vinhos-doces-para-iniciantes-bom-e-barato-suave-tipos-melhor-com-chocolate-tinto-suave
vinhos

Quais são os 10 Mais Indicados Vinhos de Sobremesa?

No celular gire a tela para ver a tabela completa

PosiçãoVinho de SobremesaPreçoOnde Comprar
1Moscato d’Asti – PRUNOTTO MOSCATO D’ASTI 2016R$270,00Ver
2Tokaji Aszú – OREMUS TOKAJI ASZÙR$1.200,00Ver
3Vinho do Porto Tawny – TAYLOR’S 40 YEARS OLD TAWNY PORTR$1.200,00 e 1.400,00Ver
4Icewine – NUBDORFER BISCHOFSKREUZ RIESLING EISWEIN 2012R$1.100,00Ver
5Banyuls – M. CHAPOUTIER BANYULS 2013R$350,00Ver
6Jerez Pedro Ximénez – BODEGAS TRADICIÓN PEDRO XIMENEZ 20 YEARS OLDR$650,00Ver
7Recioto della Valpolicella – TOMMASO BUSSOLA RECIOTO DELLA VALPOLICELLA CLASSICO 2005R$400,00Ver
8Sauternes – CHÂTEAU D’YQUEM 1995R$1.200,00Ver
9Auslese – HEYMANN LÖWENSTEIN WINNINGEN RÖTTGEN RIESLING AUSLESE 2005R$650,00Ver
10Moscatel de Setúbal – DOMINGOS SOARES FRANCO MOSCATEL ROXO 20 ANOSR$320,00Ver

Vinhos de sobremesa, servidos após a refeição principal, são tipicamente doces e a maioria das pessoas não consegue consumi-los em grande quantidade por considerá-los enjoativos. Para os apaixonados, isso não existe, pois eles não cansam jamais!

Eles harmonizam perfeitamente com alimentos adocicados e podem ser consumidos sem acompanhamento, na modalidade de “digestivo”. Infinitas possibilidades se encaixam: brancos, tintos, rosés ou espumantes. Leves ou encorpados. Jovens ou envelhecidos.

A característica geral básica é o alto teor de açúcar. Diversas técnicas são empregadas na produção desse tipo: passificação, congelamento, podridão nobre, colheita tardia, fortificação e muitas outras. Veja a seguir a lista que elaboramos com os 10 melhores vinhos de sobremesa.

1 – Moscato d’Asti – PRUNOTTO MOSCATO D’ASTI 2016

Elaborado a partir das uvas Moscato Bianco di Canelli, esse vinho é leve e refrescante. As uvas cultivadas na região italiana de Piemontês são colhidas e o mosto é então refrigerado em tanques de inox, sob temperaturas muito baixas e quase congelantes.

A seguir, ele é fermentado em tanques fechados, o que contribui para conservar o dióxido de carbono. E, então, é novamente resfriado até que se obtenha o nível desejado de doçura, permanecendo no tanque até o momento do engarrafamento.

Com notas florais e herbais, possui equilíbrio harmonioso entre doçura e acidez. O final é agradável, com toques de mel e limão, realçando o frescor do produto. O baixo teor alcóolico (5%) permite que seja consumido mesmo em dias de trabalho.

A média de preço é R$270,00.

2- Tokaji Aszú – OREMUS TOKAJI ASZÙ

Esse vinho tem uma história interessante. Com as vinhas situadas na região nordeste da Hungria, às margens dos importantes rios Tisza e Bodrog, por volta de 1650 o Império Otomano ameaçava invadir essas terras.

Como medida cautelar, o clérigo responsável pelas vinícolas, ordenou o adiamento da colheita, o que fez com que as uvas “passassem do ponto”, desenvolvendo o fungo que as desidrata e eleva a taxa de açúcar nelas contidas: é a chamada “podridão nobre”.

E assim surgiu um dos vinhos doces mais celebrados do mundo. Ele é intenso, complexo e completo na boca: uma perfeição dos deuses. O sabor de frutas como maçã, pêssego e laranja é proeminente. Encorpado e equilibrado.

Seu teor alcóolico é moderado (12,5%) e a garrafa custa em torno de R$1.200,00.

3 – Vinho do Porto Tawny – TAYLOR’S 40 YEARS OLD TAWNY PORT

Vinhos do Porto são largamente conhecidos por qualquer apreciador de vinho que se preze e existem 2 tipos: os Ruby, avermelhados, e os Tawny, de tonalidade acastanhada, esses são um blend de vinhos envelhecidos.

O Tawny 40 anos foi produzido em quantidade limitada. Passou por um processo de 40 anos de envelhecimento em madeiras, o que o tornou intenso e complexo em aromas e sabores. Na boca, nota-se de imediato os frutos secos misturados ao frescor herbal.

É equilibrado, cheio de volume, concentrado, com toques elegantes. O teor alcoólico é bem elevado: 29% e custa entre R$1.200,00 e 1.400,00.

4 – Icewine – NUBDORFER BISCHOFSKREUZ RIESLING EISWEIN 2012

Produzido apenas em regiões muito frias, esse vinho é elaborado a partir de uvas congeladas, que são colhidas antes do seu apodrecimento. Desse modo, o açúcar natural da fruta não se perde e permanece congelado.

A Alemanha é a origem mais comprovada do Icewine e o período do surgimento foi o início do século XIX, porém, é no Canadá que a produção ganha destaque. Nesse processo, é importante que as uvas sejam rapidamente congeladas. Assim, evita-se perda do mosto e apodrecimento das mesmas.

Elaborado a partir das uvas Riesling congeladas através de um cuidadoso processo, essa bebida equilibra com perfeição a acidez e a doçura, fator determinante para os grandes vinhos. Possui um aroma suave de maçãs, laranjas, ervas e pêssegos.

O final é longo, deixando na boca notas de mel, maracujá e minerais que se destacam no paladar. Com um baixo teor alcoólico (8,5%), a garrafa custa em média R$1.100,00.

5 – Banyuls – M. CHAPOUTIER BANYULS 2013

Oriundo da França, precisamente da região de Languedoc – Roussillon e produzido pela famosa vinícola M. Chapoutier, esse vinho é composto em sua maioria por uvas do tipo Grenache.

Elaborado desde o século XII, num sistema semelhante ao do Vinho do Porto, onde há uma interrupção na etapa da fermentação (quando o nível de açúcar ainda encontra-se elevado) para adição de álcool ao mosto.

Com um intenso aroma de mistura de frutas vermelhas e negras, toques florais e frutos secos com especiarias, esse vinho é encorpado, muito equilibrado e com um final longo, onde se revelam notas de baunilha, coco e cacau.

Poderoso, possui alto teor alcoólico (17%) e a garrafa custa em média R$350,00.

6 – Jerez Pedro Ximénez – BODEGAS TRADICIÓN PEDRO XIMENEZ 20 YEARS OLD

A linha de produção dos Jerez é bastante ampla e vai dos mais secos aos extremamente doces.

Na produção deste vinho, as uvas são expostas ao sol após a colheita, o que provoca seu ressecamento, a tal ponto que a bebida torna-se bastante enegrecida, em razão da quantidade de açũcar nela presente.

Sua concentração e textura lembram a de um xarope e os aromas são bastante variados, do figo seco a toques florais e herbais. Tanto volume e concentração quase torna o produto oleoso, mas é equilibrado, persistente e duradouro no paladar.

Com alto teor alcoólico de 15,5%, a garrafa custa em torno de R$650,00.

7 – Recioto della Valpolicella – TOMMASO BUSSOLA RECIOTO DELLA VALPOLICELLA CLASSICO 2005

Elaborado a partir de uvas passificadas, num processo de secagem que dura de 100 a 300 dias após a colheita, onde as frutas são colocadas em prateleiras de junco. Há o cuidado de colher apenas os cachos mais distantes do centro (recie = orelhas, no dialeto local).

Para o Recioto, são utilizadas uvas de diversas variedades: Corvina, Corvinone e Rondinella. Molinara, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Merlot, entre outras. Após a desidratação, elas seguem para a etapa de amadurecimento em tonéis de carvalho.

O produto tem uma exuberante cor rubi – purpúreo e aroma bem diversificado e complexo, com nuances de frutas vermelhas, toques florais, minerais e de especiarias doces. O paladar é equilibrado, volumoso, intenso e sofisticado.

Um vinho que pode ser apreciado sozinho ou acompanhado de sobremesas à base de chocolate. Custa cerca de R$400,00 a garrafa.

8 – Sauternes – CHÂTEAU D’YQUEM 1995

Da famosa região de Bordeaux, França, esse branco doce possui em sua composição 80% de uvas Sauvignon Blanc e o restante 20% de Semillon “nobremente podre”, num processo de fermentação e pausa de quase 4 anos em tonéis de carvalho francês.

Disso resulta um produto doce, intenso e ácido, uma combinação interessante. É o vinho doce mais famoso do mundo, e com louvor, diga-se de passagem.

Quando as condições climáticas não favorecem o aparecimento do fungo que caracteriza o produto, as uvas são então encaminhadas para a produção de vinhos brancos e secos. Esse é um vinho indescritível e marcante.

A garrafa custa em torno de R$1.200,00: é o sonho dos enólogos, e o teor alcoólico é alto; cerca de 13,5%.

9- Auslese – HEYMANN LÖWENSTEIN WINNINGEN RÖTTGEN RIESLING AUSLESE 2005

Produzido a partir das uvas Riesling dos antigos vinhedos instalados em solo de puro xisto, no Baixo Mosel, Auslese é traduzido como “seleção”, o que em si já resume o produto: é uma seleção de cachos colhida após o ataque do fungo da “podridão nobre”.

Também produzido na Áustria, seu aroma é rico e diversificado, com toques cítricos, minerais, florais e de mel. Equilibra uma suave doçura com uma acidez brusca, o que o torna um vinho leve, além de possuir baixo teor alcoólico de 8%. O preço da garrafa é aproximadamente R$650,00.

10 – Moscatel de Setúbal – DOMINGOS SOARES FRANCO MOSCATEL ROXO 20 ANOS

Com sólido prestígio em Portugal, o vinho tem história antiga, pois entre os séculos XII e XIV foi apreciado por Dom Dinis, então rei lusitano e teve também a preferência de Dom Manuel. A fama ganhou proporções continentais e era encomendado pelas cortes francesas e inglesas no século XIV.

O produto é elaborado sob rigoroso controle de qualidade e só atinge o nível da comercialização após pelo menos 2 anos de descanso. O mínimo exigido na categoria Superior é de 5 anos, e há ainda indicações de 10, 20, 30 e até mais de 40 anos nessa produção.

Produzido exclusivamente a partir das uvas Moscatel Roxa, é uma bebida com intensidade marcante, paladar volumoso e final longo, onde se misturam toques de mel, iodo e frutas secas. O teor alcoólico é pronunciado em 18%. Custa cerca de R$320,00.

Referências:

https://usualwines.com/blogs/knowledge-base/dessert-wine

https://winefolly.com/wine-pairing/7-tasty-pairings-for-dessert-and-wine/

https://www.masterclass.com/articles/dessert-wine-guide

https://delishably.com/beverages/Best-Fruity-Sweet-Tasting-Wines

Se gostou, por favor nos ajude e compartilhe!