza e longa durabilidade.

    6 – Abridor Inox Rock’n Cook Vermelho

    Marca: Tramontina.

    Preço Médio: R$29,99.

    O saca-rolhas abridor da Tramontina Rock’n Cook Vermelho é lindo, moderno e resistente, pois é feito de aço inox.

    Além disso ele possui mais 3 funções que são: cortador de lacre, abridor de garrafa e canivete. E tudo isso a um preço bem acessível!

    7 – Wine Inox

    Marca: Black e Decker.

    Preço Médio: R$100,00.

    De todos mostrados até aqui este é o que possui o maior e melhor custo x benefício. Ele é ideal para os iniciantes do vinho, pois é só apertar um botão e a rolha é removida. Para facilitar ainda mais o trabalho, o abridor conta ainda com um cortador de lacre.

    Possui design moderno e é feito de aço inox, o que lhe confere durabilidade e fácil limpeza. Por este motivo tem sido também o preferido na hora de presentear aos mais queridos.

    8 – Profissional Lyon

    Marca: Brinox.

    Preço médio: R$129,90.

    Este modelo é recomendado para profissionais, que precisam abrir muitas garrafas em um mesmo dia, como em uma festa, por exemplo.

    Além da função de saca-rolhas ele possui também a de cortador de lacre.

    Ele tem sido muito utilizado também para presentear parentes e amigos que são apreciadores de um bom vinho.

    9 – Kit 5 peças e Abridor Elétrico Oster

    Marca: Oster.

    Preço Médio: R$188,90.

    Este é um kit muito apreciado pelos amantes de vinho, pois de uma vez só você adquire tudo o que precisa para degustar um bom e delicioso vinho.

    Ao adquirir este kit você receberá: um saca-rolhas elétrico, anel anti-gotas, cortador de lacre, bomba de fechamento a vácuo e bico para servir. Você receberá tudo isto em um elegante estojo de couro.

    O abridor elétrico é feito de aço inox, o que lhe confere resistência e durabilidade. Assim como outros abridores já mencionados anteriormente, este é também uma excelente opção para se presentear os amigos apreciadores de vinhos.

    10 – Abridor de Vinho Elétrico B&D

    Marca: Black e Decker.

    Preço Médio: R$419,90.

    Este abridor de vinho elétrico desenvolvido pela Black e Decker é perfeito para quem busca facilidade e agilidade na hora de degustar seu delicioso vinho. Isto por que para usar este saca-rolha não é preciso ter habilidade, muito menos força.

    Possui um lindo design e muitas vezes é até mesmo utilizado como objeto de decoração além de ser uma boa pedida para presentear parentes e amigos que são apreciadores de vinho.

    O seu carregador de bateria é bivolt e a cada carga você consegue abrir 30 garrafas de vinho.

    Referências:

    https://www.liquor.com/best-corkscrews-5070781

    https://www.thespruceeats.com/best-corkscrews-4590262

    https://www.goodhousekeeping.com/cooking-tools/g34145848/best-wine-openers/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • vinho-ruby-tawny-e-doce-preço-chilenos-tintos-ferreira-teor-alcoolico-marcas
    vinhos

    Os 10 melhores Vinhos do Porto Bons e Baratos para Comprar

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoVinho do PortoPreçoOnde comprar
    1Croft RubyR$94,90Ver
    2Ferreira TawnyR$74,90Ver
    3Reserva Adriano Ramos PintoR$141,99Ver
    4Taylor´s LBV 2011 (Tinto)R$304,50Ver
    5Vintage 2007 (Tinto)R$497,44Ver
    6Lágrima (Branco)R$199,90Ver
    7Croft Pink RoseR$110,00Ver
    8Messias RubyR$69,90Ver
    9Rozés Extra Seco (Branco)R$144,90

    Ver
    10Ferreira RubyR$83,61Ver

    O vinho é uma bebida que dia a dia vem ganhando mais espaço em nosso país. E para aqueles que optam por degustar esta deliciosa bebida acabam não só se beneficiando com os seus sabores e aromas como também com os benefícios que ela traz ao organismo.

    Um dos vinhos mais famosos no Brasil e no mundo é o Vinho do Porto. Mas que tipo de vinho é esse? Você conhece? Já o consumiu? Neste artigo, traremos algumas curiosidades sobre esta bebida e ainda, quais são os 10 melhores para comprar e beber. Confira!

    Como assim vinho do Porto, o que isso significa?

    São chamados de vinhos do Porto, as bebidas que são produzidas no norte de Portugal, numa região chamada Douro. Após a produção, a bebida é transportada para região do Porto, onde será envelhecida e engarrafada.

    São mundialmente conhecidos por possuírem um maior teor alcoólico quando comparado com os demais vinhos, por este motivo são conhecidos por “vinhos fortificados”. O seu teor alcoólico pode chegar a 22%, devido à adição de aguardente vinícola.

    Ele é mais licoroso e doce, devido ao açúcar residual que fica no vinho após a interrupção da fermentação. Existem também, os do tipo seco, porém estes são mais difíceis de ser encontrados.

    Atualmente é possível encontrar uma infinidade de vinhos do porto diferentes, cada qual com seu aroma e sabor, e por este motivo possuem classificações distintas. O valor do produto, inclusive, é calculado com base nesta classificação.

    Surpreenda-se com o Top 10 Vinhos do Porto

    E para você que já é amante de Vinhos do Porto ou pretende degustá-los, confira o nosso top 10.

    1 – Croft Ruby

    Este é um vinho de sobremesa com excelente custo x benefício. É produzido pela empresa Croft Port, uma das mais tradicionais no que se refere a Vinhos do Porto.

    A bebida fica armazenada em barricas de carvalhos por cerca de 3 anos e ao final deste período adquire a cor ruby, aroma e sabor de frutas em compotas. Possui teor alcoólico de 20%, é, portanto, considerado um vinho fortificado.

    Ele é bem macio na boca e harmoniza muito bem com chocolates e sobremesas.

    O preço médio de uma garrafa gira em torno de R$94,90.

    2 – Ferreira Tawny

    Feito com a mesmas uvas do que o Ruby. Esta bebida adquire uma cor acastanhada devido ao tempo que fica em contato com a madeira (barricas).

    É menos doce, e seu sabor e aroma remetem a amêndoas, figo seco, mel e especiarias.

    Acaba por ser bem macio a boca e seus taninos são bem maduros. Certamente é uma boa pedida.

    Possui um bom custo x benefício, o preço médio de uma garrafa é de R$74,90.

    3 – Reserva Adriano Ramos Pinto

    Os vinhos de reserva são produzidos com uvas devidamente selecionadas. Eles podem ser conversados por 30 anos, caso queiram.

    Esta bebida passa por um envelhecimento em barris de carvalho por um período que varia de 6 a 7 anos. Após este período adquirem sabor de frutos e uvas frescas. Seu aroma é bem característico, com notas de carvalho doce.

    Ele pode ser servido juntamente com entradas, sobremesas ou simplesmente como aperitivo.

    O valor médio de cada garrafa deste vinho gira em torno de R$141,99.

    4 – Taylor´s LBV 2011 (Tinto)

    O LBV (late bottled vintage) passa por um longo período de envelhecimento em barris de madeira, e somente após este período são engarrafados. Devido a este processo mais demorado, seu valor de comercialização também é mais elevado.

    Este vinho do Porto possui acidez equilibrada, sabor de amoras, ameixas, cassis e aroma de cereja preta.

    O preço médio de uma garrafa deste vinho é de R$304,50.

    5 – Vintage 2007 (Tinto)

    O Vintage 2007, é uma daquelas bebidas que deve ser degustada em ocasiões muito especiais, pois é capaz de agradar a todos os paladares, inclusive os mais exigentes.

    Ele é fortificado, com acidez e doçura na medida certa. Extremamente saboroso e intenso e, por este motivo, recomenda-se degustá-lo puro, apreciando cada gole.

    Este é um vinho que possui um valor um pouco salgado, o valor médio de cada garrafa é de R$497,44, porém ele vale cada centavo do investimento.

    6 – Lágrima (Branco)

    Este é o ideal para quem gosta de bebidas licorosas e doces. Ele tem toques de frutas secas, cítricas e mel. Ao degustá-lo será capaz de sentir ainda no final um gostinho de caramelo.

    Apesar de sua doçura, este vinho é bem equilibrado e delicado. Ele harmoniza muito bem com sobremesas e pratos salgados, desde que o alimento seja frito, tal como o pastel.

    O preço de compra deste vinho está em torno de R$199,90.

    7 – Croft Pink Rose

    Este é o primeiro rosé lançado no mercado. Sua cor é bem intensa, ao degustá-lo é possível perceber notas de cereja, morango e limão.

    Possui baixa acidez e alta doçura. Harmoniza muito bem com sobremesas, proteínas vermelhas e diferentes tipos de queijos, é um verdadeiro coringa na mesa!

    Uma garrafa deste vinho pode ser adquirida por R$110,00.

    8 – Messias Ruby

    Esta é uma bebida bem encorpada, assim como todo vinho Ruby. É bem adocicado, com notas de chocolate.

    Harmoniza muito bem com sobremesas a base de chocolate ou então como finalizador de refeições.

    O preço médio de comercialização deste vinho é R$69,90.

    9 – Rozés Extra Seco (Branco)

    O Rozés Extra Seco possui notas cítricas e um frescor diferenciado, resultado de seu envelhecimento em tanques de inox.

    É ideal para ser servido tanto em dia quanto em noites quentes.

    Pode ser adquirido por valores a partir de R$144,90.

    10 – Ferreira Ruby

    O Ferreira Ruby, possui acidez e doçura em perfeito equilíbrio. Além disso, possui notas de frutos maduros, nozes e mel.

    É envelhecido em barris de madeira, o que faz com que adquira características marcantes e únicas.

    Uma garrafa deste vinho custa em média R$83,61.

    Como escolher um ótimo vinho do Porto, o que olhar?

    Como mencionado anteriormente, existem diversos tipos destes vinhos, cada qual com sua particularidade que o torna único. Sendo assim, trouxemos algumas dicas que o ajudarão a escolher o tipo ideal para você. Veja quais são elas!

    • Algumas bebidas são produzidas a partir de um blend de uvas, com o intuito de controlar, a acidez, aroma e a consistência do vinho. Este não é o tipo ideal para os iniciantes a degustação de vinhos.
      Para estas pessoas recomenda-se a degustação de vinhos varietais, isto é, aqueles que são produzidos com uvas da mesma safra e variedade.
    • Tawny, LBV, Vintage, Ruby, Branco ou Rose: A maioria dos vinhos do porto são Tawny ou Ruby, porém existem ainda os Rosé e Branco que são tão bons quanto. Não deixem de provar, por simples receio ou preconceito de que só os vinhos tintos são bons.

    Existe um jeito certo de beber um bom vinho do Porto?

    Os vinhos do Porto se diferenciam dos demais, pois deve ser degustado em porções menores. Ele pode ser consumido tanto sozinho, como é o caso do tipo vintage, como aperitivo ou até mesmo como parte da receita de um prato principal, porém, sempre em pequenas doses.

    O tipo Tawny, é ideal para acompanhar sobremesas e cafés. Já o LBV, harmoniza perfeitamente com chocolates.
    Estas são apenas sugestões, lembre-se que você é o dono do seu paladar e pode então combiná-lo com o que preferir!

    Referências:

    https://www.cellartours.com/blog/portugal/10-top-port-wines

    https://www.vinovest.co/blog/port-wine

    https://bespokeunit.com/wine/port/best/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • para-que-serve-mercado-livre-aerador-com-alça-camicado-bohemia-com-tampa-cristal
    Curiosidades

    Decanter de Vinho: Para que Serve e Como Funciona

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoDecanterPreçoOnde comprar
    1Bohemia BarR$88,00Ver
    2Vacu vin Cortiça TransparenteR$319,90Ver
    3Clássico Schott ZwieselR$199,90Ver
    4Cristal Riedel linha AppleR$299,00Ver
    5Cristal Spiegelau ToscanaR$479,00Ver
    6Bormioli Rocco TransparenteR$105,78Ver
    7Horn Wine em forma de U ChifreR$196,27Ver
    8Cristal PatoR$251,00Ver
    9Cristal Tipo GarrafaR$148,70Ver
    10Com Alça Mimo StyleR$110,00Ver

    Você é um amante de vinho?

    Se ainda não experimentou, aconselho acelerar, pois não sabe o que está de fato perdendo. Trata-se de uma bebida deliciosa e muito prazerosa.

    O vinho possui diferentes aromas e sabores ocultos e, para que seja possível aprecia-los o decanter é o acessório que favorece isso.

    O Que é e para que serve o decanter?


    Muitos ao olhar um decanter, visualizam apenas um simples jarro bonito para acondicionar o vinho. As pessoas muitas vezes nem sabem a real utilidade desse acessório e quão especial ele é.
    Dentre os seu atributos e funcionalidades estão:

    Confira a nossa lista do Top 10 Decanters de vinhos


    O decanter é de fato muito elegante e atualmente a procura por um modelo aumentou em todo o Brasil.

    Além da sua beleza, ele tem a capacidade de tornar a degustação do vinho ainda mais especial.

    Confira abaixo a lista dos 10 tipos melhores presentes no mercado e faça a sua escolha:

    1 – Bohemia Bar


    O bohemia é um tipo cujo seu preço é muito acessível.

    Ele possui o formato mais clássico, com a base mais alongada, e excelente toda ocasião.

    Ele é produzido em cristal e adição do titânio o torna mais resistente, atraente e de muita qualidade.

    O preço médio é de R$88,00.

    2 – Vacu vin Cortiça Transparente


    Esse modelo possui a sua base giratória. Se você busca um tipo diferente, esse é o que precisa, então.

    A sua giratória base é de cortiça e isso maximiza a oxigenação da sua bebida. Isto é, quebra todas moléculas e assim potencializa e libera os aromas e sabores mais ocultos.

    A cortiça é ainda um item decorativo com muita beleza e sofisticação, o que torna esse exemplar ainda mais de valor e requinte.

    Ademais, ele dispõe de uma base mais plana, isto é, mais facilidade no momento de se servir.

    O valor é cerca de R$319,90.

    3 – Clássico Schott Zwiesel


    Um tipo clássico de cristal e ótima qualidade. O Classic é capaz de levar mais oxigênio para o vinho.

    Assim, decantação máxima, no entanto, acentua as notas e os aromas para uma melhor degustação.

    Além disso, a sua fabricação foi feita com o propósito de evitar que gotas caiam na parte externa quando se servir. E por consequência, evita desperdícios e sujeiras.

    Esse modelo foi agraciado com o prêmio Design RedDot. Ele de fato é de renome e portanto, de muita qualidade.

    O preço médio é de R$199,90.

    4 – Cristal Riedel linha Apple


    Com sua função de separar todos sedimentos e ainda permitir a oxigenação do seu vinho, o torna impecável para qualquer situação e ambiente.

    É excelente para atenuar os vinhos que são mais jovens bem como também para os mais envelhecidos.

    Ele foi feito sob a forma de uma maça, com tamanho mediano, excelente para servir um bom vinho em jantares informais ou também em eventos mais sofisticados.

    Ele ainda cabe nas lava-louças com tamanho habitual e a sua higienização é bem fácil de ser efetuada.

    O custo é cerca de R$299,00.

    5 – Cristal Spiegelau Toscana


    A Spiegelau atua no ramo de decanter desde o ano de 1521. Ele é uma empresa de muita tradição e reconhecimento.

    Produziu esse modelo de cristal com a sua base mais larga. É de muita sofisticação, qualidade e ótimo pode de arear e decantar o vinho.

    O preço médio é de R$479,00 e sua capacidade é de 1,5 litros.

    6 – Bormioli Rocco Transparente

    O Bormioli é muito elegante com tampa e que proporciona muita classe para a mesa.

    Ele acentua satisfatoriamente os vinhos com maior tempo de guarda, porém, é possível utilizá-lo também para outras bebidas como, por exemplo, licor e whisky.

    O seu frasco remete a uma gota de lágrima, e a sua tampa tem a função de cessar a oxigenação no momento em que se deseja.

    O valor é cerca de R$105,78 e comporta 1,2 litros de bebida.

    7 – Horn Wine em forma de U Chifre


    O seu design é arrojado, charmoso e muito encantador. Ele traduz muita sofisticação na degustação do vinho e ainda deixa o seu ambiente decorado.

    Ele é capaz de potencializar a bebida até o seu máximo e permitir a apreciação dos mais diversos sabores e notas aromáticas que existem no vinho.

    Esse é certamente muito atraente e perfeito para presentear os amantes de um ótimo vinho.

    O preço médio é de R$196,27.

    8 – Cristal Pato


    O estilo pato é inclinado e possui uma alça que facilita na hora de se servir. A alça além de facilitar a maneira de servir, evita o contato direto com o frasco bem como que o mesmo escorregue das mãos e venha a cair.

    Ele é de cristal, elegante e de muita qualidade.

    Você pode encontrá-lo por R$251,00 aproximadamente.

    9 – Cristal Tipo Garrafa


    Esse modelo é indicado para os vinhos Reserva. Eles ficam muito tempo guardados e quando entra em contato com o ar, ocorre uma oxidação do mesmo.

    Desse modo, esse exemplar é capaz de manter todos os sedimentos, aromas e sabores aromas originais.

    O preço médio é de R$148,70.

    10 – Com Alça Mimo Style


    Além de possuir um design muito bonito, ele conta com uma alça que auxilia e facilita servir.
    É clássico, elegante e moderno. Além de realçar o se vinho ele deixará destacada e sofisticada a sua mesa.

    Ele é capaz de liberar todos os tipos de fragrâncias presentes no vinho com muito requinte. A alça evita possíveis acidentes e a sua capacidade é de 1,5 litros. Ideal para servir muitas pessoas!

    Seu preço é de aproximadamente R$110,00.

    O Que é e para que serve o decanter?


    Muitos ao olhar um decanter, visualizam apenas um simples jarro bonito para acondicionar o vinho.

    As pessoas muitas vezes nem sabem a real utilidade desse acessório e quão especial ele é.

    Serve para separação de sedimentos?


    Ele é capaz de separar todos os sedimentos dessa bebida, principalmente das que são mais antigas como, por exemplo, do tipo Gran Reserva e/ou Reserva.

    As bebidas com esses tipos, são guardadas durante anos e por isso surgem algumas borras no fundo de cada garrafa.

    Estes sedimentos possuem um sabor não muito agradável e, por isso, o decanter tem o poder de segurar tais sedimentos no fundo e evitar a sua ingestão.

    Além disso, ele ajuda o vinho a respirar, isto é, por meio da aeração, o oxigênio é guiado até o interior do vinho.

    Esse processo, ajuda acentuar ainda mais os sabores, os aromas, amolecer os seus taninos e por consequência despertar os mais ocultos deles.

    Esse acessório é de fato imprescindível para que você aprecie um bom vinho com seus aromas e seus sabores potencializados.

    O que preciso saber para escolher o melhor?

    Agora que já esclarecemos as funções de um decanter, temos a certeza de que você já quer adquirir o que mais combina com você, não é mesmo?

    Bom, existem diversos modelos no mercado, entretanto, conhecer as diferenças entre cada modelo é fundamental para uma escolha mais acertada.

    Para fazer uma boa escolha, é necessário atentar-se quanto a:

    • Capacidade de oxigenação seja ela mínima ou máxima;
    • Tipos de material;
    • Dimensões;
    • Peso.

    Modelo e/ou Dimensões de um Decanter


    Os modelos mais comuns que podem ser encontrados para compra são:

    • Bico de cisne;
    • Jarro;
    • Pato;
    • Padrão;
    • Cometa.


    Os jarros, no entanto, costumam ser menores do que os demais com aproximadamente 9 centímetros em sua base.

    Esse modelo atinge a uma mínima oxigenação. Esse é ideal para os vinhos que são mais envelhecidos e com pouco oxigênio, assim os sabores são mais preservados.

    O tipo padrão, possui a base mais ampla com aproximadamente 35 centímetros. Esse atinge a máxima oxigenação e, por isso, é ideal para os vinhos mais amargos, duros e adstringentes.

    Outros modelos contam com curvas e, essas são capazes de realizar uma dupla decantação, ou seja, a oxigenação é mais acelerada.

    Antes de escolher o decanter, verifique esses detalhes em sua dimensão e tamanho para fazer uma boa escolha.

    E lembre-se quanto maior o decanter, maior será a sua oxigenação.

    Decanter de Cristal ou de vidro


    Geralmente, o decanter é feito de vidro ou de cristal, confira as vantagens e desvantagens de cada um:

    O decanter de vidro é o mais comum de se encontrar, ele é composto por sílica, cal, óxido do sódio e também de óxido do alumínio. Ele geralmente é mais robusto, resistente e com menor custo.

    Já o decanter de cristal é verdadeiramente mais refinado e brilhante. Ele é composto por sílica e o óxido do chumbo somente. Há alguns que possuem o titânio na composição, o que o torna um pouco mais resistente.

    Ainda assim, embora o cristal seja mais bonito, brilhante e refinado, ele é mais frágil e demanda mais cuidado no manuseio para evitar que se quebre.

    A escolha vai depender do seu gosto é claro!

    Quanto a capacidade


    Antes de adquirir o seu decanter, atente-se à sua capacidade de acondicionar a bebida, pois a maneira mais adequada de utiliza-lo é despejando todo o conteúdo da garrafa nele para uma satisfatória oxigenação.

    Dificilmente será possível encontrar modelos que comporte menos do que 750ml.

    Em contrapartida, há opções maiores que chegam a capacidade de até 2 litros.

    Desse modo, verifique o que melhor atenda às suas necessidades.

    O Peso


    No momento da compra, é importante conferir o tamanho e o peso o acessório, isso porque, ele precisa de um local para ser guardado com cuidado.

    Diante de tantos modelos, é possível encontrar com o peso de 0,3 até 2 kg. Desse modo, verifique antes de escolher, se o seu espaço é disponível para guardá-lo bem como a sua necessidade e facilidade de deslocar e servir.

    Possíveis recursos extras

    Alguns exemplares, contam com recursos que podem facilitar o processo de servir bem como ter mais eficiência na decantação.

    Existem opções com tampa ou com rolha o que permite a interrupção da oxigenação quando desejado e/ou para conservar na geladeira a bebida.

    Outros contam com uma alça a qual reduz os riscos de derrubá-lo. Há também opções com a base giratória, e que ajuda a acelerar a aeração e a decantação do vinho.

    Esses são os principais detalhes que devem ser reparados no momento da sua compra. Se analisar cada um juntamente com que deseja e precisa, tenho certeza que a escolha será certeira.

    Como fazer para limpar e lavar após o uso?


    Como já citamos, há alguns modelos afirmam que podem ser higienizados em lava louças.

    Embora essa afirmação seja dos próprios fabricantes, essa prática não é a mais indicada.

    Seja de vidro ou de cristal, ambos são recipientes frágeis que são muito suscetíveis à quebras e também a permanência de gostos e odores desagradáveis.

    Desse modo, a forma mais indicada para higienizar o seu decanter é:

    • Despeje água morna no recipiente e deixe por alguns minutos de molho;

    • Posteriormente, em outro vasilhame junte água morna com vinagre de álcool branco. Com essa mistura, lave tanto a parte interna como a externa e depois enxague abundantemente com água morna.


    Se por ventura, o seu decanter apresentar manchas, indica-se o seguinte:

    • Dentro do decanter coloque um pouquinho de sal grosso ou de bicarbonato de sódio juntamente com um pouco de gelo triturado;

    • Deixe alguns minutos, limpe e enxague com agua morna abundante.


    Vale ressaltar que, a utilização de detergente e/ou produtos químicos são muito agressivos e, portanto, jamais use para higienizar o decanter.

    Eles são acessórios frágeis, especiais e que requer muito cuidado tanto para manusear quanto para limpar.

    Conclusão:


    Nesse artigo, você pode conhecer os melhores modelos de decanter disponíveis no mercado. Cada um deles dispõe de funções e características distintas e específicas.

    Além disso, o que é necessário considerar antes de adquirir um exemplar para a sua casa e ainda qual a melhor forma de higienizá-los.

    Trata-se de produtos notoriamente muito delicados e que demandam cuidados para que a experiência e a aproveitamento das suas funções seja o máximo que eles tenham a oferecer.

    Portanto, se você deseja aumentar o seu conjunto, presentear ou indicar para uma pessoa, essa lista tem os mais especiais.

    Siga todas as dicas, avalie a real necessidade e escolha o que mais combina com você e com a ocasião desejada.

    Certamente, qualquer que seja a sua escolha, não irá se decepcionar!

    Referências:

    https://winefolly.com/tips/choosing-the-best-wine-decanter/

    https://www.wineenthusiast.com/glassware/decanters

    https://www.masterclass.com/articles/what-is-decanting-wine

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • espumante-tinto-suave-lambrusco-vinhos-frisantes-bons-e-baratos-moscatel-qual-a-diferença
    Curiosidades

    Descubra As Diferenças entre os Vinhos Frisante, Espumante e Champagne

    No geral, as pessoas tendem a classificar os tipos de vinho de maneira genérica seja, sob o nome de Champangne ou espumante qualquer tipo de vinho que contem bolhas na composição.

    Sim, isso ocorre com muita frequência embora pareça estranho.

    Existem 3 variações sendo elas, frisante, espumante e champangne.

    Cada um, possui uma peculiaridade e é isso que mostraremos no decorrer desse artigo.

    Continue conosco e saiba quais são as reais diferenças entre eles.

    O que é um vinho frisante?


    O frisante é uma espécie de tipo de vinho que possui pouca quantia do gás carbônico. Ele é elaborado pelo processo natural de fermentação de uvas e a quantidade do gás que contém nele, geralmente é a metade da que contém nos espumantes.

    A fermentação ocorre uma única vez. Os mais conceituados são provenientes da Itália, os famosos vinhos lambruscos.

    Tanto o frisante quanto o espumante são tipos de vinhos devidamente fermentados e ainda mantidos com o seu próprio gás oriundo da fermentação.

    É imprescindível lembrar que há cidras populares em todo o Brasil, entretanto essas possuem o gás introduzido de maneia artificial.

    Desse modo, as cidras não podem ser consideradas nenhuma das três opções, ficando como bebida separada a parte.

    Espumante, como um vinho, pode ser classificado assim?


    Este também é um tipo do vinho que contém o gás carbono produzido naturalmente no processo da fermentação.

    Porém, diferentemente do frisante, ele é originário do segundo processo da fermentação natural, ou seja, passou pela primeira fase a qual é constituída o frisante e depois por mais uma vez.

    Esse processo favorece um nível de gás bem maior. Ele é elaborado sempre com uvas específicas para a produção de vinho.

    Na grande maiorias dos países que possuem vinícolas, é feita a produção dos espumantes, porém, a elaboração maior é na França.

    A França investiu na produção do espumante e com isso formulou vários métodos no processo da fabricação e assim, surgiram as mais variados categorias deste tipo de bebida. Isso, permitiu a origem de vários tipos nos outros países. São eles:

    Prosecco:


    Esse é oriundo a vinícola de Vêneto situada na região da Itália. É um lugar onde nas regiões vizinhas produzem variados tipos de vinho espumante e branco. O prosecco, ao longo de muito tempo foi utilizado para nomear a uva utilizada para produzi-lo. Mas o seu nome original é Glera.

    Asti:


    É um tipo bem mais doce e o seu teor de álcool é baixo. A uva utilizada para sua criação é a Moscato com fermentação única em tanques que possui a contenção de gás carbônico liberado. Sua fermentação, no entanto, é paralisada por meio de resfriamento no instante que a bebida atinge o nível de teor de álcool de 3,5% e doçura de 7 até 9gl.

    Sekt:


    Este tem origem na Alemanha. Ele possui um nível de doçura bem típico da uva. O tipo Sekt seco é denominado “trocken”.

    Cavas:


    Tem uma produção que é realizada na região da Espanha, mais precisamente na Catalunha e na Penedés. Sob um clima mais mediterrâneo e muito suave, oferece mais sabor e adocicado para as videiras que ali são cultivadas. É de fato, um sabor único e peculiar.

    Champagne é um vinho?


    Este é o nome verdadeiro e original de espumantes um tanto quanto especiais, oriundos de uma região, diferentes dos demais e são os únicos que podem levar o nome de champagne.

    O verdadeiro e autêntico champagne, é originário exclusivamente da região de Champagne, que está situada cerca de 150 quilômetros de distancia da cidade de Paris ( norte da França ).

    Percebe-se, portanto, que a bebida recebe o nome da sua cidade de origem.

    Essa versão é um tipo fino, sofisticado que demanda uma produção mais complexa e elaborada no universo dos vinhos.

    Dentre as etapas da sua elaboração, estão:

    • A fermentação é feita de maneira natural;
    • As uvas utilizadas são a Pinot Noir, a Chardonnay e também a Pinot Meunier;
    • O cuidado com a preparação das uvas é minucioso e específico para serem levadas ao consumo.

    É importante frisar que, o Champagne é a versão de vinho que tem autorização de carregar esse nome somente se o mesmo for elaborado na região da França.

    Portanto, nenhuma outra versão desta bebida podem levar esse nome!

    Quais são as principais diferenças entre eles?

    Então, as reais diferenças são as seguintes:

    Frisante:

    • É o vinho no qual a concentração do gás é menor em relação aos outros;
    • Ele é obtido da pré-produção de espumante, ou seja, oriundo da primeira fase de fermentação de uva;
    • Não pode ser chamado de espumante e nem de champangne;
    • É uma opção mais leve, muito discreta e ainda muito refrescante;
    • O mais famoso é o do tipo Lambrusco da Itália, porém, é possível encontrar diversos tipos de frisantes oriundos da Alemanha, França, Portugal e até mesmo do Brasil.

    Espumante:

    • É a bebida originária da segunda remessa de fermentação da uva. O processo é natural, seja para o tinto, o rosé ou até mesmo branco;
    • Ele possui o dobro do nível de gás que contém no frisante;
    • O prosecco é o tipo fabricado na Itália e que faz sucesso em todos os países. Ele é tão famoso que as pessoas tendem a associá-lo a qualquer versão espumante,

    Champangne:

    • Dentro desse mundo dos vinhos borbulhantes, há o que é considerado o de fato original. O Champagne vai muito além de um simples espumante, ele possui uma qualidade incomparável, com a fabricação muito mais complexa e originado apenas da região da França de mesmo nome;
    • As uvas utilizadas são as melhores que existem no mercado e são submetidas à procedimentos específicos para levar mais sabor, aroma e mais qualidade para a bebida;
    • A concentração alcoólica é mais alta;
    • É uma bebida mais intensa, sofisticada e refrescante;
    • Só é considerado Champagne as bebidas de origem francesa e que sigam rigorosamente o processo de elaboração do mesmo.

    Conclusão:


    Esclarecemos, contudo, que ambas as opções possuem suas particularidades. Tais são, o nível de álcool, de doçura, a quantidade de gás carbono em cada um deles e o local de fabricação.

    Diante das diferentes características, cada um deles merecem a oportunidade de serem apreciados.

    Dessa forma, se você gosta de bebidas mais leves opte pelo frisante. Se gosta de apreciar bebidas com mais bolhas de gás uma boa seleção é o espumante.

    Agora, se você é gosta de apreciar bebidas mais intensas e finas a escolha certa é o Champangne.

    Certamente para cada ocasião há uma opção. Escolha o seu e tenha as melhores sensações!

    Referências:

    https://justwines.com.au/blog/difference-sparkling-wines-semi-sparkling-wines/#:~:text=In%20layman’s%20language%2C%20semi%2Dsparkling,sparkle’%20than%20their%20sparkling%20counterpart.&text=While%20Champagne%20usually%20contains%205,’semi%2Dsparkling%20wines’.

    https://www.thedailymeal.com/drink/difference-champagne-prosecco-sparkling-wine

    https://content.kegworks.com/blog/sparkling-wine-champagne-prosecco-cava-moscato-lambrusco-cremant

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!
  • 2020-os 100-melhores-brasileiros-vinho-vendido do-melhores-suaves-2019-nacionais
    Curiosidades

    Quais São os 10 Vinhos Mais Vendidos no Brasil neste Ano?

    No celular gire a tela para ver a tabela completa

    PosiçãoVinhoPreçoOnde comprar
    1Guaspari Syrah/Vista do Chá 2016R$300,00Ver
    2Benjamin Nieto SuaveR$40,00 e 50,00Ver
    3Espumante Casa Perini MoscatelR$40,00Ver
    4Pata Negra Oro TempranilloR$50,00Ver
    5La Flor de Pulenta Sauvignon Blanc 2018R$150,00Ver
    6Miolo Seleção Rosé 2020R$40,00Ver
    7Los Riscos, Chardonnay 2020R$35,00 e 45,00Ver
    8Mont´arquato Cabernet Sauvignon Barbera BlendR$75,00Ver
    9Merlot Pinotage
    Tinto
    R$55,00Ver
    10Quinta de Bons Ventos TintoR$48,00Ver

    O vinho é uma das bebidas mais tradicionais do mundo, faz parte de vários períodos históricos, citado até mesmo na bíblia, é uma bebida sempre presente em comemorações.

    Ao longo dos séculos sua produção foi ficando vez mais refinada até chegar aos dias atuais. O vinho está presente em muitos lugares do mundo, sendo utilizado tanto para cozinhar alguns pratos, para acompanhá-los ou simplesmente para relaxar após um longo dia.

    Veja nossa seleção de brasileiros e internacionais mais comercializados

    Caso você tenha dúvidas sobre qual vinho escolher, nós sabemos que com a grande variedade a escolha pode ser um pouco difícil, principalmente quando não se tem o hábito de comprar vinhos, ou se apenas possui curiosidade em saber quais são os vinhos que tem feito a cabeça dos brasileiros, confira nossa lista com os dez vinhos mais vendidos nos dias de hoje.

    1 – Guaspari Syrah/Vista do Chá 2016

    Da avícola Guaspari, produtora brasileira de vinhos.

    Este vinho é produzido com uvas Syrah, com um aroma de frutas vermelhas, especiarias e um leve toque de baunilha e chocolate.

    Um belo e elegante vinho tinto que harmoniza muito bem com carnes vermelhas, queijos e massas.

    Deve ser servido na temperatura entre 16 e 18 °C para melhor aproveitamento.

    Seu preço é de aproximados R$300,00.

    2 – Benjamin Nieto Suave

    É um delicioso vinho branco Argentino, produzido com uvas Torrontés, Sauvignon Blanc e Chardonnay, com um aroma de flores brancas, maçã verde e pêssego em calda.

    Um vinho de cor clara, delicado e levemente doce, harmoniza bem com massas, risoto, queijos e sobremesas. Deve ser servido na temperatura entre 8 e 10°C para melhor aproveitamento.

    Seu Valor fica entre R$40,00 e 50,00.

    3 – Espumante Casa Perini Moscatel

    Vinho nacional produzido com uvas moscateis, possui um aroma floral e de frutas bem agradável, de cor levemente amarelada e sabor doce com o frescor das uvas moscatel.

    Harmoniza bem com legumes, carnes suínas e sobremesas. Deve ser servido na temperatura entre 4 4 e 6 °Cpara melhor aproveitamento.

    Seu preço é de R$40,00.

    4 – Pata Negra Oro Tempranillo

    Um delicioso vinho tinto Espanhol, produzido com uvas tempranillo, possui uma coloração em rubi profundo e um aroma agradável de frutas vermelhas maduras e um leve toque de caramelo e cacau.
    Harmoniza muito bem com carnes vermelhas, queijos e massas. Deve ser servido na temperatura entre 16 e 18 °C para melhor aproveitamento.

    Preço de R$50,00.

    5 – La Flor de Pulenta Sauvignon Blanc 2018

    Vinho branco Argentino, produzido com uvas Sauvignon Blanc, possui um aroma delicioso de frutas cítricas como abacaxi e maracujá, de cor amarelo esverdeado é um ótimo vinho.

    Harmoniza com petiscos e frituras. Deve ser servido na temperatura de 9°C para melhor aproveitamento.

    O custo é de aproximados R$150,00.

    6 – Miolo Seleção Rosé 2020

    Um vinho rosé nacional, do Rio Grande do Sul, sendo o primeiro vinho Rosé do Grupo Miolo, produzido com uvas cabernet sauvignon e tempranillo, apresenta uma coloração rosada bem suave, aroma de frutas vermelhas como o morango.

    Harmoniza bem com saladas, aperitivos, peixes e frutos do mar. Deve ser servido na temperatura de 8 °C para melhor aproveitamento.

    Seu preço é de R$40,00.

    7 – Los Riscos, Chardonnay 2020

    Vinho branco Chileno, produzido com uvas chardonnay, apresenta uma coloração amarelo-pálido e um delicioso aroma floral intenso.

    Harmoniza bem com queijos, salmão e camarão.

    Deve ser servido na temperatura entre 12°C para melhor aproveitamento.

    Custa entre R$35,00 e 45,00.

    8 – Mont´arquato Cabernet Sauvignon Barbera Blend

    Proveniente da Itália é um vinho tinto produzido com uvas cabernet sauvignon e barbera, apresenta uma coloração rubi e um delicioso aroma de frutas vermelhas com um leve toque de ervas finas.

    Harmoniza bem com aves, massas e vitela. Deve ser servido na temperatura entre 16 e 18 °Cpara melhor aproveitamento.

    Preço aproximado de R$75,00.

    9 – Vinho Tinto Merlot Pinotage

    Proveniente da África do Sul, vem ganhando espaço nas casas brasileiras, é um vinho tinto produzido com uvas merlot e pinotage, de colocação vermelho rubi e com um aroma de frutas vermelhas maduras como amora e framboesa, um leve toque de ervas, especiarias e chocolate.

    Harmoniza bem com carnes vermelhas grelhadas e massas com molhos escuros.

    Deve ser servido na temperatura entre 17 °C para melhor aproveitamento.

    Seu preço é de R$55,00.

    10 – Quinta de Bons Ventos Tinto

    Um vinho de origem Portuguesa produzido com as uvas castelão, touriga nacional, camarate e tinta mipuda, possui um aroma de frutas maduras e um leve defumado, de cor rubi.

    Harmoniza bem com queijos, filés, risotos e tomates recheados.

    Deve ser servido na temperatura entre 17°C para melhor aproveitamento.

    O valor desta belezinha é de R$48,00.

    Porque o consumo de vinhos vem crescendo no Brasil?

    Para alguns brasileiros manter um vinho em casa é uma prática comum, prática essa que vem se popularizando nos últimos anos no Brasil, desde a compra de vinhos importados à vinhos nacionais.

    Com as compras online, o vinho está entre os itens mais adquiridos pelos brasileiros, seja para inovar na cozinha ou simplesmente para degustação, não se restringindo apenas a ocasiões festivas, fazendo parte do consumo diário ou semanal de alguns brasileiros.

    Existe uma grande quantidade de rótulos e sabores disponíveis no mundo e no nosso país, que tem feito presença na casa de muitos brasileiros, hoje nós vamos falar um pouco dos dez vinhos mais vendidos ultimamente, para que você possa conhecer e quem sabe se tornar um apreciador de vinhos.

    O mercado de vinhos vem crescendo no Brasil, mostrando que os brasileiros têm bom gosto e estão dispostos a aprender à apreciar um bom vinho, desde o tradicional vinho tinto ao vinho branco e o pouco mencionado rosé, todos estão ganhando espaço na lista de compras dos brasileiros por diversos motivos.

    O consumo de vinho tem se tornando comum, com certeza você já se deparou com algum conhecido nas redes sociais degustando um bom vinho ou já faz parte dos mais novos consumidores.

    Agora que você já sabe quais são os vinhos mais vendidos e com quais alimentos eles harmonizam, que tal dar uma chance para esse mundo saboroso e degustar um bom vinho, seja no jantar, uma comemoração ou simplesmente para relaxar em uma sexta-feira em casa.

    Referências:

    https://www.wine-searcher.com/regions-brazil

    https://www.winecountry.com/blog/brazil-wine-facts/

    Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!